Empresas verdes

Pecuária sustentável

As áreas cobertas pelo projeto produzem cerca de 40% dos bezerros mato-grossenses (Foto: iStock)

O Grupo Carrefour Brasil e a Iniciativa para o Comércio Sustentável (IDH) lançaram em julho uma parceria para produção sustentável de bezerros em Mato Grosso. Até 2020, serão investidos mais de € 3 milhões, sobretudo para fomentar a produção em mais de 450 propriedades das regiões dos vales do Juruena (noroeste do estado, no bioma amazônico) e do Araguaia (leste, no Cerrado). Essas áreas, que abrangem 11 municípios, respondem por mais de 40% da produção de bezerros de Mato Grosso (a maior parte a cargo de pequenos criadores) e preservam mais de 80% da sua vegetação nativa. As propriedades que devem se beneficiar do projeto somam mais de 156 mil hectares. A iniciativa busca simultaneamente aumentar a produção e melhorar os níveis de conservação com mecanismos de restauração e de compensação ambiental.

 

Benefícios disseminados

Projeto no Semiárido potiguar: integrante do Programa Raízes (Foto: Divulgação)

O Programa Raízes, da CPFL Renováveis, completou cinco anos com R$ 15,3 milhões investidos e vários resultados a comemorar. A iniciativa propõe mobilização social, implantação de projetos, planejamento e gestão participativa das comunidades, com foco em três linhas temáticas – Segurança Hídrica, Compromisso com as Gerações Futuras e Fortalecimento de Cadeias Produtivas. Já foram postos em prática 59 projetos, beneficiando diretamente 23.223 pessoas e indiretamente 1,6 milhão de moradores de 90 municípios em seis Estados, sobretudo Ceará, Minas Gerais ­e Rio Grande do Norte. Atualmente, 23 projetos estão em andamento – 11 ligados ao pilar Gerações Futuras, 11 ao Cadeias Produtivas e 1 ao Segurança Hídrica. Um dos destaques de Gerações Futuras foi o projeto “Semiárido do Rio Grande do Norte”, que ampliou o acesso à água para a produção e consumo de mais de 3.200 moradores de nove comunidades de João Câmara e São Miguel do Gostoso (RN).

 

Avanço da reciclagem

O ReciclAzul, programa de reciclagem da companhia aérea Azul, pioneiro no setor no Brasil, chegou a seu quarto aniversário em junho atingindo a marca de 25.300 quilos de resíduos reciclados. O volume corresponde à coleta seletiva e à reciclagem das latas de refrigerante e outros materiais gerados no serviço de bordo da empresa. O ReciclAzul acontece em voos com destino a São Paulo (Campinas e Guarulhos), Confins e Recife, cidades que, em conjunto, recebem cerca de 300 voos diários da Azul. A empresa pretende ampliar o serviço para outras cidades e promover a reciclagem completa de todos os materiais gerados a bordo, inclusive das embalagens de snacks servidos gratuitamente aos clientes.

 

Inovação energética

Energia de biomassa: um dos alvos do Cine (Foto: iStock)

A multinacional Shell, a Fapesp, as universidades Estadual de Campinas (Unicamp) e de São Paulo (USP) e o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) lançaram em maio o Centro de Inovação em Novas Energias (Cine), destinado principalmente a desenvolver novos dispositivos para armazenar energia com emissão zero (ou próximo de zero) de gases-estufa e que utilizem como combustível fontes renováveis. Os objetivos incluem também novas rotas tecnológicas para converter metano em produtos químicos. A Shell investirá até R$ 34,7 milhões no novo centro, e a Fapesp, R$ 23,14 milhões. Unicamp, USP e Ipen repassarão R$ 53 milhões, como contrapartida econômica, na forma de salários de pesquisadores e de pessoal de apoio, infraestrutura e instalações. No total, 20 projetos serão desenvolvidos pelo centro, cuja missão será produzir conhecimento na fronteira da pesquisa e, paralelamente, transferir tecnologia para o setor empresarial.

 

Aceleradora na área ambiental

A Cervejaria Ambev lançou em julho uma aceleradora dedicada a impulsionar propostas inovadoras em temas como emissão de carbono, agricultura sustentável, embalagem circular e água. A melhor proposta competirá com trabalhos de outros países na aceleradora global do grupo AB Inbev. O grande vencedor poderá fechar um contrato com a multinacional e apresentar sua ideia a fundos globais de investimento de alto impacto. Além do vencedor, a Cervejaria Ambev premiará outras propostas bem avaliadas com programas de treinamento e mentoria da liderança da companhia, para identificar e desenvolver o potencial das ideias e pessoas participantes, com possibilidade de futuras contratações. Os interessados devem se cadastrar no site aceleradoraambev.com.br e aguardar os comunicados sobre as próximas etapas do programa.

 

Água poupada

Carro da Ford: menos água na produção (Foto: Divulgação)

A montadora Ford tem como meta global eliminar até 2030 o uso de água potável em seus processos fabris. A filial brasileira baixou nos últimos dez anos de 5 m3 para 2,82 m3 o consumo de água potável por veículo produzido, com destaque para a economia obtida na área de pintura. De 2016 para 2017, a queda total foi de 42.418 m3 (42,418 milhões de litros). Entre as ações nesse sentido implementadas em 2017 estão o reúso de água nas torres de resfriamento e nos banheiros, que geraram economia de cerca de 35 milhões de litros de água. O complexo da Ford em São Bernardo (SP) reduziu o consumo de água nos últimos cinco anos em 35,8% – uma economia de 863,7 milhões de litros. Nas fábricas de Taubaté (SP), o uso de água reciclada dos processos industriais ajuda a abastecer um lago na unidade, que alia a qualidade ambiental à função de abrigo para aves migratórias e outras espécies­ que habitam o local.