Enigma de ‘planta misteriosa’ da Amazônia enfim é resolvido

Declarada uma nova espécie, a Aenigmanu alvareziae confundiu os cientistas por quase 50 anos

Espécime de folha e uma minúscula fruta laranja da planta misteriosa. Crédito: Patricia Álvarez-Loayza

Em 1973, um cientista tropeçou em uma árvore estranha na Floresta Amazônica, diferente de tudo que ele já vira. Tinha cerca de 6 metros de altura, com pequenos frutos laranja em forma de lanternas de papel. Ele coletou amostras das folhas e frutos da planta, mas todos os cientistas para quem ele a mostrou acabaram coçando a cabeça – não só foram incapazes de identificar a planta como uma espécie que havia sido previamente descrita por cientistas, mas também não conseguiram até declará-la uma nova espécie, porque não sabiam dizer a que família pertencia.

O enigma agora foi resolvido: em um novo estudo publicado na revista Taxon, os cientistas analisaram o DNA da planta e determinaram onde ela pertence na árvore genealógica das árvores. Ela finalmente recebeu um nome, que significa “Mistério de Manu”, em homenagem ao parque do Peru que veio.

“Quando vi essa pequena árvore pela primeira vez, em uma ocasião em que estava em uma trilha na floresta que partia da estação de campo, foi a fruta – parecida com uma lanterna chinesa laranja e suculenta quando madura com várias sementes – que chamou minha atenção”, disse Robin Foster, o cientista que originariamente coletou a planta misteriosa no Parque Nacional Manu, no Peru. Curador aposentado do Field Museum de Chicago (EUA), Foster é agora pesquisador do Smithsonian Tropical Research Institute. “Eu realmente não achei que fosse especial, exceto pelo fato de que tinha características de plantas em várias famílias de plantas diferentes, e não se encaixava perfeitamente em nenhuma família. Normalmente, posso dizer a família com um olhar rápido, mas essa eu não podia identificar.”

Caso intrigante

Foster não foi o único a não conseguir descobrir. Nancy Hensold, uma botânica do Field Museum, lembra-se de que ele mostrou a ela um espécime seco da planta há mais de 30 anos. “Vim trabalhar no Field Museum em 1990 e Robin mostrou-me essa planta. E tentei identificá-la usando pequenos caracteres técnicos, como ferver os ovários das flores e tirar fotos do pólen, e, depois de tudo, ainda não sabíamos”, disse ela. “Isso realmente me incomodou.”

A planta misteriosa ficou no herbário do Field Museum, uma biblioteca de espécimes de plantas secas, por anos, mas Hensold e seus colegas não se esqueceram dela. A equipe acabou conseguindo uma bolsa para estudar a planta, financiada pelo Conselho de Mulheres do Field Museum, e a busca começou.

A equipe tentou analisar o DNA da planta usando os espécimes secos. Quando isso não funcionou, eles pediram ajuda a Patricia Álvarez-Loayza, uma cientista que trabalha no Parque Nacional Manu e passou anos monitorando a floresta lá, para encontrar um novo espécime da planta. Ela o fez, e quando os pesquisadores no Field a analisaram no laboratório de DNA Pritzker do museu, ficaram chocados com o que encontraram.

“Quando meu colega Rick Ree a sequenciou e me disse a que família ela pertencia, eu disse a ele que a amostra devia estar contaminada. Eu simplesmente não conseguia acreditar”, lembrou Hensold.

A árvore agora identificada. Crédito: Patricia Álvarez-Loayza
Poucas semelhanças

A análise de DNA revelou que os parentes mais próximos da planta misteriosa pertenciam à família Picramniaceae. Isso era um grande problema para os botânicos, porque a planta não se parecia em nada com seus parentes mais próximos, pelo menos à primeira vista. “Olhando mais de perto a estrutura das flores minúsculas, percebi que realmente havia algumas semelhanças. Mas, dadas suas características gerais, ninguém a teria colocado naquela família”, disse Hensold.

Os pesquisadores enviaram espécimes a Wayt Thomas, curador emérito do The New York Botanical Garden e especialista em Picramniaceae. “Quando abri a embalagem e olhei para as amostras, minha primeira reação foi: ‘Que diabos?’ Essas plantas não se pareciam com mais nada na família”, disse Thomas, o principal autor do artigo na Taxon. “Então, decidi olhar com mais cuidado. Assim que olhei com muito cuidado para as minúsculas flores de 2 a 3 milímetros de comprimento, as coisas se encaixaram.”

Com o DNA finalmente revelando a qual família a planta pertencia, os pesquisadores puderam dar a ela um nome científico formal, Aenigmanu alvareziae. O nome do gênero, Aenigmanu, significa “mistério de Manu”, enquanto o nome da espécie é em homenagem a Patricia Álvarez-Loayza, que coletou os primeiros espécimes usados ​​para a análise genética. (É importante notar que, embora Aenigmanu alvareziae seja novo para os cientistas, há muito tempo é usado pela povo indígena machiguenga.)

Recado sobre o que ocorre no ecossistema

Os pesquisadores dizem que finalmente conseguir uma classificação científica para Aenigmanu alvareziae poderia ajudar a proteger a Floresta Amazônica em face do desmatamento e das mudanças climáticas.

“As plantas são pouco estudadas em geral. Especialmente plantas de florestas tropicais. Principalmente as plantas da Amazônia. E especialmente as plantas do Alto Amazonas. Para entender as mudanças que estão ocorrendo nos trópicos, para proteger o que resta e para restaurar áreas devastadas, as plantas são a base de tudo o que lá vive e o mais importante para estudar”, disse Foster. “Dar-lhes nomes exclusivos é a melhor maneira de organizar as informações sobre elas e chamar a atenção para elas. Uma única espécie rara pode não ser importante por si só para um ecossistema, mas coletivamente elas nos dizem o que está acontecendo lá.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago