Estudo reforça a eficiência do tratamento dos Alcoólicos Anônimos

Comparação com a terapia cognitivo-comportamental e outras formas de tratamento mostrou que o AA e programas relacionados a ele conseguem ser mais efetivos

Bebidas alcoólicas: a melhor maneira de tratar o consumo excessivo segue sendo o método do AA e terapias relacionadas a ele. Crédito: Max Pixel

O transtorno pelo uso de álcool (AUD, na sigla em inglês), ou alcoolismo, é um problema mundial e, em alguns países, está se acelerando. Alcoólicos Anônimos (ou AA) é um tratamento popular para o transtorno do uso de álcool há décadas, mas ainda ocorre muito debate sobre se ele e os tratamentos clínicos de 12 etapas relacionados, projetados para aumentar a participação do AA, são eficazes.

Os grupos AA são grupos de ajuda mútua liderados por pares. Os programas de facilitação em 12 etapas adotam alguns dos princípios e técnicas de AA e são ministrados por médicos. Eles visam envolver as pessoas dentro de AA durante e após o tratamento do transtorno por uso de álcool. Alguns desses programas seguem um manual, para que o mesmo tratamento possa ser realizado em momentos e locais diferentes.

As evidências atualizadas recentemente na Biblioteca da Cochrane Collaboration (organização sem fins lucrativos independente criada para organizar de forma sistemática os resultados de pesquisas em medicina, fundada no Reino Unido e presente em mais de cem países) comparam o AA e os Programas de Doze Passos (TSF, na sigla em inglês) clinicamente relacionados a outros tratamentos, como terapia cognitivo-comportamental, para ver se ajudam pessoas que sofrem de transtornos relacionados ao uso de álcool a atingir a sobriedade ou a reduzir a quantidade de álcool que elas consomem.

LEIA TAMBÉM: Uso abusivo de bebida alcoólica cresce 14,7% no país

Taxas mais altas de abstinência

A recente revisão analisa os efeitos desses programas na redução do consumo de álcool e os efeitos do consumo excessivo de álcool (como saúde física, família ou problemas no emprego) e no aumento da abstinência no longo prazo. Os autores da revisão também examinaram se os programas AA e TSF reduzem os custos com saúde em comparação com outros tratamentos.

A revisão anterior da Cochrane Collaboration, publicada em 2006, foi baseada nos oito estudos disponíveis, incluindo alguns milhares de participantes. A quantidade e a qualidade da pesquisa aumentaram substancialmente desde então. Agora, vinte e sete estudos estão incluídos nesta revisão atualizada da Cochrane, composta por 10.565 pessoas. Os estudos incluídos nesta atualização examinaram uma série de programas que diferiam em sua abordagem e intensidade, e foram comparados com outros programas e tratamentos diferentes para o transtorno do uso de álcool.

Os autores encontraram fortes evidências de que programas TSF realizados clinicamente, projetados para aumentar a participação de AA, podem levar a taxas mais altas de abstinência contínua ao longo de meses e anos, quando comparadas a outras abordagens de tratamento ativo, como a terapia cognitivo-comportamental. As evidências sugerem que 42% dos participantes da AA permanecem completamente abstinentes um ano depois, em comparação com 35% dos participantes que receberam outros tratamentos, incluindo TCC. Esse efeito é alcançado em grande parte ao promover uma maior participação de AA além do final do programa TSF.

Custos menores

Quando comparados com outros tratamentos, os programas baseados em AA podem ter um desempenho igualmente bom na redução da intensidade do consumo, consequências negativas relacionadas ao álcool e gravidade do vício.

John Kelly, professor de psiquiatria da Harvard Medical School e diretor do Massachusetts General Hospital Recovery Research Institute, disse: “O transtorno pelo uso de álcool pode ser devastador para os indivíduos e suas famílias e representa um problema de saúde pública significativo e caro em todo o mundo. O Alcoólicos Anônimos é uma irmandade conhecida, gratuita e de ajuda mútua que ajuda as pessoas a se recuperar e melhorar sua qualidade de vida. Uma descoberta importante desta revisão foi que tem importância qual tipo de intervenção de TSF as pessoas recebem – tratamentos clínicos mais bem organizados e bem articulados têm o melhor resultado. Em outras palavras, é importante que os programas clínicos e os médicos usem um dos programas comprovados para maximizar os benefícios da participação do AA.”

“Em termos de custos de assistência médica, os formuladores de políticas estarão interessados ​​em que quatro dos cinco estudos econômicos que identificamos mostraram benefícios consideráveis ​​de economia em relação ao AA e a programas clínicos de 12 etapas projetados para aumentar a participação do AA, indicando que esses programas poderiam reduzir substancialmente os custos de assistência médica.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança