• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência18/01/2022

Existe diferença entre envelhecer e ficar velho?

Área Experimental dos Lagos no Noroeste de Ontário, no Canadá, onde pesquisas sobre peixes fornecem informações sobre o envelhecimento. Crédito: Universidade de Manitoba

18/01/22 - 08h02min - Atualizado em 17/01/22 - 19h38min

Algumas criaturas não envelhecem da mesma forma que os humanos, o que implica que envelhecer não leva necessariamente ao declínio da saúde. Isso está de acordo com um novo estudo focado no envelhecimento de peixes liderado por uma equipe internacional de biólogos, cujas descobertas acabam de ser publicadas na revista Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences.

O envelhecimento está associado a um declínio no desempenho biológico, processo conhecido como senescência. É facilmente observado em humanos e em animais domesticados, mas pode não ser universal. A teoria prevê que a senescência seja proeminente em espécies que param de crescer na idade adulta (como mamíferos e pássaros), mas aquelas que continuam a crescer na idade adulta (como árvores, certos peixes e répteis) podem escapar dela.

A equipe observou: “Analisamos o desempenho do macho adulto da truta-do-lago selvagem. Peixes com crescimento restrito tiveram leves declínios na condição corporal e aumentos na mortalidade com a idade, enquanto o desempenho reprodutivo foi mantido. No entanto, achamos que peixes em crescimento irrestrito podem escapar completamente dos efeitos negativos do envelhecimento”.

Monitoramento de décadas

Eles acrescentaram: “Se as descobertas deste estudo se estenderem a essa espécie em lagos maiores, onde os peixes mais velhos podem ficar muito maiores, o foco na conservação desses peixes grandes e velhos poderia permitir uma maior capacidade de repovoamento (mais espermatozoides/óvulos por animal) e uma vez que eles vivem tanto, eles poderiam atuar como reservatórios da diversidade genética passada”.

A pesquisa foi conduzida na Área de Lagos Experimental do Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD-ELA, na sigla em inglês) no noroeste da província de Ontário, Canadá – o único lugar no mundo onde os pesquisadores podem fazer experiências em lagos inteiros por um longo período de tempo. Os peixes foram marcados com uma etiqueta Passive Integrated Transponder (PIT) e tirou-se um pedaço de barbatana que permite aos pesquisadores datar o peixe com base em anéis na estrutura da barbatana, assim como se faz com anéis de crescimento de árvores. Toda vez que o peixe era capturado, um scanner portátil identificava o peixe com base na etiqueta PIT.

Michael Rennie, pesquisador do IISD-ELA, explicou: “Ter extensos conjuntos de dados de longo prazo como os que temos no IISD-ELA foi fundamental para responder a essas perguntas. Este é um dos únicos lugares do mundo onde os mesmos peixes foram monitorados ao longo de décadas, permitindo-nos compreender o processo de envelhecimento ao nível do indivíduo”.

Em busca do porquê

Por que os peixes não envelhecem? “É só isso, não sabemos”, explicou Jason Treberg, biólogo da Universidade de Manitoba. “Existem teorias fundamentadas em como a evolução pode moldar as espécies com base na rapidez com que elas amadurecem em relação ao seu risco de mortalidade, mas os processos mecanicistas que facilitam isso ainda estão para ser determinados.”

Ele acrescentou: “Exemplos como essas trutas-do-lago são muito importantes para mudar a visão coloquial um tanto arraigada de que ‘o envelhecimento é inevitável’”. Ao entender o que é diferente, especialmente no nível celular e mecanicista, entre espécies insignificantes e ‘normalmente’ envelhecidas, poderíamos entender melhor como o processo de envelhecimento funciona em geral e, mais especificamente, em humanos.

“Este estudo foi um esforço de prova de conceito, que funcionou muito bem. Para minha pesquisa, estou particularmente interessado em testar se o metabolismo desses animais muda com o envelhecimento (como acontece em humanos) ou este é outro exemplo em que há pouco ou nenhum declínio funcional relacionado à idade. Em caso afirmativo, a grande questão é: como eles fazem isso?”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

envelhecer