Exterminador do passado: Homo sapiens levou urso primitivo à extinção

Estudo mostra que o desaparecimento do urso-das-cavernas está bastante ligado à chegada do Homo sapiens à Europa e à sua disseminação pelo continente

Reconstituição de um urso-das-cavernas: animal dizimado pelo Homo sapiens. Foto: Sergiodlarosa/Wikimedia

Uma equipe internacional de cientistas anunciou que o declínio do pré-histórico urso-das-cavernas coincidiu com a chegada do Homo sapiens à Europa Oriental. Segundo a pesquisa, publicada em 15 de agosto na revista “Scientific Reports” e abordada no site da empresa de radiodifusão alemã Deutsche Welle, a atividade humana superou o resfriamento ocorrido na Idade do Gelo como motivo para a extinção de espécies estritamente herbívoras.

Esse tipo de urso (Ursus spelaeus) habitou a Europa na Idade do Gelo ao lado de animais como o leão-das-cavernas, o rinoceronte-lanudo, o mamute-lanudo e o bisão-das-estepes. Retratado em pinturas rupestres pré-históricas, ele era tão grande quanto um urso-polar.

Pesquisadores reconstruíram a dinâmica populacional do urso-das-cavernas a partir de dados do DNA mitocondrial de 130 exemplares coletados em 59 cavernas descobertas em 14 locais na França, Alemanha, Itália, Polônia, Sérvia, Espanha e Suíça. Segundo essas informações, a população desse urso começou a diminuir aproximadamente 50 mil anos atrás, quando o Homo sapiens chegou à Europa.

LEIA TAMBÉM: Extinção com a marca humana

O declínio populacional se acentuou há cerca de 40 mil anos, época em que o Homo sapiens se espalhou pelo continente. O Ursus spelaeus foi extinto cerca de 20 mil anos atrás.

“Há cada vez mais evidências de que os humanos modernos desempenharam um papel determinante no declínio e extinção de grandes mamíferos quando se espalharam pelo planeta, começando há cerca de 50 mil anos”, disse o biogeólogo Herve Bocherens, da Universidade de Tübingen (Alemanha), um dos autores do estudo.

Declínio de espécies-chave

“Isso aconteceu não apenas pela caça desses mamíferos até a extinção, mas por causar o declínio demográfico de espécies-chave, como herbívoros muito grandes, que levaram ao colapso dos ecossistemas e a uma cascata de novas extinções”, acrescentou Bocherens.

Há um bom tempo se discutia se a extinção do urso-das-cavernas foi consequência do resfriamento do clima, por reduzir a vegetação crucial para sua dieta, ou pela ação humana ao caçar esses animais ou invadir as cavernas habitadas por eles. O estudo publicado agora revelou que o declínio do urso da caverna antecedeu o resfriamento climático associado à mais recente era glacial, afirmou a paleogeneticista Verena Schuenemann, das universidades de Tübingen e de Zurique (Suíça), que também assina o artigo.

A população de ursos permaneceu estável durante dois longos períodos de frio e vários outros intervalos menores de resfriamento, observou Schuenemann. Os autores do estudo afirmam que, antes da chegada do Homo sapiens, a população do urso das cavernas continuava robusta, mesmo compartilhando seu território com outra espécie humana, os neandertais – também extintos depois de o Homo sapiens invadir a Eurásia.