Empresas pelo mundo adotam fim de semana de três dias

Vidas familiares revigoradas e níveis de estresse em queda, além de maior produtividade, satisfação e lucros costumam ser os resultados desse movimento por quatro dias de trabalho na semana que está em rápido crescimento

Semana de quatro dias ajuda a igualar as condições entre homens e mulheres, segundo Andrew Barnes, Perpetual Guardian

Um número crescente de empregadores estão dando aos seus funcionários um dia de folga sem alterar os salários de uma semana de cinco dias de trabalho – que tem sido um marco da cultura ocidental desde que Henry Ford a adotou em 1926. Há evidências crescentes de que isso pode aumentar a produtividade dos chefes e a felicidade dos trabalhadores.

Playgrounds, centros de jardinagem e ginásios esportivos estão se enchendo nas sextas-feiras. Vidas familiares revigoradas e níveis de estresse em queda, além de maior produtividade, lucro e satisfação da equipe costumam ser os resultados desse movimento por quatro dias de trabalho na semana que está em rápido crescimento, segundo reportagem do The Guardian.

Desde a crise financeira, as pessoas no Reino Unido têm, de fato, trabalhado por mais tempo, e não menos, por horas, já que os salários estagnados fizeram com que as pessoas trabalhem mais para compensar a inflação. Automação e inteligência artificial, anunciadas como impulsionadoras de maior lazer, foram aproveitadas pelos barões da economia gig para o efeito oposto para alguns trabalhadores.

“Os fundamentos econômicos estão indo contra as políticas de redução de horas [na carga de trabalho]”, disse Torsten Bell, diretor do thinktank da Resolution Foundation. “Nosso objetivo deve ser colocá-los no caminho certo.” Existe uma grande empolgação de finalmente caminhar para a visão de John Maynard Keynes de 1930 de que todos trabalhariam uma semana de 15 horas e passariam o resto sem pressa.

Um número crescente de pessoas está tentando fazer exatamente isso. E não são apenas as pequenas empresas que podem estar percebendo a chance de economizar um pouco de dinheiro, apagando as luzes um dia por semana. Uma empresa de marketing em Glasgow, a Pursuit Marketing, que mudou 120 pessoas para quatro dias no final de 2016 afirma que essa estratégia tem sido fundamental para um aumento de 30% na produtividade.

Em janeiro, o Wellcome Trust (instituição de pesquisa biomédica de Londres que funciona por meio de doações) tornou-se o maior empregador do Reino Unido a aderir à tendência ao anunciar que seus 800 funcionários da sede iriam ter um final de semana de três dias.

Menos trabalho, salário igual

Referência mundial
Uma das maiores organizações a fazer a mudança foi a Perpetual Guardian, fiduciária neozelandesa que supervisiona quase US$200 bilhões em ativos. Ela adotou uma semana de quatro dias para seus 240 funcionários e registrou um aumento de 20% na produtividade. A mudança gerou enorme interesse global, com 400 organizações de todo o mundo pedindo conselhos.

O dia de folga de cada trabalhador varia, dependendo das necessidades da equipe no momento. Seu fundador e diretor executivo, Andrew Barnes, aponta uma mudança na cultura com menos tempo perdido nas mídias sociais e em reuniões desnecessárias.

“Esta é uma ideia cuja hora chegou”, disse Barnes, que levantou a bandeira da semana de quatro dias por ter visto “uma chance de mudar o mundo”. “Precisamos de mais empresas para dar uma chance. Eles ficarão surpresos com a melhoria em sua empresa, equipe e comunidade.”

Para ele essa mudança ajuda igualar as condições entre mulheres e homens, em parte, tornando mais fácil para as mães que retornam ao trabalho, porque elas não precisam se comprometer com cinco dias, e tornando os homens mais disponíveis para tarefas domésticas.

A produtividade cai após a 35ª hora de trabalho semanal, de acordo com um estudo de 2014 do Institute for Labor Economics. O estudo envolvendo call centers descobriu que quanto mais tempo as pessoas trabalhavam suas chamadas eram tratadas com menos eficiência. Quando trabalham menos horas, as pessoas tendem a estar mais relaxadas – e mais produtivas.

A Confederação da Indústria Britânica, que representa os principais empregadores do país, não se importa com uma semana de quatro dias. “No momento em que o trabalho flexível está se tornando mais essencial do que nunca, abordagens rígidas parecem um passo na direção errada”, disse um porta-voz.

Lugar para críticas
Mas Torsten Bell, diretor do thinktank da Resolution Foundation e ex-conselheiro do Tesouro do Partido Trabalhista, é um dos céticos de que os ganhos de produtividade seriam aproveitados em toda a economia. “É muito difícil afirmar que a produção global aumentará se você reduzir 20% de suas horas na economia como um todo”, disse ele.

A crítica do Partido Trabalhista é certamente complicada. Rachel Kay, pesquisadora do projeto que avalia essa proposta, disse que trabalhar menos horas pelo mesmo dinheiro poderia funcionar em setores focados em tarefas onde os empregadores não precisam de pessoas disponíveis o tempo todo, mas é menos provável, por exemplo, no varejo onde o presenteísmo é necessário.

As razões por trás dos aumentos de produtividade ainda não estão claras. Kate Cooper, diretora de políticas do Instituto de Liderança e Gestão, disse que “o efeito Hawthorne” pode estar em jogo. Ou seja, as pessoas mudam seu comportamento simplesmente porque sentem que estão sendo observadas – nesse caso, ao receberem uma semana de quatro dias, sentem que seus chefes estão interessados ​​em seu trabalho.