• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured24/06/2022

Estudo conclui que vacinação contra covid salvou 20 milhões

Crédito: torstensimon/Pixabay

Deutsche Welle
Texto por:Deutsche Welle24/06/22 - 11h19min

Um estudo divulgado nesta quinta-feira (23/06) concluiu que a vacinação contra a covid-19 salvou quase 20 milhões de vidas durante o primeiro ano. Os pesquisadores se basearam em dados de 185 países para construir um modelo matemático, segundo o qual evitaram-se 4,2 milhões de óbitos na Índia, 1,9 milhão nos Estados Unidos, 1 milhão do Brasil, 631 mil na França e 507 mil no Reino Unido.

Referindo-se à situação se não houvesse vacinas disponíveis para combater o novo coronavírus, Oliver Watson, do Imperial College London, que coordenou a pesquisa, comentou: "Catastrófica é a primeira palavra que vem à mente."

Os achados, publicados na revista especializada The Lancet Infectious Diseases, "quantificam quão pior a pandemia poderia ter sido": apesar de prejudicado por desigualdades persistentes, o esforço da indústria farmacêutica teria "evitado mortes numa escala inimaginável", afirma o cientista.

Em 8 de dezembro de 2020 um funcionário de loja aposentado da Inglaterra recebeu a primeira dose do que seria uma campanha global de imunização. Nos 12 meses seguintes, mais de 4,3 bilhões tomaram uma das diversas vacinas contra a covid-19.

A simulação matemática dos cientistas de Londres indicou, ainda, que outras 600 mil vidas poderiam ter sido salvas, caso se tivesse cumprido a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de inocular 40% da população mundial contra a covid-19 até o fim de 2021.

Acertos e falhas da campanha de vacinação

O estudo foi financiado por diversas entidades, incluindo a OMS, o Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido, a aliança de vacinas Gavi e a Fundação Bill e Melinda Gates.

Sua principal conclusão, de que se impediram 19,8 milhões de mortes na pandemia, baseou-se em quantas excederam a taxa usual de mortalidade durante o período. Com base apenas nas vítimas confirmadas da doença, o mesmo modelo indica que 14,4 milhões de óbitos foram evitados.

A análise publicada pela Lancet não incluiu a China, devido a sua enorme população e à incerteza quanto ao efeito da pandemia sobre o total de óbitos no país. Há, ainda, outras limitações: os pesquisadores não levaram em consideração como teriam sido as mutações do vírus na ausência de vacinas. Tampouco se pesou o efeito da presença das vacinas sobre os confinamentos e o uso de máscaras.

Partindo de uma outra abordagem, um grupo do Institute for Health Metrics and Evaluation, de Seattle, EUA, chegou a 16,3 milhões de óbitos por covid evitados. Esse trabalho ainda não foi publicado.

Um de seus participantes, Ali Mokdad, lembra que a tendência de usar máscaras é mais forte quando ocorrem mais casos. Além disso, sem as vacinas, a onda da variante delta do coronavírus, em 2021, teria suscitado medidas oficiais mais fortes. Mesmo assim: "Podemos discordar dos números, enquanto cientistas, mas todos concordamos que as vacinas contra a covid salvaram muitas vidas."

Para Adam Finn, da Bristol Medical School, na Inglaterra, que não esteve envolvido em nenhum dos estudos, os achados evidenciam tanto as conquistas quanto as deficiências da campanha de vacinação; "Embora tenhamos nos saído bastante bem desta vez – salvamos milhões e milhões de vidas –, poderíamos ter ido melhor, e devemos nos sair melhor no futuro."

av/ek (AP, ots)

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África