Escudo de Garibaldi desaparecido há 20 anos é achado em casa em Roma

Escudo ornamental retrata herói da unificação italiana e algumas das batalhas que ele travou

Garibaldi em pintura do acervo do Museu Masséna, de Nice: herói da unificação italiana

A polícia de arte italiana encontrou uma escultura desaparecida conhecida como Escudo de Garibaldi, que estaria perdida há 20 anos, na casa de um arquiteto em Roma. O escudo de bronze ornamental do general Giuseppe Garibaldi (1807-1882) foi um presente do povo da Sicília a Garibaldi, que desempenhou um papel importante na luta pela unificação italiana e é considerado um dos “pais da pátria”.

A peça, que pesa 50 quilos e tem 118 centímetros de diâmetro, foi produzida por Antonio Ximenes, pai do renomado escultor Ettore Ximenes. A polícia está investigando como ela foi parar no local. A escultura foi doada por Garibaldi à cidade de Roma e confiada aos Museus Capitolinos, que posteriormente a transferiram para o Museu Central do Risorgimento, de onde desapareceu há 20 anos. A polícia está investigando como ela foi parar na casa do arquiteto.

Garibaldi se notabilizou por, em 1860, invadir a Sicília com mil voluntários levemente armados, conhecidos como camisas vermelhas. Eles derrotaram 12 mil adversários napolitanos e tomaram a ilha; em seguida, invadiram o continente, ocuparam Nápoles e desencadearam uma onda de apoio à unificação. Antes de tudo isso, Giuseppe Garibaldi participou no Brasil da Revolução Farroupilha (1835-1845).

LEIA TAMBÉM: Migrações e diversidade marcaram 12 mil anos de história de Roma

Peça única

A escultura é considerada uma obra de arte única. A cabeça de Garibaldi é retratada ali, assim como as principais batalhas que ele travou, e os nomes de seus mil soldados estão gravados.

O roubo de peças de arte é uma ocorrência relativamente comum na Itália. Segundo o mais recente boletim de obras de arte roubada dos carabinieri (polícia paramilitar italiana), 8.405 itens sumiram na Itália apenas no último ano, incluindo artefatos arqueológicos, armas antigas e textos medievais. Mais de 1 milhão de obras são listadas como desaparecidas.