• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência09/06/2022

Encontrado fóssil de dinossauro carnívoro bizarro no Saara egípcio

Reconstituição artística do ecossistema do oásis de Bahariya na parte egípcia do deserto do Saara há cerca de 98 milhões de anos, mostrando a diversidade de grandes terópodes (dinossauros predadores). O recém-descoberto abelissaurídeo, ainda sem nome (direita), confronta um espinossauro (centro-esquerda, com peixes nas mandíbulas) e um carcarodontossauro (centro-direita). Ao fundo, uma manada do saurópodes (dinossauro herbívoro gigante de pescoço comprido) paralititan (esquerda) observa cautelosamente esses predadores, enquanto um bando de um pterossauros (réptil voador) ainda sem nome paira acima. Crédito: Andrew McAfee, Museu Carnegie de História Natural

09/06/22 - 09h44min

Uma equipe de pesquisadores egípcios e americanos anunciou a descoberta de um novo tipo de dinossauro carnívoro de corpo grande, ou terópode, de um famoso sítio fóssil no deserto do Saara, no Egito.

O fóssil de uma espécie ainda sem nome fornece o primeiro registro conhecido do grupo de terópodes abelissaurídeos de uma unidade rochosa do Cretáceo Médio (aproximadamente 98 milhões de anos) conhecida como Formação Bahariya, que está exposta no oásis de Bahariya, no Deserto Ocidental do Egito.

Por que os braços do tiranossauro eram tão curtos? Confira
Dinossauro banguela é descoberto no Paraná
Espécie de dinossauro descoberta na Argentina não tinha braços

No início do século 20, essa localidade abrigava os espécimes originais de uma série de dinossauros notáveis ​​– incluindo o colossal espinossauro –, que foram destruídos na Segunda Guerra Mundial. Fósseis de abelissaurídeos já haviam sido encontrados na Europa e em continentes atuais do hemisfério sul, mas nunca antes na Formação Bahariya. A equipe descreve a descoberta do abelissaurídeo Bahariya em um artigo publicado na revista Royal Society Open Science.

O estudo foi liderado por Belal Salem, pós-graduando da Universidade de Ohio (EUA), com base no trabalho que ele iniciara enquanto era membro do Centro de Paleontologia de Vertebrados da Universidade de Mansoura (MUVP), em Mansoura (Egito).

Lugar aterrorizante

O fóssil em questão, uma vértebra bem preservada da base do pescoço, foi recuperado por uma expedição da MUVP ao oásis de Bahariya realizada em 2016. A vértebra pertence a um abelissaurídeo, uma espécie de terópode com cara de buldogue, dentes pequenos e braços minúsculos que se estima ter cerca de seis metros de comprimento corporal. Os abelissaurídeos – mais notavelmente representados pela forma patagônica, com chifres e aparência demoníaca, do carnotauro de Jurassic Park e Prehistoric Planet – estavam entre os grandes dinossauros predadores mais diversos e geograficamente difundidos nas massas de terra meridionais durante o Cretáceo, o último período da Era dos Dinossauros. Juntamente com o espinossauro e dois outros terópodes gigantes (carcadontossauro e bahariassauro), o novo fóssil de abelissaurídeo adiciona mais uma espécie ao quadro de grandes dinossauros predadores que vagavam pelo que hoje é o Saara egípcio há cerca de 98 milhões de anos.

“Durante o Cretáceo médio, o oásis de Bahariya teria sido um dos lugares mais aterrorizantes do planeta”, disse Salem. “Como todos esses enormes predadores conseguiram coexistir permanece um mistério, embora provavelmente isso esteja relacionado ao fato de terem comido coisas diferentes, por terem se adaptado para caçar presas diferentes.”

A nova vértebra tem implicações para a biodiversidade dos dinossauros do Cretáceo no Egito e em toda a região norte da África. É o mais antigo fóssil conhecido de abelissaurídeo do nordeste da África e mostra que, durante o Cretáceo Médio, esses dinossauros carnívoros se espalharam por grande parte da parte norte do continente, de leste a oeste do atual Egito ao Marrocos, até o sul, no atual Níger e potencialmente além. O espinossauro e o carcadontossauro também são conhecidos no Níger e Marrocos, e um parente próximo do bahariassauro também foi encontrado nesta última nação, sugerindo que essa fauna de terópodes grandes a gigantescos coexistia em grande parte do norte da África naquele momento.

Como a descoberta de uma única vértebra do pescoço pode levar os pesquisadores a concluir que o fóssil pertence a um membro dos abelissaurídeos, um tipo de dinossauro carnívoro que nunca havia sido encontrado na Formação Bahariya antes? A resposta é extremamente simples: é praticamente idêntico ao mesmo osso em outros abelissaurídeos mais conhecidos, como o carnotauro da Argentina e o majungassauro de Madagascar. O coautor e orientador de graduação de Salem, Patrick O’Connor, que em 2007 publicou um estudo exaustivo da anatomia vertebral do majungassauro, explicou: “Examinei esqueletos de abelissauros da Patagônia a Madagascar. Meu primeiro vislumbre desse espécime a partir de fotos não deixou dúvidas sobre sua identidade. Os ossos do pescoço dos abelissaurídeos são bem distintos.”


+ Marina Ruy Barbosa aparece de topless em bastidores de ensaio fotográfico
+ Vídeo: Criança se contorce em telhado com mãos e pés amarrados
+ 6 alimentos que você deve evitar durante a menopausa
+ Quarta onda? Confira 8 sintomas comuns da Covid em pessoas já vacinadas

O local

O oásis de Bahariya é conhecido nos círculos paleontológicos por ter produzido os espécimes-tipo (os fósseis originais, descobertos pela primeira vez) de vários dinossauros extraordinários durante o início do século 20, incluindo o mais famoso deles, o espinossauro. Infelizmente, todos os fósseis de dinossauros Bahariya coletados antes da Segunda Guerra Mundial foram destruídos durante um bombardeio de Munique feito pelos aliados em 1944.

Como aluno de pós-graduação no início dos anos 2000, o coautor do estudo Matt Lamanna ajudou a fazer as primeiras descobertas de dinossauros do oásis desde o infame ataque aéreo de 1944, incluindo o gigantesco saurópode (dinossauro de pescoço comprido) paralititan. “O oásis de Bahariya assumiu um status quase lendário entre os paleontólogos por ter produzido os primeiros fósseis conhecidos de alguns dos dinossauros mais incríveis do mundo, mas por mais de três quartos de século esses fósseis existiram apenas como imagens em livros antigos”, disse Lamanna. Felizmente, as descobertas feitas durante as recentes expedições lideradas por pesquisadores da Universidade Americana do Cairo (Egito) e da MUVP – como a nova vértebra de abelisaaurídeo – estão ajudando a restaurar o legado paleontológico desse sítio clássico.

Sanaa El-Sayed, colíder da expedição de 2016 que coletou a vértebra do abelissaurídeo, explicou: “Este osso é apenas o primeiro de muitos novos fósseis de dinossauros importantes do oásis de Bahariya”.

A Formação Bahariya promete lançar mais luz sobre os dinossauros africanos do Cretáceo Médio e os ecossistemas desaparecidos em que eles viveram. Ao contrário de rochas mais exploradas da mesma idade no Marrocos que tendem a produzir ossos isolados, a Formação Bahariya parece preservar esqueletos parciais de dinossauros e outros animais terrestres com um grau relativamente alto de frequência. Quanto mais ossos são preservados dentro do esqueleto de uma determinada espécie de esqueleto fóssil, mais os paleontólogos geralmente podem aprender sobre isso. A propensão do oásis de Bahariya para a produção de esqueletos parciais associados sugere que ainda existe muito a ser aprendido nessa localidade histórica.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


abelissaurídeo