Estudo comprova benefícios de dormir com parceiro

Casais que passam a noite na mesma cama mostram sono REM maior e sincronização da arquitetura do sono

Pesquisa internacional confirma que o sono de um casa na mesma cama traz vantagens para ambos. Crédito: "Na Cama", Toulou-se-Lautrec, 1893/Museu D'Orsay/Wikimedia

Em muitos países, compartilhar uma cama com um parceiro é prática comum. No entanto, pesquisas que investigam a relação entre compartilhamento de camas e qualidade do sono são escassas e contraditórias. A maioria dos estudos comparou o sono compartilhado com o sono individual em casais medindo apenas os movimentos do corpo. No entanto, o dr. Henning Johannes Drews, do Centro de Psiquiatria Integrativa (ZIP) da Universidade de Kiel (Alemanha), e colegas internacionais superaram essas limitações ao avaliar também a arquitetura do sono em casais que compartilhavam uma cama. Os resultados dessa investigação foram publicados na revista “Frontiers in Psychiatry”.

Os pesquisadores conduziram o estudo entre 12 casais heterossexuais jovens e saudáveis ​​que passaram quatro noites no laboratório do sono. Eles mediram os parâmetros do sono na presença e na ausência do parceiro, usando a polissonografia dupla simultânea, que é um “método muito exato, detalhado e abrangente para capturar o sono em vários níveis – das ondas cerebrais a movimentos, respiração, tensão muscular, atividade cardíaca”, disse Drews. Além disso, os participantes preencheram questionários projetados para medir as características da relação (duração do relacionamento, grau de amor apaixonado, profundidade do relacionamento, etc.)

Os resultados mostraram que o sono de movimento rápido dos olhos (REM) é aumentado e menos interrompido em casais que dormem juntos em comparação com quando dormiram separados. Essa descoberta é particularmente relevante porque o sono REM, associado a sonhos vívidos, tem sido associado a regulação emocional, consolidação da memória, interações sociais e solução criativa de problemas.

LEIA TAMBÉM: Estudos revelam como a covid-19 mudou o sono na Europa e nos EUA

Padrões sincronizados

A equipe também descobriu que os casais sincronizam seus padrões de sono quando dormem juntos. Essa sincronização, que não está ligada ao fato de os parceiros incomodarem um ao outro durante a noite, está positivamente associada à profundidade do relacionamento. Em outras palavras, quanto mais elevado os participantes avaliaram o significado de seu relacionamento com sua vida, mais forte a sincronização com o parceiro.

Os pesquisadores propõem um ciclo de feedback positivo no qual dormir juntos melhora e estabiliza o sono REM, o que, por sua vez, melhora nossas interações sociais e reduz o estresse emocional. Embora os pesquisadores não tenham medido especificamente esses possíveis efeitos, Drews disse que “como esses são efeitos bem conhecidos do sono REM, é muito provável que eles sejam observados em teste”.

Curiosamente, os pesquisadores descobriram um aumento no movimento de membros em casais que compartilham a cama. No entanto, esses movimentos não perturbam a arquitetura do sono, que permanece inalterada. Segundo Drew, “pode-se dizer que, embora seu corpo seja um pouco mais desregrado quando dorme com alguém, seu cérebro não é”.

Embora os resultados sejam promissores, muitas questões ainda precisam ser respondidas. “A primeira coisa que é importante avaliar no futuro é se os efeitos do parceiro encontrados por nós (sono REM estimulado durante o sono) também estão presentes em uma amostra mais diversa (por exemplo, idosos ou se um parceiro sofre de uma doença)”, disse Drew.

Apesar do pequeno tamanho da amostra e da natureza exploratória de algumas das análises, essa pesquisa amplia a compreensão do sono em casais e suas possíveis implicações para a saúde mental. Drews acrescentou que “dormir com um parceiro pode realmente lhe dar um impulso extra em relação à sua saúde mental, à memória e às habilidades criativas de resolução de problemas”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança