Estrela mais próxima do Sol registra explosão recorde

Proxima Centauri apresentou uma das explosões mais violentas já vistas em toda a Via Láctea, cujo estudo ajuda inclusive na busca de vida em outros planetas

Concepção artística da violenta explosão estelar de Proxima Centauri descoberta por cientistas em 2019 usando nove telescópios em todo o espectro eletromagnético. Grandes labaredas são ejetadas de Proxima Centauri com regularidade, impactando os planetas da estrela quase que diariamente. Crédito: NRAO/S. Dagnello

Cientistas identificaram a maior erupção já registrada da vizinha mais próxima do Sol, a estrela Proxima Centauri. A pesquisa, liderada pela Universidade do Colorado em Boulder (EUA), pode ajudar a moldar a busca pela vida além do Sistema Solar. Ela foi publicada na revista “The Astrophysical Journal Letters”.

A astrofísica Meredith MacGregor, professora assistente da Universidade do Colorado em Boulder, explicou que Proxima Centauri é uma estrela pequena, mas poderosa. Ele fica a apenas quatro anos-luz (mais de 31,1 trilhões de quilômetros) do nosso Sol e hospeda pelo menos dois planetas, um dos quais pode se parecer com a Terra. É também uma anã vermelha, o nome de uma classe de estrelas que são excepcionalmente pequenas e fracas. Ela tem cerca de um oitavo da massa do Sol.

No novo estudo, MacGregor e seus colegas observaram Proxima Centauri por 40 horas usando nove telescópios no solo e no espaço. No processo, eles tiveram uma surpresa: Proxima Centauri ejetou um clarão, ou uma explosão de radiação que começa perto da superfície de uma estrela, a qual foi classificada como uma das mais violentas já vistas em qualquer lugar da galáxia.

Mudança rápida

“A estrela passou de normal para 14 mil vezes mais brilhante quando vista em comprimentos de onda ultravioleta no intervalo de alguns segundos”, disse MacGregor.

As descobertas da equipe sugerem uma nova física que pode mudar a maneira como os cientistas pensam sobre as explosões estelares. Elas também não são um bom presságio para qualquer organismo mole corajoso o suficiente para viver perto da volátil estrela.

“Se houvesse vida no planeta mais próximo de Proxima Centauri, teria de ser muito diferente de qualquer coisa na Terra”, disse MacGregor. “Um ser humano nesse planeta teria um tempo ruim.”

A estrela tem sido um alvo para cientistas que esperam encontrar vida além do sistema solar da Terra. Proxima Centauri fica perto, para começar. Ela também hospeda um planeta, denominado Proxima Centauri b, que reside no que os pesquisadores chamam de zona habitável – uma região em torno de uma estrela que tem a faixa certa de temperaturas para abrigar água líquida na superfície de um planeta.

Mas há uma reviravolta, disse MacGregor: as anãs vermelhas, que se classificam como as estrelas mais comuns na galáxia, também são excepcionalmente vivas.

Estrelas ativas

“Muitos dos exoplanetas que encontramos até agora estão em torno desses tipos de estrelas”, disse ela. “Mas o problema é que elas são muito mais ativas do que o nosso Sol. Elas brilham com muito mais frequência e intensidade.”

Para ver as dimensões da explosão em Proxima Centauri, ela e seus colegas realizaram o que se aproxima de um golpe no campo da astrofísica: eles apontaram nove instrumentos diferentes para a estrela por 40 horas ao longo de vários meses em 2019. Esses olhos incluíram o telescópio espacial Hubble, o Atacama Large Millimeter Array (Alma) e o Transiting Exoplanet Survey Satellite (Tess) da Nasa. Cinco deles registraram a explosão massiva de Proxima Centauri, capturando o evento que produziu um amplo espectro de radiação.

“É a primeira vez que temos esse tipo de cobertura de vários comprimentos de onda de uma explosão estelar”, disse MacGregor. “Normalmente, você tem sorte se consegue dois instrumentos.”

Concepção artística da violenta erupção estelar em Proxima Centauri. A labareda é a mais poderosa já registrada a partir da estrela e está dando aos cientistas uma visão sobre a busca pela vida nos sistemas estelares anões M, muitos dos quais têm estrelas excepcionalmente ativas. Crédito: NRAO/S. Dagnello
Planeta crocante

A técnica proporcionou uma das anatomias mais aprofundadas de uma erupção de qualquer estrela da galáxia.

O evento em questão foi observado em 1º de maio de 2019 e durou apenas 7 segundos. Embora não produzisse muita luz visível, gerou uma grande onda de radiação ultravioleta e de rádio, ou radiação “milimetrada”.

“No passado, não sabíamos que estrelas podiam brilhar na faixa de milímetros, então esta é a primeira vez que procuramos por chamas de milímetros”, disse MacGregor.

Esses sinais milimétricos, acrescentou MacGregor, podem ajudar os pesquisadores a reunir mais informações sobre como as estrelas geram chamas. Atualmente, os cientistas suspeitam que essas explosões de energia ocorrem quando campos magnéticos próximos à superfície de uma estrela se retorcem e se quebram com consequências explosivas.

Outras surpresas

Ao todo, a erupção observada foi cerca de 100 vezes mais poderosa do que qualquer erupção semelhante vista do nosso Sol. Com o tempo, essa energia pode destruir a atmosfera de um planeta e até mesmo expor formas de vida à radiação mortal.

Esse tipo de erupção pode não ser uma ocorrência rara em Proxima Centauri. Além da grande explosão em maio de 2019, os pesquisadores registraram muitas outras labaredas durante as 40 horas que passaram observando a estrela.

“Os planetas de Proxima Centauri estão sendo atingidos por algo assim não uma vez em um século, mas pelo menos uma vez por dia, senão várias vezes por dia”, disse MacGregor.

As descobertas sugerem que pode haver mais surpresas na área da companheira mais próxima do Sol. “Provavelmente haverá ainda mais tipos estranhos de sinais que demonstram diferentes tipos de física que não pensamos antes”, disse MacGregor.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança