Ensino superior em tempos de transformação

É preciso ir além das exigências das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação e dos conselhos profissionais

Adriana J. C. Kampff (Foto: B. Todeschini/PUCRS)

Pensar apenas no foco específico da diplomação não basta. É preciso ir além das exigências das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação e dos conselhos profissionais. Currículos contemporâneos precisam oportunizar experiências diversificadas. Empreendedorismo, internacionalização, temas avançados de pesquisa, estudos em áreas complementares ou diversas.

Um exemplo que transpõe esse conceito para a prática é a oferta, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), de arranjos curriculares mais flexíveis aos estudantes universitários, rompendo com a linearidade e a homogeneidade dos currículos tradicionais. Nos novos currículos, os alunos podem escolher caminhos a serem percorridos em suas trajetórias acadêmicas, com autonomia e autoria. É possível prever a possibilidade de estudar idiomas, além de disciplinas de outros currículos ou mesmo da pós-graduação, tornando cada percurso único.

É necessário dar significado a um conceito fundamental ao ambiente universitário: a indissociabilidade do ensino, da pesquisa e da extensão. É possível ensinar por meio de metodologias investigativas, com participação ativas dos estudantes e mediação intencional dos professores, em diálogo com a comunidade, pesquisando as realidades e estudos de áreas afins, produzindo novos conhecimentos. É importante avançar em propostas metodológicas em que, para além dos conceitos teóricos, os alunos compreendam os contextos em que estão inseridos e proponham soluções para os desafios da atualidade. As atividades acadêmicas e os locais em que elas acontecem necessitam valorizar o protagonismo dos estudantes e viabilizar múltiplas formas de ensinar e aprender.

Acreditando, portanto, que a aprendizagem é também impactada pelo ambiente, entregamos aos alunos da PUCRS um novo prédio que materializa nossas concepções educacionais. Considerado por muitos a sala de aula do futuro, o Living 360° reúne ambientes de estudo, bem-estar e convívio, aliados ao que há de mais moderno para a aplicação de metodologias de ensino inovadoras, com múltiplos recursos e tecnologias. Trata-se de um espaço inspirado em centros de aprendizagem e pesquisas internacionais. A diversidade de ambientes e serviços traz oportunidades de estudo individual e projetos em grupos, favorecendo o encontro, o aprofundamento e o desenvolvimento de novas ideias.

Espaços como esse promovem a exploração, a interatividade e o engajamento de professores e estudantes. Além disso, precisam ser multiprofissionais, ou seja, esses ambientes necessitam ser como aqueles em que nos inserimos depois de formados, no mundo do trabalho. É importante que o estudante tenha essa percepção de construção coletiva e de convivência.

Os contextos profissionais já estão em transformação. Com um novo jeito de organizar os currículos, as metodologias e os ambientes, as instituições de ensino podem potencializar a produção e a difusão de conhecimento relevante, formando profissionais inovadores e conscientes do seu impacto no mundo. Por isso, compreender cenários e necessidades, dialogar em contextos multidisciplinares e interculturais, avaliar a qualidade das informações localizadas, escolher metodologias adequadas para produção de soluções e construir caminhos para viabilizá-las será um diferencial por toda a vida. A universidade deve traduzir tudo isso nas possibilidades de formação de seus estudantes.

(*) A professora Adriana Justin Cerveira Kampff é diretora de Graduação da PUCRS

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança