Estudo reforça hipótese de que oceano de lua de Júpiter pode ter vida

Modelagem feita por cientistas da Nasa indica que oceano da lua Europa tem composição parecida com a dos oceanos da Terra

Europa, satélite de Júpiter: as indicações de que pode haver vida em seu oceano sob a superfície se avolumam. Crédito: Nasa/JPL-Caltech/SETI Institute

Um novo modelo desenvolvido por cientistas da Nasa apoia a teoria de que o oceano interior de Europa, uma das luas de Júpiter, seria capaz de sustentar vida como a que conhecemos. Eles também calcularam que essa água, que se acredita ser um oceano sob a camada de gelo da superfície, poderia ter sido formada pela decomposição de minerais contendo água devido a forças das marés ou à deterioração radiativa.

Este trabalho, ainda não revisado por pares, é apresentado pela primeira vez na conferência Goldschmidt e pode ter implicações para outros satélites naturais no Sistema Solar. Organizada pela Sociedade Geoquímica e pela Associação Europeia de Geoquímica, a conferência Goldschmidt é o principal evento de geoquímica do mundo e é realizada anualmente. Este ano, ela ocorre em formato virtual de 21 a 26 de junho.

Europa é uma das maiores luas do Sistema Solar. Com um diâmetro de 3.100 km, ela é um pouco menor que a nossa Lua. Europa orbita Júpiter a cerca de 780 milhões de quilômetros do Sol. A temperatura da sua superfície nunca sobe acima de 160 graus Celsius negativos. A temperatura do oceano ainda é desconhecida. Galileu Galilei descobriu Europa e as outras três luas maiores de Júpiter, em 8 de janeiro de 1610.

LEIA TAMBÉM: Colunas de vapor d’água emergem da superfície gelada de lua de Júpiter

Desde os sobrevoos das naves espaciais Voyager e Galileo, os cientistas sustentam que a crosta da superfície de Europa flutua acima de um oceano subterrâneo. No entanto, as origens e composição desse oceano não são claras.

Modelos de composição e propriedades químicas

Os pesquisadores, baseados no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa, na Califórnia, modelaram reservatórios geoquímicos no interior de Europa usando dados da missão Galileo. O pesquisador principal, Mohit Melwani Daswani, disse: “Conseguimos modelar a composição e as propriedades físicas do núcleo, da camada de silicato e do oceano. Descobrimos que diferentes minerais perdem água e elementos voláteis em diferentes profundidades e temperaturas. Adicionamos esses elementos voláteis que se estima terem sido perdidos e descobrimos que são consistentes com a massa prevista do oceano atual. Isso significa que eles provavelmente estão presentes no oceano.”

Os pesquisadores descobriram que mundos oceânicos como Europa podem ser formados por metamorfismo. Ou seja: o aquecimento e o aumento da pressão causados ​​por decaimento radiativo precoce ou movimento posterior das marés subterrâneas provocariam o colapso de minerais que contêm água e a liberação dessa água.

Eles também descobriram que esse oceano teria sido levemente ácido no início, com altas concentrações de dióxido de carbono, cálcio e sulfato. “De fato, pensava-se que esse oceano ainda pudesse ser bastante sulfúrico”, disse Daswani. “Mas nossas simulações, juntamente com dados do Telescópio Espacial Hubble, mostrando cloreto na superfície de Europa, sugerem que a água provavelmente se tornou rica em cloreto. Em outras palavras, sua composição se tornou mais parecida com os oceanos da Terra. Acreditamos que esse oceano possa ser bastante habitável.”

Processos semelhantes

Ele continuou: “Europa é uma das nossas melhores chances de encontrar vida no Sistema Solar. A missão Europa Clipper da Nasa será lançada nos próximos anos e, portanto, nosso trabalho visa preparar a missão, que investigará a habitabilidade de Europa. Nossos modelos nos leva a pensar que os oceanos de outros satélites, como Ganimedes, vizinho de Europa, e Titã, lua de Saturno, também podem ter se formado por processos semelhantes. Ainda precisamos entender vários pontos, como a forma como os fluidos migram pelo interior rochoso de Europa”.

Os pesquisadores agora se uniram a grupos em Nantes (França) e Praga (República Checa) para identificar se os vulcões do fundo do mar podem ter contribuído para a evolução da água rica em cloretos na Europa. A Nasa divulgou recentemente novas fotos de alta resolução de Europa, mostrando possíveis locais de exploração para testar essas descobertas.

Steve Mojzsis, professor de geologia da Universidade do Colorado (EUA) que não participou do estudo, comentou: “Uma questão de longa data sobre se um mundo de ‘oceano encoberto’ como Europa pode ser habitável se resume a se ele pode sustentar um fluxo de elétrons que pode fornecer energia para alimentar a vida. O que permanece incerto é se essas luas geladas poderiam gerar calor suficiente para derreter rochas. Certamente, uma química interessante ocorre dentro desses corpos, mas que fluxo confiável de elétrons poderia ser usado pela vida alienígena para se alimentar nas profundidades frias e escuras? Um aspecto essencial que torna um mundo ‘habitável’ é a capacidade intrínseca de manter esses desequilíbrios químicos. Indiscutivelmente, as luas geladas não possuem essa capacidade. Portanto, isso precisa ser testado em qualquer missão futura em Europa”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança