Estudo acha evidências de 55 novos produtos químicos em grávidas

Pesquisadores também descobriram 42 “produtos químicos misteriosos”, a respeito dos quais não há informações sobre fontes e usos

Substâncias foram encontradas no sangue tanto de mulheres grávidas quanto de seus filhos recém-nascidos. Crédito: Pikrepo

Cientistas da Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF, nos EUA) detectaram 109 produtos químicos em um estudo com mulheres grávidas. A lista inclui 55 itens nunca antes relatados em pessoas e 42 “produtos químicos misteriosos”, cujas fontes e usos são desconhecidos.

Esses produtos químicos provavelmente vêm de produtos de consumo ou de outras fontes industriais. Eles foram encontrados tanto no sangue de mulheres grávidas quanto de seus filhos recém-nascidos, sugerindo que estão viajando através da placenta da mãe.

O estudo foi publicado na revista “Environmental Science & Technology”.

“Esses produtos químicos provavelmente estão nas pessoas há algum tempo, mas nossa tecnologia agora está nos ajudando a identificar mais deles”, disse Tracey J. Woodruff, professora de obstetrícia, ginecologia e ciências reprodutivas da UCSF.

Ocorrência alarmante

Ex-cientista da EPA, a agência americana de meio ambiente, Woodruff dirige o Programa de Saúde Reprodutiva e Meio Ambiente (PRHE) e o Centro de Pesquisa Ambiental e Tradução para a Saúde (EaRTH), ambos na UCSF.

“É alarmante que continuemos vendo certos produtos químicos viajarem de mulheres grávidas para seus filhos, o que significa que esses produtos químicos podem estar conosco por gerações”, disse ela.

A equipe científica usou espectrometria de massa de alta resolução (HRMS) para identificar produtos químicos feitos pelo homem nas pessoas.

Mas, embora esses produtos químicos possam ser identificados por meio de bibliotecas dessas substâncias, eles precisam ser confirmados comparando-os aos produtos químicos puros produzidos por fabricantes conhecidos como “padrões analíticos”. E os fabricantes nem sempre os disponibilizam.

Avaliação dificultada

Recentemente, por exemplo, o fabricante de produtos químicos Solvay parou de fornecer acesso a um padrão químico para um composto de ácido perfluorooctanoico (PFAS) que surgiu como um substituto para os compostos de PFAS cuja fabricação foi interrompida. Os pesquisadores têm usado esse padrão químico para avaliar a presença e a toxicidade do PFAS substituto.

“Essas novas tecnologias são promissoras para nos permitir identificar mais produtos químicos nas pessoas. Mas os resultados do nosso estudo também deixam claro que os fabricantes de produtos químicos precisam fornecer padrões analíticos para que possamos confirmar a presença desses produtos e avaliar sua toxicidade”, disse o autor colíder Dimitri Panagopoulos Abrahamsson, que faz pós-doutorado no PRHE da UCSF.

Os 109 produtos químicos descobertos nas amostras de sangue de mulheres grávidas e de seus recém-nascidos são encontrados em muitos tipos diferentes de artigos. Por exemplo, 40 são usados ​​como plastificantes, 28 em cosméticos, 25 em produtos de consumo, 29 como produtos farmacêuticos, 23 como pesticidas, 3 como retardadores de chama e 7 são compostos de PFAS, empregados ​​em carpetes, estofados e outras aplicações. Segundo os pesquisadores, é possível que haja outros usos para todos esses produtos.

Danos potenciais

Os pesquisadores relatam que 55 dos 109 produtos químicos que identificaram provisoriamente parecem não ter sido relatados anteriormente em pessoas:

  • 1 é usado como um pesticida (bis (2,2,6,6-tetrametilpiperidini-4-y) decanodioato)
  • 2 são PFASs (perfluoroundecanoato de metila, mais provavelmente usado na fabricação de utensílios de cozinha antiaderentes e tecidos impermeáveis; ácido 2-perfluorodecil etanoico)
  • 10 são usados ​​como plastificantes (por exemplo, Sumilizer GA 80 – usado em embalagens de alimentos, pratos de papel, pequenos eletrodomésticos)
  • 2 são usados ​​em cosméticos
  • 4 são produtos químicos de alto volume de produção (HPV)
  • 37 têm pouca ou nenhuma informação sobre suas fontes ou usos (por exemplo, 1- (1-acetil-2,2,6,6-tetrametilpiperidin-4-il) -3-dodecilpirrolidina-2,5-diona, usado na fabricação de fragrâncias e tintas – este produto químico é tão pouco conhecido que atualmente não há acrônimo – e (2R0-7-hidroxi-8- (2-hidroxietil) -5-metoxi-2-, 3-di-hidrocromen-4-ona (acrônimo: LL-D-253alpha), para o qual há informação limitada ou inexistente sobre seus usos ou fontes

“É muito preocupante que não possamos identificar os usos ou fontes de tantos desses produtos químicos”, disse Woodruff. “A EPA deve fazer um trabalho melhor para exigir que a indústria química padronize seus relatórios de compostos e usos químicos. E eles precisam usar sua autoridade para garantir que tenhamos informações adequadas a fim de avaliar potenciais danos à saúde e remover produtos químicos do mercado que representam um risco.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago