Fósseis achados há 100 anos são descobertos embrulhados em jornais velhos

Descoberta conta um pouco da história tanto do passado da província canadense de Alberta, um dos mais importantes redutos de fósseis do mundo, quanto da universidade onde ela está

Etiqueta manuscrita em um dos fósseis encontrados embrulhados em jornais sugere que ele foi descoberto durante expedições no início dos anos 1920. Crédito: Clive Coy

Um estoque de ossos de dinossauros redescobertos embrulhados em jornais centenários vai revelar dois passados: um ambientado na década de 1920 e a paleontologia mais antiga da Universidade de Alberta (Canadá), o outro cerca de 70 milhões de anos atrás.

“É sempre uma surpresa encontrar esses ossos que estão parados no solo por milhões de anos, mas aqui temos uma segunda surpresa ao encontrá-los novamente”, disse Clive Coy, pesquisador de paleontologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Alberta.

A escrita dos espécimes sugere que o transporte faz parte das expedições de 1920 e 1921 no que hoje é o Dinosaur Provincial Park, liderado pelo primeiro paleontólogo da universidade canadense, George Sternberg.

As cerca de 20 peças foram retiradas de uma prateleira traseira em um armário pré-fabricado no campus sul da Universidade de Alberta. Variando em tamanho de uma maçã a um melão, eles estão embrulhados em várias camadas de jornal e amarrados com barbante. Com base na rotulagem, Coy calcula que os ossos foram armazenados no armário no final dos anos 1960 ou início dos anos 1970.

Achado possivelmente raro

Coy está particularmente interessado em um rotulado “três crânios de tartaruga da pedreira onde os números de oito a 18 foram coletados”.

“Os crânios de tartarugas são extremamente raros e – considerando sua idade e preservados em apenas jornais – podem ser muito importantes”, disse ele.

Coy disse que datar os ossos será um desafio. Quando esses ossos foram encontrados 100 anos atrás, os paleontólogos da época trabalhavam sob a suposição de que o depósito do rio Judith, entre o sul de Alberta e Montana (EUA), era um grande depósito.

Agora sabemos que a camada superior é um depósito marinho que surgiu no final do Cretáceo, quando aquela parte do mundo foi inundada por um oceano, disse Coy. As tartarugas são provavelmente de uma época ainda anterior, do que é conhecido como a formação do Parque dos Dinossauros, que existiu em algum lugar entre 72 milhões e 76 milhões de anos atrás.

Além de qualquer valor científico que possam ter, os espécimes redescobertos oferecem um vislumbre dos primórdios da Universidade de Alberta na paleontologia. Crédito: Clive Coy
Desembrulhando a história

Embora ele possa desembrulhar o feixe de crânio da tartaruga para dar uma olhada, Coy disse que o resto dos espécimes têm mais valor como artefatos históricos.

“Se os desembrulharmos, como se desembrulha uma múmia, acabamos apenas com um osso em uma caixa, e não sei se isso vai acrescentar muito ao nosso conhecimento. Mas como parte do passado histórico da Universidade de Alberta, é aí que reside seu maior valor.”

Sternberg deve seu início na Universidade de Alberta a John Allan, o primeiro geólogo da instituição, que teve a visão de construir uma coleção de fauna e flora fósseis para o povo de Alberta.

Até o início da Primeira Guerra Mundial, os governos federal e provincial da época optavam por não controlar entidades estrangeiras que coletavam fósseis de Alberta – que estavam sendo enviados por ferrovia para fora das terras áridas tão rapidamente quanto podiam ser desenterrados como parte do Grand Dinosaur Rush de 1910 a 1918.

“Houve um tempo em que, para ver os dinossauros de Alberta, você tinha que ir a Stuttgart, Paris, Nova York ou Londres”, disse Coy.

Tática de atração

Allan foi um dos impulsionadores e agitadores que encorajaram o governo a criar um museu provincial no final dos anos 1920. Ele também fez lobby pela proteção do Dead Lodge Canyon ou do Steveville Badlands, ambos na área que se tornou o Dinosaur Provincial Park em 1952 e foi declarada Patrimônio Mundial da Unesco em 1979.

Sternberg, que fazia parte de uma famosa família americana de caçadores de fósseis, esteve no Canadá durante os anos de guerra para coletar fósseis para o Serviço Geológico do Canadá.

Para ajudar a atrair Sternberg para a universidade, Allan comprou uma coleção que o próprio Sternberg tinha encontrado por conta própria e o contratou em 1919 para preparar esse material.

Aquilo foi o precursor das famosas expedições de 1920 e 1921 lideradas por Sternberg com o estudante de geologia da Universidade de Alberta William “Bill” Kelly.

Quase tão rapidamente quanto os esforços de paleontologia da universidade decolaram, eles foram suspensos quando Sternberg partiu para o Field Museum de Chicago em 1922. Nada seria feito na universidade para os dinossauros de Sternberg até 1934, quando Allan acessou algum dinheiro dos fundos da Carnegie a fim de recontratar Sternberg e seu filho para completar o que havia começado em 1919 – que incluía a fundação do Dino Lab da universidade.

Herança universitária

Em 1935, a Universidade de Alberta hospedou a primeira exposição de dinossauros em uma instituição pública a oeste de Toronto, no terceiro andar do Fine Arts Building. Ficou lá por duas décadas, até ser transferida para o porão do prédio de geologia, sede do Departamento de Ciências da Terra e Atmosféricas, onde tem estado desde então.

Hoje, o Museu Sternberg de História Natural da Fort Hays State University em Hays, Kansas (EUA), leva o nome de George e sua família de caça a fósseis. Kelly, protegido de Sternberg, se tornaria um dos pioneiros no desenvolvimento de fotografia aérea para exploração mineral econômica. Allan permaneceu como chefe do departamento de geologia da Universidade de Alberta até sua aposentadoria, em 1949.

Hoje, o Laboratório de Paleontologia de Vertebrados da universidade é uma das 30 coleções de museu registradas no campus e tem cerca de 65 mil espécimes – entre eles os primeiros dos quais agora estão no laboratório de Coy embrulhados em jornal.

“Sternberg e Kelly teriam sido as últimas pessoas a ver os espécimes dentro daquele jornal nos últimos 100 anos”, disse Coy.

“Há um interesse histórico como parte de nossa herança aqui na universidade, vinculado à história inicial de como nos levantamos e nos tornamos a primeira instituição com financiamento público em Alberta a fazer esse tipo de coisa.”

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago