Esqueletos de ‘dinossauros duelistas’ vão para museu

Tiranossauro e triceratops que morreram lutando entre si há 67 milhões de anos foram doados para museu na Carolina do Norte

Reconstituição artística da luta entre tiranossauros e triceratops. Crédito: Ilustração de Anthony Hutchings/ © Friends of the NC Museum of Natural Sciences

Os esqueletos de dois dinossauros que parecem ter morrido lutando entre si – um tiranossauro e um triceratops – foram doados a um museu da Carolina do Norte, na costa leste dos Estados Unidos, informou o jornal “The Guardian”. Em comunicado divulgado ontem (17 de novembro), a organização sem fins lucrativos Amigos do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte declarou ter comprado os animais fossilizados com fundos privados.

Os espécimes duelistas de Tyrannosaurus rex e Triceratops horridus morreram juntos há 67 milhões de anos, numa encosta na Formação Hell Creek, no atual estado de Montana (noroeste dos EUA). Seus corpos ficaram entrelaçados no que aparenta ser uma luta mortal final.

A Formação Hell Creek é conhecida por sua abundância em fósseis pré-históricos. Os dos dinossauros duelistas estão entre os mais conhecidos deles. E são indiscutivelmente valiosos: foram avaliados entre US$ 7 milhões e US$ 9 milhões.

LEIA TAMBÉM:

Batalha judicial

Descobertos em 2006, os esqueletos foram alvo de uma batalha judicial sobre os direitos de sua posse. Em junho, um tribunal de apelações dos Estados Unidos decidiu que os fósseis pertenciam aos proprietários dos direitos de superfície da terra, e não aos proprietários dos direitos minerais.

Os paleontólogos temiam que informações científicas valiosas presentes nos fósseis pudessem ser perdidas em meio a essa disputa. Mas a organização que comprou os esqueletos disse que sua aquisição dará aos cientistas de museus “uma oportunidade sem precedentes para pesquisa e educação”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança