Era dos navios autônomos está se aproximando

A indústria marítima está buscando reduzir o custo do transporte de carga através de tecnologia autônoma iniciada pela Rolls-Royce, mas a questão é controversa

Projeto do navio autônomo da Rolls-Royce. (Crédito: Divulgação)

De humildes jangadas de madeira de vinhas a balsas (a vapor) do tamanho de uma cidade que transportam milhares de visitantes de cada vez, a humanidade, como espécie, domina a técnica de viajar pelos oceanos. Agora pode ter chegado a hora em que nossa presença ali já não é tão relevante. As últimas embarcações oceânicas não têm necessidade de um capitão humano e a era dos navios autonavegáveis está se aproximando muito rapidamente.

O transporte marítimo é um grande negócio: uma indústria global que vale dezenas de bilhões de dólares. Milhões de contêineres cheios de trilhões de produtos são rotineiramente transportados acima das ondas. É um grande empreendimento que exige equipes e recursos a bordo. Atualmente, a indústria marítima está buscando reduzir o custo do transporte de carga através de tecnologia autônoma iniciada pela Rolls-Royce.

A mundialmente famosa empresa de engenharia está propondo um projeto de navio autônomo que emprega câmeras HD, as quais transmitem para equipes de vigilância em terra as tecnologias de sensores, imagens térmicas e o radar térmico. É um projeto ambicioso que combina sistemas de comunicações de ponta para fabricar o navio de carga do amanhã.

Os drones agora são comuns e os carros sem motorista estão a caminho. A engenharia trouxe ao mundo os veículos autônomos, no chão e no ar. No entanto, com dois terços do nosso planeta cobertos por água, você pode ser perdoado por supor que poderíamos ter feito o mesmo mais cedo para os mares.

Estabelecendo um prazo até 2020 para produzir o primeiro navio com tripulação reduzida, a Rolls-Royce prevê mais 15 anos para aperfeiçoar o projeto de um navio autônomo totalmente funcional. Não é um prazo irracional. Embarcações menores e reduzidas existem há vários anos e são usadas por forças navais e pesquisadores.

Então, se a tecnologia necessária está disponível, por que o movimento de navegação autônomo apenas começou? Em primeiro lugar, há uma resistência considerável da própria indústria à novidade. O transporte autônomo significa tripulações menores e, em última análise, nenhuma equipe. Talvez, compreensivelmente, haja relutância em abraçar uma evolução da indústria que leve à redução de empregos.

Da mesma forma, há controvérsias sobre os custos do empreendimento. Enquanto alguns acreditam que a remessa autônoma possa ter uma economia de custo de transporte de 22%, outros colocam os custos de tripulação de um navio em apenas 6%. É difícil avaliar quão viável é realmente o investimento financeiro na tecnologia de navegação autônoma.

Por último, o envio de navios não tripulados para águas cartografadas é, ironicamente, uma espécie de aventura em águas desconhecidas. As responsabilidades por acidentes e incidentes em navios não tripulados são um atoleiro legal para o qual atualmente há pouquíssima legislação. Os governos terão que fechar quaisquer brechas legais para manter as leis à prova d’água nas raras ocasiões em que as próprias embarcações não o forem.

Apesar desses obstáculos, o programa autônomo está funcionando, com muitos dos principais participantes do setor a bordo. A rápida ascensão da tecnologia inteligente empurrou as possibilidades da logística para os mares apenas na última década, com o cargueiro autônomo a poucos anos de sua primeira jornada. Contra o pano de fundo do progresso cada vez maior, as vozes discordantes podem tornar-se cada vez mais uma gota no oceano.

Timoteo Muller

(*)Timoteo Muller é gerente de vendas da Dassault Systèmes para a América Latina

blog comments powered by Disqus