Ferramentas de osso foram usadas na confecção das primeiras roupas

Inovações foram essenciais para permitir que os primeiros humanos pudessem sair da África e ocupar ambientes diferentes

Ferramenta de osso da Caverna de Contrebandiers, Marrocos, que foi usada para trabalhar couro de 120 mil a 90 mil anos atrás. Crédito: Jacopo Niccolò Cerasoni

Um novo estudo liderado pelo paleoantropólogo Curtis Marean e pela doutoranda Emily Hallett, ambos da Universidade do Estado do Arizona (EUA), detalha mais de 60 ferramentas feitas de osso e uma ferramenta feita do dente de um cetáceo, categoria que inclui baleias, golfinhos e botos. Essas descobertas, desenterradas pela primeira vez na Caverna de Contrebandiers (oeste do Marrocos) em 2011, são evidências altamente sugestivas para as primeiras roupas no registro arqueológico e atestam o surgimento pan-africano de cultura complexa e fabricação de ferramentas especializadas.

A invenção das roupas e o desenvolvimento das ferramentas necessárias para criá-las são marcos na história da humanidade. Não são apenas indicativos de avanços na evolução cultural e cognitiva. Os arqueólogos também acreditam que essas inovações foram essenciais para permitir que os primeiros humanos expandissem seu nicho da África do Pleistoceno para outros ambientes com novos desafios ecológicos. No entanto, como as peles e outros materiais orgânicos usados ​​para fazer roupas provavelmente não eram preservados no registro arqueológico, a origem das roupas ainda é pouco conhecida.

O estudo, publicado na revista iScience, relata uma montagem óssea trabalhada encontrada perto da costa atlântica do Marrocos. Ele fornece fortes evidências para a fabricação de roupas 120 mil anos atrás.

Escavação na Caverna de Contrebandiers, Marrocos. Crédito: Emily Yuko Hallett, 2009
Período crítico

“Contrebandiers agora substitui Blombos como a mais antiga montagem de ferramentas de osso e indústria”, disse Marean, diretor associado do Instituto de Origens Humanas e professor fundador na Escola de Evolução Humana e Mudança Social da Universidade do Estado do Arizona, bem como professor honorário e vice-diretor internacional do Centro Africano de Paleociência Costeira da Universidade Nelson Mandela (África do Sul).

Como parte de sua pesquisa com o Instituto de Origens Humanas e o Grupo de Pesquisa de Evolução Pan-Africana Lise Meitner no Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana (MPI-SHH, da Alemanha), Emily Hallett estava estudando os restos de vertebrados dos depósitos da Caverna de Contrebandiers datando de 120 mil a 90 mil anos atrás.

“Esse foi um período crítico de tempo e localização para os primeiros membros de nossa espécie”, disse Hallett. “Eu estava interessada principalmente em reconstruir a dieta e o nicho de habitat das pessoas que usaram esta caverna.”

Entre os cerca de 12 mil fragmentos de ossos, Hallett encontrou mais de 60 ossos de animais que foram moldados por humanos para uso como ferramentas. Ao mesmo tempo, ela identificou um padrão de marcas de corte nos ossos dos carnívoros, sugerindo que, em vez de processá-los para a carne, os ocupantes da Caverna de Contrebandiers os esfolavam para obter pelos.

Carnívoros da região eram esfolados para obtenção das peles e ferramentas de osso eram então usadas para transformar as peles em couro. Crédito: Jacopo Niccolò Cerasoni, 2021
Tradição maior

Hallett comparou as ferramentas que identificou com outras no registro arqueológico e descobriu que elas tinham as mesmas formas e marcas de uso como ferramentas de trabalho de couro descritas por outros pesquisadores,

“A combinação de ossos de carnívoros com marcas de esfolamento e ferramentas de osso provavelmente usadas para processamento de peles fornecem evidência de semelhança altamente sugestiva para as primeiras roupas no registro arqueológico”, disse Hallett. “Mas, dado o nível de especialização nesse conjunto, essas ferramentas são partes prováveis de uma tradição maior com exemplos anteriores que ainda não foram encontrados.”

Também oculta entre os fragmentos de ossos estava a ponta de um dente de uma baleia ou golfinho, marcas consistentes com o uso como um instrumento de lascar de pressão – uma ferramenta usada para moldar ferramentas de pedra. Dada a idade da descoberta, isso representa o primeiro uso documentado de um dente de mamífero marinho por humanos e o único mamífero marinho verificado remanescente do Pleistoceno do Norte da África.

Versatilidade

“Mais uma vez, vemos que tecnologias complexas, como ferramentas de osso, estão associadas apenas a adaptações aquáticas no ponto de origem dos humanos modernos”, observou Marean. “A costa foi crucial.”

“As ferramentas de osso da Caverna de Contrebandiers demonstram que há cerca de 120 mil anos o Homo sapiens começou a intensificar o uso de osso para fazer ferramentas formais e usá-las para tarefas específicas, incluindo couro e peles”, resumiu Hallett. “Essa versatilidade parece estar na raiz de nossa espécie, e não é uma característica que surgiu após as expansões na Eurásia.”

No futuro, Hallett espera colaborar com outros pesquisadores para identificar padrões de esfolamento comparáveis ​​nas montagens que estudam e obter uma melhor compreensão das origens e difusão desse comportamento.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago