‘Flores’ de vento estelar podem ter origem em companheiros estelares

Padrão encontrado nos ventos em torno da estrela R Aquilae é bem diferente do que os pesquisadores esperavam

Ventos solares em torno da estrela R Aquilae: como pétalas de rosa. Crédito: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), Decin et al.

O projeto Atomium, em andamento, está sendo conduzido em colaboração com o ALMA, o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, localizado no Chile, e conta com a parceria do Observatório Europeu do Sul (ESO). O projeto pretende mapear os ventos estelares “soprados” por uma dúzia de estrelas gigantes vermelhas. Esse ambicioso objetivo é possível apenas graças à resolução atingida pelo ALMA.

Esperava-se que esses ventos estelares – que vez ou outra são milhões de vezes mais intensos do que os lançados pelo nosso Sol – fossem esféricos, tal como as estrelas das quais se originam. No entanto, os pesquisadores não observam ventos estelares esféricos. Por vezes, aliás, esses ventos se apresentam com formas muito diferentes.

A imagem acima, que mostra os ventos em torno da estrela R Aquilae, é um exemplo disso. A equipe descobriu ali ventos solares que se assemelham às delicadas pétalas de uma rosa.

LEIA TAMBÉM: Primeiras imagens da Solar Orbiter revelam novo fenômeno no Sol

Interação binária

Esses padrões observados nos ventos estelares se parecem muito com os que vemos em nebulosas planetárias.

A equipe de pesquisa, liderada por Leen Decin, da KULeuven, na Bélgica, aponta o processo conhecido por interação binária como responsável pela forma observada nos ventos estelares soprados pelas estrelas gigantes vermelhas. Como o nome sugere, a interação binária envolve dois objetos. A teoria nos diz que a forma dos ventos estelares se deve à influência de outra estrela ou planeta gigante.

Os ventos estelares são os precursores das nebulosas planetárias, e a aparente semelhança entre suas estruturas indica que a física que molda os ventos estelares molda também as nebulosas planetárias. Isso mostra que a interação binária é o agente-chave para esculpir as morfologias das nebulosas planetárias.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança