Explorador é o primeiro a ir aos locais mais fundos dos oceanos da Terra

Série iniciada em dezembro de 2018 foi completada no fim de agosto, quando o americano Victor Vescovo esteve no Molloy Deep, no Oceano Ártico, a mais de 5.500 metros de profundidade

Vescovo em fevereiro de 2019, quando foi ao ponto mais baixo do Oceano Antártico, na Fossa Sandwich do Sul. Foto: Richard Varcoe/Wikimedia

O explorador submarino americano Victor Vescovo tornou-se o primeiro ser humano a visitar o ponto mais profundo dos cinco oceanos do mundo (Pacífico, Atlântico, Índico, Ártico e Antártico). A série ficou completa em 24 de agosto, quando Vescovo chegou ao fundo do Molloy Deep, uma vala com 5.550 metros de profundidade a 273 km a oeste do arquipélago de Svalbard, no Ártico norueguês, informou o site Live Science.

Para realizar seu último feito, Vescovo desceu em um submersível chamado DSV Limiting Factor entre 64 km e 80 km a partir da borda de um bloco de gelo, segundo um comunicado. Após a descida solo inicial de Vescovo, sua equipe foi mais duas vezes ao Molloy Deep.

LEIA TAMBÉM: Dente de peixinho das profundezas é mais forte que o do tubarão-branco

“Está frio, é claro, e tivemos apenas de seis a oito semanas de bom tempo por ano para experimentá-lo”, disse Vescovo ao Live Science. “No inverno, o local de mergulho está coberto de gelo e, quando não está, as tempestades podem ser um problema.”

Janelas climáticas

A expedição inteira foi planejada em torno das estreitas janelas climáticas que permitiriam mergulhar nos oceanos Ártico e Antártico, acrescentou. “Felizmente, os deuses do tempo sorriram para nós este ano.”

A visita ao Molloy Deep significa o fecho da Five Deeps Expedition, missão cujo objetivo era chegar ao fundo dos cinco oceanos do mundo e mapear esses pontos. A iniciativa foi filmada para a série de documentários Deep Planet, que o Discovery Channel pretende exibir ainda em 2019.

A expedição teve início em dezembro de 2018, quando Vescovo foi ao ponto mais profundo do Atlântico, na Fossa de Porto Rico. Entre abril e maio, ele foi duas vezes ao Challenge Deep (cerca de 11 km de profundidade), o local mais profundo da Terra, na Fossa das Marianas, no oeste do Pacífico. É o único ser humano a ter realizado esse feito. Nessas duas visitas, ele viu três novas espécies de animais marinhos e “algum tipo de resíduo plástico”.