Fábricas virtuais

Taxa de defeitos nos produtos da planta da Siemens em Amberg (Alemanha), que faz sistemas computadorizados de controle industrial, é reduzida a apenas 0,0012% com a automação.

Fábrica em Amberg: exemplo do futuro (Foto: Max Etzold)

Um índice de apenas 0,0012% de defeitos nos produtos é a taxa da planta da Siemens em Amberg (Alemanha), que faz sistemas computadorizados de controle industrial. A taxa provém de uma iniciativa já adotada por empresas como GE e Maseratti (subsidiária da Fiat Chrysler): uma “fábrica digital”, que copia fielmente sua irmã real e projeta as unidades de controle, faz testes, simula a fabricação e programa as máquinas responsáveis por produzi-las. Só depois de todos os problemas serem resolvidos na fábrica digital é que ela transpõe a operação para as instalações concretas. A tendência aponta ainda para um aumento da automação (robôs cuidam de 75% da produção da fábrica de Amberg) e reforça a ideia de que a mão de obra pouco especializada terá cada vez menos espaço na indústria.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança