Estresse intenso e estilo de vida permitem prever quanto tempo vivemos

Estudo finlandês revelou que tabagismo, diabetes e vida sedentária reduzem bastante a expectativa de vida; o consumo de frutas e legumes, por outro lado, aumenta essa expectativa

Tabagismo: 5,5 anos a menos para mulheres de 30 anos e 6,6 anos a menos para homens da mesma faixa etária. Crédito: Piqsels

A expectativa de vida é influenciada não apenas pelos fatores de risco tradicionais relacionados ao estilo de vida, mas também por fatores relacionados à qualidade de vida de uma pessoa, como estresse intenso. As maiores causas para a expectativa de vida reduzida para homens de 30 anos são tabagismo e diabetes. O tabagismo tira 6,6 anos da expectativa de vida, e o diabetes, 6,5 anos. Estar sob forte estresse reduz a expectativa de vida em 2,8 anos.

Esses resultados são baseados em um estudo divulgado na publicação “BMJ Open” no qual pesquisadores do Instituto Finlandês de Saúde e Bem-Estar calcularam os efeitos de vários fatores de risco, incluindo os relacionados ao estilo de vida, à expectativa de vida de homens e mulheres.

O estudo também revelou que a falta de exercício reduziu fortemente a expectativa de vida de homens de 30 anos – em 2,4 anos. Por outro lado, fatores como o consumo de muitas frutas e legumes podem aumentar a expectativa de vida: comer frutas, em 1,4 ano; e comer legumes, em 0,9 ano.

LEIA TAMBÉM: Memória saudável está relacionada a aprender novas atividades

Os mesmos fatores impactaram a expectativa de vida de homens e mulheres. Para mulheres de 30 anos, por exemplo, o tabagismo reduziu a expectativa de vida em 5,5 anos; o diabetes, em 5,3 anos; e o estresse intenso, em 2,3 anos.

Os efeitos sobre a expectativa de vida dos idosos foram semelhantes, porém menores do que nas faixas etárias mais jovens.

A virtude do meio

Sentir-se no meio pareceu ter o efeito mais positivo em alguns fatores relacionados ao estilo de vida. A experiência do estresse aumentou a expectativa de vida se a pessoa sentiu que a quantidade de estresse enfrentada era aproximadamente a mesma que a das outras pessoas. Ter mais ou menos estresse do que isso, por outro lado, reduziu a expectativa de vida.

O estudo foi baseado em dados coletados de homens e mulheres com idades entre 25 e 74 anos no Estudo Nacional Finlandês FINRISK 1987-2007 através de questionários e medições. A taxa de mortalidade foi seguida até o final de 2014.

Os pesquisadores calcularam as expectativas de vida alterando os valores de cada fator de risco por vez e mantendo os valores de outros fatores constantes. Somente os níveis de IMC, pressão arterial e colesterol puderam ser mudados quando os valores relacionados aos fatores do estilo de vida foram alterados.

“Antes, a expectativa de vida geralmente era avaliada com base em apenas alguns grupos de fatores sociodemográficos, como idade, sexo e educação. Neste estudo, queríamos avaliar o impacto de vários fatores diferentes na expectativa de vida de uma pessoa, de modo a poder comparar seus efeitos”, disse o líder da pesquisa, Tommi Härkänen.

Diferenças de educação e posição social

“O interessante do estudo foi o quão pequena se mostrou a diferença na expectativa de vida de homens e mulheres de 30 anos baseada nos mesmos valores de fatores de risco – apenas 1,6 ano. Segundo as estatísticas da Statistics Finland, a diferença entre os sexos tem estado acima de cinco anos para todos aqueles com 30 anos, o que significa que as mulheres têm estilos de vida mais saudáveis ​​que os homens”, afirmou o coautor Seppo Koskinen.

Nesse estudo, as diferenças nas expectativas de vida de pessoas com diferentes níveis de escolaridade se mostraram bastante pequenas quando os demais valores dos fatores de risco foram os mesmos. No entanto, estudos anteriores descobriram grandes diferenças entre as expectativas de vida de grupos de pessoas com diferentes níveis de educação.

As escolhas de estilo de vida que aumentam a mortalidade, como tabagismo, uso excessivo de álcool, dieta não saudável e falta de exercício, são mais comuns nos grupos populacionais cuja posição social é mais fraca.

A expectativa de vida de toda a população poderia ser significativamente melhorada, ajudando homens e pessoas com um nível mais baixo de educação, em particular, a fazer melhores escolhas de estilo de vida.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança