• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia03/12/2021

Documentados grafites da elite da Coreia antiga

Grupo de inscrições (original e aprimorado) dos amigos “chungin” (quase elite) Pak Iho, Hong Sŏkp’il e Yi Chadam, final do século 18/início do século 19, em Kŭmgangsan, província de Kangwŏn. Crédito: Maya Stiller

03/12/21 - 12h13min

As elites da Coreia pré-moderna gravaram seus nomes nas rochas das montanhas sagradas de Kŭmgangsan, praticamente pelo mesmo motivo que os grafiteiros de hoje empunham latas de tinta spray: reputação e controle.

E enquanto a historiadora de arte Maya Stiller, professora associada de arte coreana e cultura visual da Universidade do Kansas (EUA), observa várias distinções importantes, seu novo livro, Carving Status at Kŭmgangsan: Elite Graffiti in Premodern Korea (University of Washington Press), usa a comparação como um caminho para a história até então não contada de o que ela chama de “o maior número desse tipo de grafite no Leste Asiático – em todo o mundo”.

É um relato complexo com aspectos da história, religião, sociologia, literatura e humanidades digitais – tudo envolto no enigma que é a moderna Coreia do Norte, lar da cordilheira Kŭmgang (palavra traduzida como Diamante ou Inquebrável), da qual Stiller é um dos poucos acadêmicos ocidentais ter visitado nos últimos anos.

Trabalho longo

Segundo Maya Stiller, ela foi à Coreia do Norte em busca de uma coisa e encontrou outra tão interessante e tão pouco conhecida que foi compelida a escrever um livro e criar um banco de dados computadorizado multifacetado sobre o assunto. Ou melhor, fez essas coisas na ordem inversa. Demorou vários anos de trabalho.

Stiller já havia estudado a arte religiosa budista da dinastia Chosŏn da Coreia (1392-1897), e ela inicialmente viajou para Kŭmgangsan em 2008, durante um período em que a área foi aberta para sul-coreanos e outros turistas estrangeiros que desejavam ver mosteiros notáveis ​​lá. Mas quando ela voltou para a parte mais interior e isolada de Kŭmgangsan (ou seja, mais perto da fronteira da Zona Desmilitarizada com a Coreia do Sul), em 2014, encontrou uma profusão de inscrições autográficas anteriormente não documentadas ao longo dos chamados caminhos de peregrinação. Ela decidiu fotografá-las.

A historiadora acabou fazendo mais de mil fotos contendo cerca de 4.500 inscrições separadas.

“Acabei de notar que havia inscrições em todos os lugares e achei isso particularmente estranho”, disse Stiller. “Percebi, quando estava fazendo pesquisa de campo em mosteiros budistas na Coreia do Sul, que havia inscrições perto dos mosteiros, mas nada parecido com isso. Achei que essa era uma oportunidade única na vida de registrar essas inscrições. Senti que isso era importante para minha compreensão das peregrinações do período Chosŏn à montanha.”

Acesso maior

Como filha de pai alemão e mãe coreana, Stiller tem cidadania alemã. Isso, segundo ela, levou guardas norte-coreanos a lhe dizerem em 2014 que lhe deram maior acesso ao interior de Kŭmgangsan do que um acadêmico com cidadania americana poderia ter. O país está totalmente fechado para acadêmicos externos hoje em dia.

“Honestamente”, disse Stiller, “acho que sou a única pessoa no mundo que tem esses dados e me senti obrigada a compartilhá-los com colegas em todo o mundo que não podem visitar a Coreia do Norte.”

Antes de escrever o novo livro, para o qual criou uma série de mapas e gráficos mostrando o desenvolvimento ao longo do tempo e a localização das inscrições, Stiller primeiramente criou uma planilha Excel anotando cada inscrição e vários detalhes sobre sua localização e agrupamento temático. Esse banco de dados agora está sendo traduzido em um mecanismo de busca de código aberto. Ele também destacará algumas das inscrições individuais mais interessantes, como os nomes de duas ou três mulheres que Stiller encontrou entre os milhares de nomes de homens.

Depois de passar milhares de horas examinando seus dados e colocando-os em contexto com outras informações históricas de registros da corte real, listas de exames e outros relatos de viagens para Kŭmgangsan, Stiller foi obrigada a admitir que as inscrições que encontrou não eram principalmente de natureza budista em tudo. Em vez disso, ela escreveu no livro, elas são evidências das motivações principalmente sociais dos viajantes (em oposição aos “peregrinos”), que durante o início do período Chosŏn eram quase exclusivamente funcionários do governo de alto status, mais tarde acompanhados por pessoas próximas à elite ou aspirantes a ela que queriam se associar a ancestrais ou linhagens eruditas por meio de suas “etiquetas” nas montanhas sagradas.

Contribuição

O livro é ilustrado com uma série de fotos de Stiller, mostrando as esculturas in situ e, em seguida, com seus personagens realçados com uma camada de “caligrafia” digital aplicada por Weitan Yan, um dos alunos de graduação do departamento de história da arte, que atualmente está concluindo sua dissertação sobre a arte da escrita na dinastia Qing (1644–1911) na China.

Agora que o livro foi publicado, Stiller está ansiosa para publicar o site (www.aaok.info), uma plataforma digital e mecanismo de pesquisa para a análise quantitativa e qualitativa de esculturas em rocha em funcionamento também. Ela planeja que a versão final esteja no ar em janeiro de 2022. Quando for, qualquer um pode pesquisar os nomes dos viajantes, fotos de suas esculturas e as informações sobre elas que Stiller compilou.

“O livro é minha contribuição para o campo dos estudos coreanos, história da arte coreana, literatura coreana”, disse Stiller. “Mas também tenho esse componente de humanidades digital que espero que torne meu trabalho mais publicamente disponível para pessoas fora da minha área imediata.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


cordilheira