• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Curiosidades11/05/2022

Entre acasalar e sobreviver, moscas-da-fruta preferem a primeira opção

Crédito: Pixabay/CC0 Public Domain

11/05/22 - 08h50min

As moscas-da-fruta continuam a se acasalar mesmo quando infectadas com patógenos mortais, revelou um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Birmingham (Reino Unido).

De acordo com os resultados, publicados na revista Proceedings of the Royal Society B, tanto as moscas-da-fruta machos quanto as fêmeas infectadas com patógenos bacterianos mostram níveis normais de namoro e sucesso de acasalamento.

A montagem de uma resposta imune é energeticamente “custosa”, então as infecções normalmente reduzem a quantidade de energia disponível para outras atividades, como o acasalamento. Surpreendentemente, no entanto, o estudo demonstrou que as moscas-da-fruta infectadas continuaram a se envolver em namoro e acasalamento, independentemente de o macho ou a fêmea estar infectado.

“Os animais têm recursos energéticos limitados que precisam ser distribuídos entre diferentes atividades, como combater uma infecção ou acasalar”, explicou a drª Carolina Rezaval, líder da equipe de pesquisa da Universidade de Birmingham. “Estávamos interessados ​​em entender como os animais priorizam e equilibram seus investimentos na defesa imunológica e na reprodução.”

Comportamento semelhante

Saloni Rose, aluna de doutorado da drª Rezaval, abordou esta questão usando a mosca-da-fruta Drosophila. Ao infectar moscas-da-fruta machos e fêmeas com diferentes patógenos, variando em tipo e gravidade, ela fez a surpreendente descoberta de que os comportamentos de corte e acasalamento eram semelhantes em moscas infectadas e não infectadas. Isso também foi verdade quando o sistema imunológico das moscas foi ativado artificialmente usando manipulação genética. Além disso, moscas não infectadas acasalaram com igual frequência com parceiros infectados e saudáveis, sugerindo que elas não selecionam contra parceiros infectados.

As moscas não são alheias à infecção, no entanto. Estudos anteriores mostraram que moscas infectadas podem apresentar comportamentos anormais de locomoção, sono e alimentação. Consequentemente, o novo estudo sugere que os comportamentos de namoro e acasalamento sejam priorizados, mesmo quando outros comportamentos são alterados durante o desenvolvimento da infecção.

Quando confrontados com uma potencial ameaça à vida, alguns animais respondem investindo mais na reprodução, provavelmente na tentativa de passar os genes para a próxima geração. Isso pode muito bem ser o que está acontecendo com as moscas-da-fruta nas condições testadas em laboratório. Mais trabalho é necessário para descobrir o que está acontecendo no cérebro para manter os comportamentos reprodutivos diante da infecção.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

acasalamento