• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia23/02/2022

Exoplaneta na órbita de dois sóis é visto por telescópio terrestre

23/02/22 - 08h29min - Atualizado em 23/02/22 - 08h32min

Um exoplaneta raro que gira em torno de duas estrelas ao mesmo tempo foi detectado usando um telescópio terrestre por uma equipe liderada pela Universidade de Birmingham (Reino Unido). A pesquisa sobre a descoberta foi publicada na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

O planeta, chamado Kepler-16b, até agora só foi visto usando o telescópio espacial Kepler. Ele orbita em torno de duas estrelas, com as duas também orbitando uma à outra, formando um sistema estelar binário. Kepler-16b está localizado a cerca de 245 anos-luz da Terra e, como o planeta natal de Luke Skywalker, Tatooine, no universo de Guerra nas Estrelas, teria dois pores do sol – se você pudesse ficar em sua superfície, claro.

O telescópio de 193 cm usado na nova observação é baseado no Observatoire de Haute-Provence, na França. A equipe conseguiu detectar o planeta usando o método de velocidade radial, no qual os astrônomos observam uma mudança na velocidade de uma estrela à medida que um planeta orbita em torno dela.

Método tradicional eficiente

A detecção do Kepler-16b usando o método de velocidade radial é uma importante demonstração de que é possível detectar planetas circumbinários usando métodos mais tradicionais, com maior eficiência e menor custo do que usando naves espaciais.

É importante ressaltar que o método da velocidade radial também é mais sensível a planetas adicionais em um sistema e também pode medir a massa de um planeta – sua propriedade mais fundamental.

Tendo demonstrado o método usando o Kepler-16b, a equipe planeja continuar a busca por planetas circumbinários anteriormente desconhecidos e ajudar a responder a perguntas sobre como os planetas são formados. Normalmente, acredita-se que a formação de planetas ocorra dentro de um disco protoplanetário – uma massa de poeira e gás que envolve uma estrela jovem. No entanto, esse processo pode não ser possível dentro de um sistema circumbinário.

O professor Amaury Triaud, da Universidade de Birmingham, que liderou a equipe, explicou: “Usando essa explicação padrão, é difícil entender como os planetas circumbinários podem existir. É porque a presença de duas estrelas interfere no disco protoplanetário, e isso evita que a poeira se aglomere em planetas, um processo chamado de acreção”.

Processo viável

Ele acrescentou: “O planeta pode ter se formado longe das duas estrelas, onde sua influência é mais fraca, e depois se moveu para dentro em um processo chamado migração acionada por disco – ou, alternativamente, podemos achar que precisamos revisar nossa compreensão do processo de acreção planetária”.

O dr. David Martin, da Universidade Estadual de Ohio (EUA), que contribuiu para a descoberta, explicou que “planetas circumbinários fornecem uma das pistas mais claras de que a migração por disco é um processo viável e que acontece regularmente”.

“O Kepler-16b foi descoberto há 10 anos pelo satélite Kepler da Nasa usando o método de trânsito”, explicou o dr. Alexandre Santerne, da Universidade de Marselha (França), colaborador da pesquisa. “Este sistema foi a descoberta mais inesperada feita pelo Kepler. Nós escolhemos virar nosso telescópio e recuperar o Kepler-16 para demonstrar a validade de nossos métodos de velocidade radial.”

A drª Isabelle Boisse, também da Universidade de Marselha, é a cientista responsável pelo instrumento Sophie usado para coletar os dados. Ela disse: “Nossa descoberta mostra como os telescópios terrestres permanecem totalmente relevantes para a pesquisa moderna de exoplanetas e podem ser usados ​​para novos projetos emocionantes. Tendo mostrado que podemos detectar o Kepler-16b, agora analisaremos dados obtidos em muitos outros sistemas estelares binários, e procuraremos novos planetas circumbinários”.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Alexandre Santerne