Florestas de algas gigantes do mundo são mapeadas

Iniciativa internacional também busca preservar esses ecossistemas, ainda pouco conhecidos e cada vez mais ameaçados pela ação humana

Floresta de algas gigantes: ecossistema ameaçado. Crédito: Unsplash/CC0 Public Domain

As gigantescas florestas de algas marinhas do mundo – áreas selvagens marinhas vitais tão importantes para a ecologia da Terra quanto as florestas tropicais e os recifes de coral – estão sendo mapeadas por uma equipe de cientistas internacionais. Nur Arafeh-Dalmau, doutorando da Universidade de Queensland (Austrália), está liderando o projeto para mapear e identificar santuários potenciais para florestas de algas gigantes, que estão cada vez mais ameaçadas pelas mudanças climáticas.

Um artigo sobre a iniciativa foi publicado na revista Communications Earth & Environment.

“Florestas de algas marinhas são encontradas em 25% da costa do planeta”, disse Arafeh-Dalmau. “Elas são um dos ecossistemas mais produtivos e magníficos da Terra, mas estão desaparecendo por causa do aumento das atividades humanas e das ondas de calor marinhas.”

A equipe de pesquisa analisou 35 anos de informações de dados de satélite, identificando áreas onde florestas de algas gigantes atuam como potenciais refúgios climáticos e calculando quanta proteção é necessária.

Nível de proteção desigual

A região mapeada cobre milhares de quilômetros ao longo da costa dos Estados Unidos e do México e das ilhas do nordeste do Oceano Pacífico.

“Descobrimos que há um nível alarmantemente desigual de proteção das florestas de algas marinhas dentro das reservas marinhas da região, com menos de 1% protegido na costa mexicana da Baja Califórnia”, disse Arafeh-Dalmau. “Essa região está sujeita a episódios de altas temperaturas da superfície do mar e menor disponibilidade de nutrientes, limitando a biomassa e a propagação das algas.”

Os métodos de estudo agora serão usados ​​em todo o mundo para mapear a persistência de algas gigantes e outras espécies de algas em países como Chile e África do Sul, Austrália e Nova Zelândia.

Falta de conscientização

Arafeh-Dalmau acredita que uma das maiores barreiras para a conservação da floresta de algas é a falta de conscientização, especialmente quando comparada a ecossistemas semelhantes, como recifes de coral. “Precisamos que o público e os legisladores saibam que essas misteriosas florestas subaquáticas existem, estão sendo ameaçadas globalmente por atividades humanas e precisamos protegê-las agora”, disse ele.

A coautora dra. Fiorenza Micheli, da Universidade Stanford (EUA), disse que os governos precisam garantir que 30% dos oceanos sejam totalmente protegidos até 2030, incluindo grandes porções de florestas de algas marinhas.

“Proteger as persistentes florestas de algas e determinar onde as florestas podem atuar como refúgios climáticos é fundamental”, disse ela. “Mas outras medidas serão necessárias, incluindo a restauração de florestas degradadas de algas marinhas , identificação de kelps geneticamente resilientes para proteção e restauração direcionadas, e uma redução de outros fatores de estresse antrópico, como pesca predatória e poluição.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago