Eventos políticos podem perturbar a saúde mental, alerta médico

Vitória do Brexit em 2016 desencadeou crise psicótica em paciente no Reino Unido

O Brexit levou um homem de meia-idade inglês a um surto psicótico. Crédito: Max Pixel

Eventos políticos podem afetar severamente a saúde mental, alerta o médico Zia Katshu, da Universidade de Nottingham (Reino Unido), em artigo publicado hoje na revista “BMJ Case Reports”. Katshu fez a advertência depois de tratar um homem com um breve episódio de psicose aguda, deflagrado pelo referendo de 2016 no Brexit – o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Segundo o médico, pessoas que já são psicologicamente vulneráveis ​​podem ficar particularmente em risco nessas circunstâncias.

Katshu descreve na revista o caso de um homem de meia-idade, levado ao hospital por paramédicos em estado psicótico agudo, três semanas após o resultado do referendo de junho de 2016 sobre a saída do Reino Unido da UE.

O paciente estava confuso e muito agitado, com pensamentos e palavras desordenados. Ele ouvia vozes e mostrou-se paranoico, acreditando que as pessoas estavam espionando-o e planejando matá-lo, e que as discussões exibidas no rádio de na TV eram direcionadas a ele.

LEIA TAMBÉM: Paz na era da incerteza

Sua esposa explicou que, desde o resultado do referendo, ele achava cada vez mais difícil aceitar a natureza dos eventos políticos ao seu redor. Ele ficou cada vez mais preocupado com os incidentes de motivação racial e tinha dificuldade para dormir, disse ela.

Internação

Embora o homem recebesse medicamentos prescritos para aliviar sua agitação e insônia, sua saúde mental continuou a piorar a ponto de precisar de tratamento hospitalar urgente. Ele foi internado em uma unidade psiquiátrica, recebeu um tranquilizante (lorazepam) para acalmá-lo e um antipsicótico (olanzapina) por cerca de três semanas.

O homem se recuperou completamente e recebeu alta após duas semanas. Ele não teve mais episódios até a data de seu último check-up, em junho de 2019.

Não havia histórico de problemas de saúde mental em sua família. Mas, no período que antecedeu o referendo, ele sofreu pressões no trabalho e na família, as quais podem ter contribuído para a deterioração de sua saúde mental, afirma Katshu.

O médico observa que esse é apenas um caso que se aplica a circunstâncias particulares. No entanto, eventos estressantes anteriores ocorrem em até metade das pessoas diagnosticadas com um surto agudo de psicose, ressalta.

Estresse psicológico

“Os eventos políticos podem ser uma fonte de estresse psicológico significativo”, escreve ele, citando pesquisas dos Estados Unidos no início das eleições presidenciais de 2016. Essas pesquisas mostraram que dois terços dos entrevistados identificaram o futuro dos EUA como um fator estressor significativo, enquanto mais da metade se sentiu estressada pelo clima político existente.

Pesquisas semelhantes no Reino Unido após o resultado do referendo mostraram que o Brexit era uma das principais fontes de ansiedade entre os jovens, acrescenta Katshu. E aqueles que já são propensos a doenças mentais podem ser especialmente vulneráveis, ele alerta.

No caso abordado na revista, o homem teve um episódio psicótico 13 anos antes, relacionado ao estresse no trabalho. A ocorrência tinha sido muito menos grave e o paciente se recuperou dentro de alguns dias, mas sugere que ele já podia estar psicologicamente vulnerável, diz o médico.

Identificar os sinais de alerta precoce de episódios psicóticos agudos e transitórios, particularmente durante situações estressantes, é importante para garantir tratamento imediato e recuperação rápida – fatores associados a uma melhor perspectiva no longo prazo, conclui Katshu.