Estudo mostra fortes ligações entre música, matemática e leitura

Dados reforçam a ideia de que provavelmente há processos gerais de aprendizagem subjacentes a todo desempenho acadêmico, não importa qual seja a área

Música: aprendê-la ajuda a aprender matemática e a desenvolver a leitura, e vice-versa. Crédito: C0 Public Domain

O educador musical Martin J. Bergee, professor da Escola de Música da Universidade de Kansas (EUA), pensou que se pudesse controlar seu estudo em relação aos inúmeros fatores que podem ter influenciado os anteriores – raça, renda, educação, etc. –, ele poderia refutar a noção de uma ligação entre o desempenho musical e matemático dos alunos. Mas não foi isso o que aconteceu. Seu novo estudo, publicado na revista “Journal of Research in Music Education”, mostrou associações estatisticamente significativas entre os dois, tanto no nível individual quanto no do distrito escolar.

O fato de o estudo com mais de 1.000 alunos, principalmente em idade escolar, não ter mostrado tal associação em sala de aula ou em níveis escolares, só mostra o quão rigorosamente foi concebido por Bergee e seu coautor e doutorando Kevin M. Weingarten, atualmente professor visitante de educação musical na Universidade de Washington (EUA).

“Há muito tempo existe essa noção”, disse Bergee recentemente, “que não apenas essas áreas estão relacionadas, mas há uma relação de causa e efeito – que conforme você melhora em uma área, por si mesmo, melhora em outra área. Quanto mais você estudar música, melhor será em matemática ou leitura. Isso sempre foi suspeito para mim.”

LEIA TAMBÉM:

Controle das influências de fundo

Ele prosseguiu: “Sempre acreditei que a relação é correlacional e não causacional. Comecei a demonstrar que provavelmente há uma série de variáveis ​​de fundo que estão influenciando o desempenho em qualquer área acadêmica – em particular, coisas como o nível educacional da família, onde mora o aluno, se ele é branco ou não, e assim por diante. Essas variáveis ​​estão no artigo, e há muitas delas. Minha intenção era mostrar que esses relacionamentos são provavelmente espúrios. Isso significa que as influências de fundo são os principais motores dos relacionamentos, e uma vez que essas influências externas, como dados demográficos, etc., são controladas, o relacionamento essencialmente desaparece”.

“Mas espere”, acrescentou o professor. “Para minha surpresa, não apenas os relacionamentos não desapareceram, mas eles são realmente fortes.”

Bergee “se desculpa pela complexidade” do desenho do estudo. Mas observa que “não é uma coisa fácil de determinar, porque há influências que podem acontecer em diferentes níveis. Pode ser uma influência no nível de cada pessoa, mas existem também influências que podem acontecer em nível de sala de aula, escola e distrito escolar, e que são hierárquicas, o que envolve um conjunto complicado de análises.

Mesmo estando preparado para escrever “uma conclusão completamente diferente”, Bergee disse que pensou muito sobre o que as descobertas mostram.

Processos subjacentes

Os autores escrevem que “talvez a discriminação musical em um nível mais micro – alturas dos sons, intervalos, metros – compartilhe uma base cognitiva com certos padrões de discriminação na fala”. “Da mesma forma”, prosseguem, “talvez as habilidades mais macro da discriminação modal e do centro tonal compartilhem algum espaço psicológico ou neurológico com aspectos da cognição matemática. (…) Os resultados do presente estudo (…) pelo menos apontam para a possibilidade”.

Em uma entrevista recente, Bergee disse: “Com base nas descobertas, o que tentamos enfatizar é que pode haver, e provavelmente há, processos gerais de aprendizagem subjacentes a todo desempenho acadêmico, não importa qual seja a área. Desempenho musical, matemática realização, lendo realização – há provavelmente processos mais generalizados da mente que são exercidos sobre qualquer dessas áreas.

“Portanto, se seu objetivo é educar a pessoa – desenvolver a mente dela –, então você precisa educar a pessoa inteira. Em outras palavras, o aprendizado pode não ser tão modular como geralmente se pensa.”

Implica mais do que apresentar as crianças às disciplinas. Bergee disse: “Desenvolva-as nessas disciplinas. Veja se o aprendizado está acontecendo. Veja se o desenvolvimento também está.”

Bergee disse que seu estudo não pretendia mostrar que o aprendizado de música necessariamente melhorará notas de matemática ou leitura de uma criança. “Não seria impossível, mas realmente difícil de fazer um estudo verdadeiramente definitivo”, disse ele. “Minha opinião é que não teria um efeito forte, mas foi isso que eu disse sobre este estudo! Na verdade, não sei.”

O educador arrematou: “Se você deseja que a mente de um jovem – ou de qualquer pessoa – se desenvolva, precisa desenvolvê-la de todas as maneiras que ela pode ser desenvolvida. Você não pode sacrificar alguns modos de aprendizagem por outros modos por qualquer motivo, seja financeiro ou social”.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago