Energia a todo custo

A construção de mais uma mega-hidrelétrica na China é sinônimo de comunidades deslocadas de suas terras, destruição de sítios históricos e religiosos e prejuízos ao meio ambiente

Mulher próxima a escombros de casas demolidas e sua cabana perto da represa da hidrelétrica de Lianghekou: a construção da usina, na província de Sichuan, promove o progresso material, mas gera problemas complexos para a natureza e os habitantes da região (Foto: AFP Photo / Johannes Eisele)

O intenso esforço chinês de gerar energia – no caso, hidrelétrica – continua deixando marcas profundas no país. Nesta foto, feita no fim de maio, uma mulher aparece próxima aos escombros de casas demolidas e sua cabana provisória perto de uma represa na região de Lianghekou (província de Sichuan, no sudoeste do país). A precariedade de sua situação é consequência da construção de mais uma megausina, cujas paredes de concreto de 295 metros de altura sepultam matas próximas.

Erguida na confluência dos rios Yalong, Xianshui e Qingda, a hidrelétrica de Lianghekou deverá produzir 3 mil megawatts quando ficar pronta, em 2023, e ilustra bem os traumas que tais construções impõem à população local e ao meio ambiente. O conjunto formado pela represa e pela usina afeta comunidades até 100 quilômetros rio acima, e edifícios ancestrais, monastérios budistas, terras férteis e montanhas consideradas sagradas pelos chineses ficarão submersos quando a obra estiver concluída.

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus