Enquanto europeus seguem em casa, poluição do ar permanece baixa

Manutenção da quarentena para conter a pandemia de covid-19 é responsável por quedas dramáticas da poluição atmosférica na Europa Ocidental

Análises adicionais estão mostrando que os níveis de concentrações de dióxido de nitrogênio em toda a Europa seguem baixos – coincidindo com as medidas de bloqueio implementadas para impedir a disseminação do coronavírus. Novos dados do satélite Copernicus Sentinel-5P, do programa Copernicus da União Europeia, mostram que algumas cidades têm níveis de queda de 45% a 50% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Cientistas do Instituto Real de Meteorologia da Holanda (KNMI) monitoraram a poluição do ar na Europa nos últimos meses usando dados do instrumento Tropomi do satélite Copernicus Sentinel-5P.

As novas imagens mostram as concentrações de dióxido de nitrogênio de 13 de março a 13 de abril de 2020, em comparação com as concentrações médias de março a abril de 2019. Madri, Milão e Roma tiveram uma queda de cerca de 45%, enquanto Paris teve uma queda dramática de 54% – coincidindo com as rigorosas medidas de quarentena implementadas em toda a Europa.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus: quarentena causa queda na poluição em toda a Europa

O dióxido de nitrogênio é produzido a partir de usinas de energia, veículos e outras instalações industriais e pode ter impactos significativos na saúde humana – aumentando a probabilidade de desenvolvimento de problemas respiratórios. As concentrações de dióxido de nitrogênio em nossa atmosfera variam amplamente dia a dia devido às flutuações das emissões, bem como às variações nas condições climáticas.

Períodos substanciais

Essa variabilidade induzida pelo clima dificulta tirar conclusões com base apenas em medições diárias ou semanais. Ela torna necessário analisar os dados durante um período substancial de tempo para resolver quaisquer anomalias.

Henk Eskes, do KNMI, comenta: “Existem variações consideráveis ​​de clima em todos os países de um dia para o outro, criando um grande impacto na dispersão do dióxido de nitrogênio. (…) A média de dados por períodos mais longos nos permite ver mudanças mais claras nas concentrações devido à atividade humana. Por esse motivo, os mapas mostram concentrações ao longo de um período mensal e são fornecidos com incerteza [variação para mais ou para menos] de 15%, o que reflete a variabilidade climática não contabilizada nas médias mensais utilizadas.”

Como as medidas de bloqueio continuarão nas próximas semanas, a equipe do KNMI continuará trabalhando em uma análise mais detalhada de outros países do norte da Europa, onde é observada uma maior variabilidade nos dados devido às mudanças nas condições climáticas.

O uso de modelos de qualidade do ar, como o Serviço de Monitoramento de Atmosfera Copernicus, bem como a combinação de resultados de dados in situ, reduzirão o impacto das mudanças climáticas nas estimativas de poluição do ar.