Estudo genético brasileiro pretende mapear grupos de risco da covid-19

Segundo Lygia da Veiga Pereira, da USP, a ideia é investigar as razões genéticas que identifiquem o nível de gravidade da doença e, assim, desenvolver tratamento eficaz para combatê-la

Genoma humano: o da população brasileira constitui uma mistura única. Crédito: Public Domain Pictures

Um projeto coordenado pela USP investiga as razões genéticas que levam alguns pacientes de covid-19 a desenvolver quadro leve ou grave da doença, possuindo comorbidades ou não, e visa a mapear com eficácia os grupos de risco. Especialista acredita que o sequenciamento possibilitará o desenvolvimento de medicamento eficaz e novas terapias.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, a professora Lygia da Veiga Pereira, do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da USP e do Projeto DNA Brasil, explica que o novo coronavírus é uma novidade e que, por isso, ainda se sabe pouco sobre seus diferentes aspectos. O estudo de sequenciamento de genoma dos pacientes de covid-19 com quadros leves ou graves da doença poderá levar a novas descobertas sobre a relação do vírus com a genética humana, além de possibilitar tratamentos: “Comparando o genoma dessas pessoas, a ideia é identificar quais genes estão associados a uma resposta melhor ou pior da doença. Isso pode abrir diferentes caminhos de pesquisa, de diagnóstico e terapias”.

A pesquisa possibilitará verificar quais grupos genéticos são mais suscetíveis à doença e criar um marcador mais pontual para identificar as pessoas com maior risco e, posteriormente, desenvolver medicamentos eficazes para combater a covid-19: “Aí pode dizer a uma pessoa jovem, que acha que pode sair tranquila porque vai ter só uma ‘gripezinha’, que não vai ser assim, porque pode ter uma variante genética capaz de levar a doença a um estado muito grave”.

LEIA TAMBÉM: Cientistas vão desvendar receita genética do povo brasileiro

Mistura única

Segundo Lygia, o Projeto DNA Brasil – agora voltado para descobertas sobre a covid-19 – teve início em 2017, com o intuito de sequenciar os genes da população brasileira a partir da constatação de que, no mundo, esse tipo de estudo até então abrangia apenas populações caucasianas, geralmente europeus ou norte-americanos:  “Daí veio essa urgência de incluir a população brasileira nesses estudos de genômica. Nós somos uma mistura interessante de genomas europeus, africanos e indígenas, e essa mistura é única. Então, colocamos esse projeto de pé, que visa a um panorama abrangente da genética de toda a população brasileira, para que, a partir disso, consiga aplicar toda essa medicina de precisão na nossa população também”. Ela complementa: “Quanto mais conhecermos sobre o genoma humano, melhor poderemos administrar a saúde da população”.

O estudo já conta com 3 mil genomas, do quais 1.600 serão redirecionados para investigações sobre o genoma dos pacientes com covid-19. De acordo com a professora, o projeto recebe verba do Ministério da Saúde e, dos genomas a serem estudados, metade será de pessoas que tiveram quadro leve da doença e a outra metade as que tiveram quadro grave.

Ouça a entrevista na íntegra aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança