Ecossistemas enormes podem entrar em colapso em menos de 50 anos

Segundo estudo britânico, toda a Floresta Amazônica pode se transformar em savana em até 49 anos

Floresta Amazônica: colapso em 49 anos, menos do que se pensava anteriormente. Crédito: Carlamoura.amb/Wikimedia

Sabemos que os ecossistemas sob estresse podem chegar a um ponto em que entram em colapso e rapidamente se tornam algo muito diverso. As águas claras de um lago intocado podem ficar da cor verde-alga em questão de meses. Nos verões quentes, um recife de coral colorido pode logo tornar-se branqueado e praticamente estéril. E se uma floresta tropical tem sua copa significativamente reduzida pelo desmatamento, a perda de umidade pode causar uma mudança para as pastagens da savana com poucas árvores.

Sabemos que isso pode acontecer porque essas mudanças já foram amplamente observadas. Mas nossa pesquisa, recentemente publicada na revista “Nature Communications”, mostra que o tamanho do ecossistema é importante. Uma vez acionado um “ponto de inflexão”, grandes ecossistemas podem entrar em colapso muito mais rapidamente do que pensávamos ser possível. É uma descoberta que tem implicações preocupantes para o funcionamento do nosso planeta.

Começamos imaginando como o tamanho do ecossistema pode afetar o tempo necessário para que essas mudanças (os ecologistas chamam de “mudanças de regime”) aconteçam. Parece intuitivo esperar que os grandes ecossistemas mudem mais lentamente do que os pequenos. Em caso afirmativo, a relação entre tempo e tamanho da mudança seria a mesma para lagos, corais, áreas de pesca e florestas?

LEIA TAMBÉM: Crescimento da floresta amazônica pós-desmate é bem mais lento do que se previa

Começamos analisando dados de cerca de 40 mudanças de regime que já haviam sido observadas pelos cientistas. Eles variavam em tamanho, desde pequenos lagos na América do Norte até pastagens de savana em Botsuana, a pesca na Terra Nova (Newfoundland, Canadá) e o ecossistema aquático do Mar Negro.

Colapsos mais rápidos

Descobrimos que os ecossistemas maiores demoram mais para colapsar do que os menores, devido à difusão de tensões em grandes distâncias e atrasos no tempo. O relacionamento parece se estender por diferentes tipos de ecossistema: lagos demoram mais para colapsar que lagoas, florestas demoram mais que um bosque, e assim por diante.

Mas o que realmente se destacou foi que sistemas maiores mudam de modo relativamente mais rápido. Uma floresta que é 100 vezes maior que outra floresta não levará 100 vezes mais tempo para entrar em colapso – na verdade, ela colapsa muito mais rapidamente do que isso. Essa é uma descoberta bastante profunda, porque significa que grandes ecossistemas que existem há milhares de anos podem entrar em colapso em menos de 50 anos. Nossas estimativas médias sugerem que os recifes de coral do Caribe podem entrar em colapso em apenas 15 anos e toda a Floresta Amazônica, em apenas 49 anos.

O que explica esse fenômeno? Para descobrir, executamos cinco modelos de computador que simulavam coisas como predação e animais herbívoros (pense em lobos, ovelhas e pastagens) ou redes sociais (como os sotaques se espalham pela sociedade). Os modelos apoiam os dados em que grandes sistemas entram em colapso relativamente mais rápido que os pequenos.

No entanto, os modelos também fornecem informações adicionais. Por exemplo, grandes ecossistemas costumam ter relativamente mais espécies e habitats como compartimentos ou subsistemas conectados. Essa “modularidade” aprimorada realmente torna o sistema mais resistente a tensões e colapsos, assim como os compartimentos à prova d’água em um navio impedem que ele afunde se o casco for rompido.

Preparação mais rápida

Mas, paradoxalmente, a mesma modularidade parece permitir que um sistema altamente estressado se desfaça mais rapidamente assim que o colapso começa. E como os sistemas grandes são relativamente mais modulares, seu colapso é relativamente mais rápido.

Esses efeitos reveladores devem aumentar as preocupações sobre os efeitos dos incêndios na resiliência em longo prazo da Amazônia às mudanças climáticas, ou a rápida disseminação dos recentes incêndios florestais na Austrália, causados ​​pelos incêndios existentes, provocando novos incêndios. A única vantagem de nossa descoberta diz respeito aos ecossistemas que já foram gerenciados em regimes alternativos, como paisagens agrícolas criadas pelo homem. Agora eles têm muito menos modularidade e, portanto, podem sofrer transições relativamente lentas diante das mudanças climáticas ou de outras tensões.

As mensagens são fortes. A humanidade agora precisa se preparar para mudanças nos ecossistemas mais rápidas do que imaginávamos através de nossa visão linear tradicional do mundo. Grandes ecossistemas icônicos como a Floresta Amazônica ou os recifes de coral do Caribe provavelmente entrarão em colapso em “escalas de tempo humanas” relativamente curtas de anos e décadas, quando o ponto de inflexão for acionado. Nossas descobertas são mais uma razão para deter os danos ambientais que estão levando os ecossistemas a seus limites.

 

* John Dearing é professor de Geografia Física da Universidade de Southampton (Reino Unido); Greg Cooper é bolsista de pós-doutorado do Centro de Desenvolvimento, Meio Ambiente e Política, SOAS, Universidade de Londres (Reino Unido); Simon Willcock é professor sênior de Geografia Ambiental da Universidade de Bangor (Reino Unido).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança