Elefantes têm relações únicas com seus mortos – inclusive os estranhos

Ampla revisão de estudos revela que esses animais demonstram um interesse generalizado por aqueles de sua espécie que morreram, mesmo que eles lhes sejam desconhecidos

As respostas dos elefantes à morte são bem mais complexas do que se imaginava. Crédito: Max Pixel

Histórias de interações únicas e conscientes entre elefantes e seus mortos são uma parte familiar do conhecimento das espécies, mas faltava um estudo abrangente dessas relações. Uma revisão recente de observações de campo documentadas de elefantes em carcaças veio preencher essa lacuna. Publicada na revista “Primates“, ela revela padrões de comportamento dos elefantes em relação a seus mortos, independentemente da força dos relacionamentos anteriores com o indivíduo falecido.

As descobertas indicam que os elefantes demonstram um interesse generalizado por seus mortos, mesmo depois que os corpos se deterioram há muito tempo – e mesmo se os elefantes estudados não estivessem intimamente ligados ao indivíduo morto. Os comportamentos mais comuns observados foram aproximar-se dos mortos, tocar e examinar a carcaça. Os elefantes também pareciam usar seu olfato avançado para identificar indivíduos mortos, e foram observados vocalizando e tentando levantar ou puxar elefantes caídos que haviam acabado de morrer.

O estudo consistiu em uma revisão da literatura de 32 observações originais de carcaças de elefantes selvagens de 12 fontes distintas em toda a África. Apesar da variabilidade entre as fontes na metodologia, algumas tendências foram evidentes.

LEIA TAMBÉM: Elefante asiático se agrupa como proteção contra humanos, revela estudo

“O comportamento mais comumente registrado pelos elefantes em relação aos mortos incluía tocar, aproximar-se do animal morto e investigar a carcaça”, disse Shifra Goldenberg, do Instituto de Pesquisa em Conservação do Zoológico de San Diego e do Smithsonian Conservation Biology Institute, que coliderou o estudo. “As motivações subjacentes aos comportamentos observados são difíceis de conhecer, mas claramente variaram entre circunstâncias e indivíduos. Por exemplo, alguns elefantes fizeram visitas repetidas a uma carcaça, e é possível que a glândula temporal que flui por uma jovem fêmea no local da carcaça de sua mãe seja associado à emoção elevada.”

Relacionamentos duradouros

Os elefantes formam relacionamentos duradouros ao longo de décadas e os indivíduos mantêm diferentes tipos de relacionamentos entre as populações. Eles vivem em sociedades socialmente complexas, de fusão e fissão, nas quais grupos sociais se dividem e se fundem ao longo do tempo. Essas complexas relações exigem o reconhecimento e a lembrança de uma ampla gama de indivíduos em suas espécies. Não é de surpreender que os elefantes tenham demonstrado notáveis ​​habilidades cognitivas, memória extensa e olfato altamente sofisticado.

“Testemunhar os elefantes interagirem com seus mortos envia arrepios na espinha, pois o comportamento indica claramente sentimentos avançados”, disse George Wittemyer, da ONG Save the Elephants e do Departmento de Pesca, Vida Selvagem e Biologia da Conservação na Universidade Estadual do Colorado, que coliderou o estudo com Goldenberg. “Este é um dos muitos aspectos magníficos dos elefantes que observamos, mas que não podemos compreender completamente.”

Quando se cumprimentam após a separação, os elefantes se envolvem em prolongada investigação olfativa e tátil, sugerindo que estejam constantemente atualizando informações sociais e espaciais. É possível que o comportamento do elefante em relação a uma carcaça tenha o mesmo propósito com quem ele interage e tem implicações importantes na sobrevivência de um indivíduo.

Os pesquisadores disseram esperar que estudos futuros sejam realizados para entender melhor a memória dos elefantes e explorar ainda mais a possibilidade de sofrimento e emoção nas respostas dos elefantes à morte.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança