Estátuas da Ilha de Páscoa tinham objetivo de deixar solo fértil

Estudo americano revelou que moais não retirados da oficina do vulcão Rano Raraku deveriam, na verdade, ficar ali mesmo para promover a fertilidade da terra

Moais nas encostas do vulcão Rano Raraku: feitos também para garantir a fertilidade do solo. Crédito: max Pixel

Por que a pequena Ilha de Páscoa, no leste do Pacífico, tem em seu território cerca de mil monólitos representando figuras humanas, os moais? Um novo estudo da equipe de Jo Anne Van Tilburg – arqueóloga da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e diretora do Easter Island Statue Project – publicado na revista “Journal of Archaeological Science” propõe uma resposta para o enigma: os antigos escultores da ilha trabalharam sob as ordens da classe dominante para fazer os moais porque eles e a comunidade em geral acreditavam que as estátuas eram capazes de produzir fertilidade agrícola e, portanto, suprimentos essenciais de alimentos.

A Ilha de Páscoa – conhecida no idioma local como Rapa Nui – é o local habitado mais isolado do mundo. Em 1995, a Unesco a declarou Patrimônio Mundial, com a maioria dos locais sagrados da ilha protegidos dentro do Parque Nacional Rapa Nui.

Van Tilburg e sua equipe, trabalhando com a geoarqueóloga e especialista em solos Sarah Sherwood, da University of the South (EUA), acreditam ter encontrado evidências científicas desse significado há muito hipotético, graças ao estudo cuidadoso de dois moais escavados em cinco anos na pedreira do vulcão extinto Rano Raraku, no lado leste da ilha.

LEIA TAMBÉM: O enigma de Páscoa

A análise mais recente de Van Tilburg concentrou-se em dois dos monólitos situados na região interna da pedreira de Rano Raraku, origem de 95% dos mais de 1.000 moais da ilha. Testes laboratoriais extensivos de amostras de solo da mesma área mostram evidências de alimentos como banana, cará e batata-doce.

Área produtiva

Segundo Van Tilburg, a análise mostrou que, além de servir como pedreira e lugar de escultura de estátuas, Rano Raraku também era o local de uma área agrícola produtiva. “Nossa escavação amplia nossa perspectiva dos moais e nos encoraja a perceber que nada, por mais óbvio que seja, é exatamente o que parece. Acho que nossa nova análise humaniza o processo de produção dos moais”, disse ela.

Moais em processo de escavação pela equipe de pesquisadores. Crédito: Easter Island Statue Project

Van Tilburg tem uma longa relação com a Ilha de Páscoa, onde desenvolve trabalhos há mais de 30 anos. Sua iniciativa Easter Island Statue Project é parcialmente apoiada pelo Instituto Cotsen de Arqueologia da UCLA. Tom Wake, colega do Instituto Cotsen, analisa restos de pequenos animais do local da escavação. Van Tilburg também atua como diretora do Rock Art Archive da UCLA. Em parceria com membros da comunidade local, ela lidera as primeiras escavações legalmente permitidas de moais no Rano Raraku desde 1955. Cristián Arévalo Pakarati, um conhecido artista de Rapa Nui, é codiretor do projeto.

Os solos no Rano Raraku são provavelmente os mais ricos da ilha, afirmou Sherwood. Juntamente com uma fonte de água doce na pedreira, parece que a prática de extrair blocos de pedra ali ajudou a aumentar a fertilidade do solo e a produção de alimentos nas imediações, disse ela. Os solos da pedreira são ricos em argila criada pelo desgaste da bagacina (a rocha vulcânica local) enquanto os trabalhadores extraíam as rochas mais profundas para esculpir os moais.

Sherwood não estava originariamente procurando fertilidade do solo, mas, por curiosidade e hábito de pesquisa, fez alguns testes em grande escala de amostras trazidas da pedreira.

Condições especiais

“Quando recuperamos os resultados da química, dei uma olhada dupla”, disse ela. “Havia realmente altos níveis de coisas que eu nunca imaginaria que existissem, como cálcio e fósforo. A química do solo mostrou níveis elevados de elementos essenciais para o crescimento das plantas e fundamentais para altos rendimentos. Em todos os outros lugares da ilha, o solo estava rapidamente se desgastando, erodindo e sendo sugado por elementos que alimentam as plantas, mas na pedreira, com seu constante influxo novo de pequenos fragmentos da rocha gerada pelo processo de extração, há um perfeito sistema de feedback de água, fertilizantes naturais e nutrientes.”

Ela disse que também parece que os antigos povos indígenas da ilha eram muito intuitivos sobre o que cultivar. Plantavam várias culturas na mesma área, o que pode ajudar a manter a fertilidade do solo.

Os moais que a equipe de Van Tilburg escavou foram descobertos na posição vertical, um em um pedestal e o outro em um buraco profundo, indicando que eles deveriam permanecer lá.

“Este estudo altera radicalmente a ideia de que todas as estátuas em pé no Rano Raraku estavam simplesmente aguardando transporte para fora da pedreira”, disse Van Tilburg. “Ou seja, esses e provavelmente outros moais na posição vertical no Rano Raraku foram mantidos no local para garantir a natureza sagrada da própria pedreira. Os moais eram centrais na ideia de fertilidade e, na opinião de Rapa Nui, sua presença aqui estimulava a produção de alimentos agrícolas.”

Interrupção com ocidentais

Van Tilburg e sua equipe estimam que as estátuas da pedreira interna foram levantadas por volta de ou antes do período 1510 d.C.-1645 d.C. A atividade nessa parte da pedreira provavelmente começou em 1455 d.C. A maior parte da produção de moais cessou no início dos anos 1700 devido ao contato com povos ocidentais.

Diagrama que mostra o histórico de escavação do Moai 156, na pedreira no Rano Raraku. A linha tracejada vermelha é a superfície estimada quando petroglifos, ou arte rupestre, foram aplicados nas costas da estátua. Essa linha também representa o ponto em que a extração da pedreira na área provavelmente terminou. A linha verde representa o nível do solo no início da escavação. Crédito: Cristián Arévalo Pakarati/Easter Island Statue Project

As duas estátuas escavadas pela equipe de Van Tilburg foram quase completamente enterradas por solos e entulho. “Escolhemos as estátuas para escavação com base no exame minucioso das fotografias históricas e mapeamos toda a região interna do Rano Raraku antes de iniciar as escavações”, disse ela.

Van Tilburg trabalhou duro para estabelecer conexões com a comunidade local em Rapa Nui. As equipes de campo e laboratório do projeto são compostas por trabalhadores locais, orientados por arqueólogos e geólogos profissionais. O resultado de seus esforços coletivos é um enorme arquivo detalhado e banco de dados comparativo que documenta mais de 1.000 objetos esculturais em Rapa Nui, incluindo moais, bem como registros semelhantes em mais de 200 objetos espalhados por museus em todo o mundo.

O estudo recentemente publicado é o primeiro a revelar a pedreira como uma paisagem complexa e a fazer uma declaração definitiva que vincula a fertilidade do solo, a agricultura, a pedreira e a natureza sagrada dos moais.