Fósseis africanos mostram que dinossauros já cruzaram oceanos

Restos do Ajnabia achados em rochas de mais de 60 milhões de anos indicam que, como a África era um continente isolado na época, esses dinossauros só poderiam ter chegado lá a nado

Os dinossauros bicos de pato evoluíram na América do Norte, espalhando-se pela América do Sul, Ásia, Europa e finalmente África. Crédito: Raul Martin

Os primeiros fósseis de um dinossauro bico de pato foram descobertos na África, sugerindo que esses animais cruzaram centenas de quilômetros de águas abertas para chegar lá.

O estudo, publicado na revista “Cretaceous Research”, relata o novo dinossauro, Ajnabia odysseus, em rochas no Marrocos que datam do final do Cretáceo, 66 milhões de anos atrás. Ajnabia era um membro dos dinossauros bico de pato, diversos dinossauros herbívoros, como os hadrossauros, que cresciam até 15 metros de comprimento. Mas o novo dinossauro era minúsculo em comparação com seus parentes. Com apenas 3 metros de comprimento, era tão grande quanto um pônei.

Os dinossauros bicos de pato evoluíram na América do Norte e posteriormente se espalharam para a América do Sul, Ásia e Europa. Como a África era um continente insular no fim do Cretáceo, isolada por profundos canais marítimos, parecia impossível que os bicos de pato chegassem lá.

LEIA TAMBÉM: Descoberto nos EUA precursor de mamíferos de 220 milhões de anos

A descoberta do novo fóssil em uma mina a poucas horas de Casablanca foi “quase a última coisa no mundo que você esperaria”, disse o dr. Nicholas Longrich, do Milner Center for Evolution da Universidade de Bath (Reino Unido), que liderou o estudo. “Estava completamente fora do lugar, como encontrar um canguru na Escócia”, declarou Longrich. “A África estava completamente isolada pela água. Então, como eles chegaram lá?”

Descoberta inédita

O estudo dos dentes e maxilares característicos do Ajnabia mostram que ele pertencia a Lambeosaurinae, uma subfamília de bicos de pato com elaboradas cristas ósseas na cabeça. Os lambeossauros evoluíram na América do Norte antes de se espalhar para a Ásia e Europa, mas nunca foram encontrados na África antes.

Silhuetas mostram o tamanho do Ajnabia em comparação com os humanos e a fauna contemporânea de dinossauros do Marrocos. Crédito: Dr. Nick Longrich

Reconstruindo a evolução do bico de pato, eles descobriram que os lambeossauros evoluíram na América do Norte e se espalharam por uma ponte de terra para a Ásia. A partir daí, eles colonizaram a Europa e, finalmente, a África.

Como a África estava isolada por oceanos profundos na época, os bicos de pato devem ter cruzado centenas de quilômetros de águas abertas – fazendo rafting em escombros, flutuando ou nadando – para colonizar o continente. Os bicos de pato provavelmente eram nadadores poderosos – tinham caudas grandes e pernas fortes, e costumam ser encontrados em depósitos de rios e rochas marinhas. Então, podem simplesmente ter nadado a distância.

“Sherlock Holmes disse que, uma vez que você elimine o impossível, tudo o que resta, não importa o quão improvável seja, deve ser a verdade”, disse Longrich. “Era impossível caminhar até a África. Esses dinossauros evoluíram muito depois que a deriva continental dividiu os continentes e não temos evidências de pontes terrestres. A geologia nos diz que a África estava isolada pelos oceanos. Se for assim, a única maneira de chegar lá é por água.”

Improvável, mas não impossível

Em referência a essa façanha, o dinossauro é chamado de Ajnabia odysseus. Ajnabi significa “estrangeiro” em árabe, e Odisseu se refere ao grego Ulisses, personagem principal da Odisseia de Homero.

Travessias oceânicas são eventos raros e improváveis, mas foram observados em tempos históricos. Em um caso, iguanas verdes viajaram entre as ilhas do Caribe durante um furacão que atingiu os destroços. Em outro, uma tartaruga das Seychelles flutuou centenas de quilômetros no Oceano Índico para ir parar na África.

Localização dos dinossauros bicos de pato durante o Cretáceo Superior. Crédito: Dr. Nick Longrich

“Ao longo de milhões de anos”, disse Longrich, “eventos que acontecem uma vez no século podem acontecer muitas vezes. Travessias oceânicas são necessárias para explicar como lêmures e hipopótamos chegaram a Madagascar, ou como macacos e roedores cruzaram da África para o sul da América.”

Obstáculo nem sempre intransponível

Mas o fato de que os bicos de pato e outros grupos de dinossauros se espalharam entre os continentes, mesmo com o nível do mar alto, sugere que os dinossauros também cruzaram os oceanos. “Pelo que sei, somos os primeiros a sugerir travessias do oceano para os dinossauros”, disse Longrich.

A equipe internacional de cientistas foi liderada pela Universidade de Bath, com pesquisadores da Universidade do País Basco UVP/EHU (Espanha), da Universidade George Washington (EUA) e do Museu de História Natural da Universidade Sorbonne (França)/Universite Cadi Ayyad (Marrocos).

A drª Nour-Eddine Jalil, do Museu de História Natural da Universidade de Sorbonne (França), disse: “A sucessão de eventos improváveis (cruzar um oceano por um dinossauro, fossilizar um animal terrestre em um ambiente marinho) destaca a raridade de nossa descoberta e, portanto, sua importância. (…) O Ajnabia nos mostra que os hadrossauros pisaram em terras africanas, dizendo-nos que as barreiras do oceano nem sempre são um obstáculo intransponível.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança