Documentário mostra como Antártida contribui para a vida na Terra

Produção realizada pelo Instituto Oceanográfico da USP apresenta a região como um ambiente vivo e dinâmico e faz alerta sobre necessidade de conservação do ecossistema local

Antártida: regulador climático do planeta que precisa de atenção especial. Crédito: Jason Auch/Flickr

“Embora coberto por uma espessa camada de gelo, é um ambiente surpreendentemente vivo e dinâmico e essencial para a manutenção da vida na Terra.” Essa é a frase que apresenta e resume o sentido do documentário Antártica: O Continente dos Extremos, produção que foi lançada pelo Instituto Oceanográfico (IO) da USP no dia 2 de fevereiro durante o VI Simpósio APECS-Brasil 2021, evento sobre ciência e pesquisa nas regiões polares.

O documentário é resultado de um convênio que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) tem com o IO de monitoramento ambiental de toda a área da Estação Antártica Brasileira Comandante Ferraz. Idealizado pela professora Rosalinda Montone, do IO, o vídeo foi produzido com o propósito de mostrar a importância da região antártica para o planeta, falando sobre sua atuação como regulador climático, além de destacar a necessidade de conservação ambiental.

O vídeo também apresenta as atividades dos pesquisadores brasileiros na estação e um panorama da presença brasileira no continente. “O documentário na Antártica foi um desafio tão grande quanto fazer pesquisa, pois há dificuldades logísticas, climáticas, além dos problemas burocráticos”, explicou Rosalinda durante o evento de lançamento do vídeo. Ela também destacou que a produção é uma forma de retorno para a sociedade sobre as atividades que são desenvolvidas lá pelos brasileiros.

Confira abaixo o documentário completo Antártica: O Continente dos Extremos

A ideia do documentário surgiu há oito anos, segundo Rosalinda, logo no início do convênio com o Ministério. Depois, logo aconteceu um acidente na estação brasileira, em 25 de fevereiro de 2012, quando o prédio principal da estação foi completamente destruído e, entre as 60 pessoas no local, houve duas mortes. Depois, uma nova estrutura foi montada e a estação foi reinaugurada em janeiro de 2020.

A produção conta com a participação de vários cientistas e professores da USP: Frederico Brandini, José Roberto Machado da Silva, Marcos Tonelli, Paulo Roberto dos Santos, Rubens Junqueira Villela, Thais Corbisier, Vicente Gomes e Vivian Pellizari, além de pesquisadores antárticos de diversas instituições brasileiras.

“Espero que a beleza exuberante da Antártica nos leve para uma viagem maravilhosa, que acrescente paz e um pouco de luz para nossas vidas”, conclui Rosalinda.

O vídeo está disponível no Canal do Instituto Oceanográfico no YouTube, neste link.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança