Flórida opta por fazer eutanásia na invasora píton birmanesa

Proposta de estado americano é praticar "eutanásia humanitária" nos répteis

Rahill e a píton: a Flórida quer se livrar desse invasor indesejado (Foto: Rhona Wise /AFP)

A foto acima mostra Tom Rahill, fundador do Swamp Apes (grupo de veteranos militares dedicados à preservação da natureza), lidando com uma píton birmanesa enquanto fala sobre esse réptil no Everglades Holiday Park em Fort Lauderdale, Flórida, em 25 de abril de 2019. Sem predadores naturais, a píton birmanesa, trazida do sudeste da Ásia como animal de estimação, espalhou-se pela natureza e se tornou uma praga no estado.

LEIA TAMBÉM: Ostra invasora se multiplica no litoral sul de São Paulo

O Distrito de Gerenciamento de Água do Sul da Flórida contratou 25 candidatos para o Programa de Eliminação da Píton, lançado em 2017 com o objetivo de “praticar a eutanásia humanitariamente” nesses ofídios. É por isso que Tom Rahill e seus colegas passaram várias noites percorrendo os Everglades (área pantanosa no sul do estado) à caça das cobras.