Documentários reverenciam a saga de conquistar o Everest

Programas mostrados em sequência no canal National Geographic abordam sob diversos ângulos a proeza de chegar ao ponto mais alto do mundo e os riscos ambientais que ameaçam a região

Everest: os desafios que envolvem o pico mais alto do mundo são objetos de três documentários exibidos em sequência. Crédito: National Geographic

A National Geographic tem um longo histórico de viagens ao Monte Everest para pesquisar, observar e contar histórias poderosas e vanguardistas, apesar dos riscos que isso implica. Em 1933, a revista publicou um artigo sobre o primeiro voo sobre a montanha mais alta do mundo. A National Geographic Society fez a primeira concessão à região em 1948, e realizou ali a primeira transmissão de televisão da National Geographic em 1965 – que mostrava imagens filmadas do Everest pela primeira vez na história.

Continuando seu rico legado de exploração do Everest com acesso sem precedentes por renomados exploradores, cientistas, fotógrafos e cineastas, a National Geographic volta a escalar o pico mais alto nesta terça-feira, 14 de julho, a partir das 18h, combinando alpinismo com narrativa cinematográfica em dois lançamentos originais: Expedição Everest e Perdido no Everest. Logo em seguida, às 19h30, o canal também exibirá o documentário Pesadelo no Everest, produzido e dirigido pela britânica Karen McGann, indicada ao prêmio BAFTA (British Academy of Film and Television Arts).

LEIA TAMBÉM: Aquecimento global em ação: plantas crescem ao redor do Everest

Expedição Everest

Expedição Everest acompanha uma equipe internacional de cientistas, alpinistas e contadores de histórias até o topo do pico mais alto do mundo para realizar a expedição científica mais completa da história no Monte Everest. O especial de uma hora, narrado na versão em inglês pelo ator Tate Donovan (“MacGyver”, “O Homem do Castelo Alto”), registra investigações meteorológicas pioneiras que são de importância crucial para entender as mudanças pelas quais a montanha está passando em suas geleiras, e lança luz sobre os perigos que essas mudanças podem causar nas comunidades que vivem ao pé da montanha. A missão inovadora registra o drama que a equipe dedicada e experiente da expedição enfrentou e revela os perigos e motivações que levam aqueles que arriscam suas vidas a descobrir os segredos do Everest.

A National Geographic acompanhou a equipe, com membros de oito países, metade dos quais são do Nepal, na escalada da montanha, realizando pesquisas valiosas ao longo do caminho.

Expedição Everest dá uma visão dos bastidores da expedição da National Geographic e do Rolex Everest Perpetual Planet, parte de uma iniciativa da National Geographic e da Rolex para divulgar os perigos enfrentados por sistemas críticos de suporte à vida na Terra através da ciência, exploração e narrativa. Combinando a história de exploração compartilhada com a narrativa científica da National Geographic e Rolex, a parceria ilustra os impactos das mudanças climáticas em nosso planeta e ajuda a equipar as comunidades com ferramentas para reforçar sua resiliência.

Perdido no Everest

Perdido no Everest investiga um dos mistérios mais intrigantes da exploração: o que aconteceu com os grandes exploradores Andrew “Sandy” Irvine e George Leigh Mallory, que desapareceram em 8 de junho de 1924, quando tentavam chegar pela primeira vez ao topo do Everest? As pistas para resolver esse mistério estão congeladas em algum lugar perto do cume da montanha mais alta do mundo.

O especial de uma hora é liderado pelo alpinista e aventureiro Mark Synnott, juntamente com Renan Ozturk, fotógrafo e alpinista da National Geographic. Eles são acompanhados por uma equipe de renome mundial de alpinistas profissionais com mais de 100 anos combinados de experiência nas montanhas. Juntos, eles decidiram encontrar o corpo do pioneiro do Everest, Irvine, resolver o mistério de seu desaparecimento e determinar conclusivamente quem era quem conquistou a montanha mais alta do mundo, uma façanha que reescreveria a história do alpinismo.

Embora o objetivo principal fosse localizar o corpo e a câmera de Irvine (o cadáver de Mallory foi encontrado em 1999), os membros da expedição também se viram inconscientemente lutando por suas vidas enquanto cumpriam sua missão e enfrentavam obstáculos terríveis. Ventos de mais de 150 km/h, acúmulo de alpinistas no cume, frio extremo combinado com a altitude elevada foram algumas das dificuldades com que a equipe deparou. Mas isso não impediu que eles registrassem imagens espetaculares nunca vistas antes, filmadas com drones de grande altitude. O principal historiador do Everest, Tom Holzel, usou software de última geração para descobrir detalhes fotográficos. Como parte da expedição, Ozturk tirou uma extraordinária fotografia panorâmica de 360 ​​graus do Everest, publicada em 2019.

Pesadelo no Everest

Pesadelo no Everest conta a emocionante história de pessoas que ficaram presas no Himalaia após um terremoto que atingiu o Nepal em abril de 2015. O abalo provocou deslizamentos de terra e avalanches mortais no Himalaia. Este programa, feito com filmagens feitas por pessoas que estavam lá, conta a história de alpinistas e trekkers presos em cantos remotos das montanhas. O que deveria ter sido a viagem de uma vida rapidamente se tornou um pesadelo. Quem viveu e quem morreu foi uma questão de sorte.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança