É possível dialogar em tempo real com pessoa que está sonhando

Pesquisadores em quatro diferentes lugares do mundo conseguiram se comunicar com indivíduos durante o estágio de sono REM

Sonhadores conseguem, durante a fase REM do sono, seguir instruções, fazer operações aritméticas simples, responder a perguntas com sim ou não ou dizer a diferença entre variados estímulos sensoriais. Crédito: Hartwig HKD/Flickr

Os sonhos nos levam ao que parece uma realidade diferente. Eles também acontecem enquanto estamos dormindo. Portanto, você não pode esperar que uma pessoa em meio a um sonho vívido seja capaz de discernir perguntas e fornecer respostas para elas. Mas um novo estudo publicado na revista “Current Biology” mostra que, de fato, isso é possível.

“Descobrimos que os indivíduos em sono REM podem interagir com um experimentador e se comunicar em tempo real”, disse o autor sênior Ken Paller (@ kap101), da Northwestern University (EUA). “Também mostramos que os sonhadores são capazes de compreender perguntas, engajar-se em operações da memória de trabalho e produzir respostas.”

Ele prosseguiu: “A maioria das pessoas pode prever que isso não seria possível – que as pessoas acordariam ao fazer uma pergunta ou não responderiam e certamente não compreenderiam uma pergunta sem interpretá-la incorretamente.”

Porta para investigações futuras

Embora os sonhos sejam uma experiência comum, os cientistas ainda não os explicaram adequadamente. A narração de sonhos de uma pessoa também é repleta de distorções e detalhes esquecidos. Então, Paller e seus colegas decidiram tentar se comunicar com as pessoas durante os sonhos lúcidos.

“Nosso objetivo experimental é o de encontrar uma maneira de falar com um astronauta que está em outro mundo, mas nesse caso o mundo é inteiramente fabricado com base nas memórias armazenadas no cérebro”, escreveram os pesquisadores. Eles perceberam que encontrar um meio de se comunicar poderia abrir a porta em investigações futuras para aprender mais sobre sonhos, memória e como o armazenamento da memória depende do sono, dizem os pesquisadores.

A pesquisadora Karen Konkoly observa sinais cerebrais de um participante adormecido em laboratório. Os pesquisadores estão trabalhando para expandir e refinar as comunicações bidirecionais com pessoas adormecidas para que conversas mais complexas um dia sejam possíveis. Crédito: K. Konkoly

Os pesquisadores estudaram 36 pessoas que almejavam ter um sonho lúcido, no qual a pessoa tem consciência de que está sonhando. O artigo é incomum, pois inclui quatro experimentos conduzidos de forma independente usando diferentes abordagens para atingir um objetivo semelhante. Além do grupo da Northwestern University (EUA), equipes conduziram estudos na Universidade de Sorbonne (França), na Universidade de Osnabrück (Alemanha) e no Centro Médico da Universidade Radboud (Holanda).

“Colocamos os resultados juntos porque sentimos que a combinação dos resultados de quatro laboratórios diferentes usando diferentes abordagens atesta de forma mais convincente a realidade desse fenômeno de comunicação bidirecional”, disse Karen Konkoly, doutoranda na Northwestern University e primeira autora do estudo. “Dessa forma, vemos que diferentes meios podem ser usados ​​para comunicar.”

Sonho interativo

Um dos indivíduos que conseguiram sucesso imediato com a comunicação bidirecional tinha narcolepsia e sonhos lúcidos frequentes. Entre os outros, alguns tinham muita experiência em sonhos lúcidos e outros, não. No geral, os pesquisadores descobriram que era possível para as pessoas, enquanto sonhavam, seguir instruções, fazer operações aritméticas simples, responder a perguntas com sim ou não ou dizer a diferença entre variados estímulos sensoriais. Eles podem responder usando movimentos dos olhos ou contraindo os músculos faciais. Os pesquisadores se referem a isso como “sonho interativo”.

Segundo Konkoly, estudos futuros sobre o sonho podem usar esses mesmos métodos para avaliar as habilidades cognitivas durante os sonhos versus vigília. Eles também podem ajudar a verificar a precisão dos relatos dos sonhos pós-despertar. Fora do laboratório, os métodos podem ser usados ​​para ajudar as pessoas de várias maneiras, como resolver problemas durante o sono ou oferecer a quem sofre de pesadelos novas maneiras de lidar com a situação.

Experimentos de acompanhamento realizados por membros das quatro equipes de pesquisa têm como objetivo aprender mais sobre as conexões entre o sono e o processamento da memória, e sobre como os sonhos podem lançar luz sobre esse processamento da memória.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago