Fósseis revelam uma drástica mudança ambiental nos Andes

Madeira de árvore cujos restos fósseis de 10 milhões de anos foram encontrados no sul do Peru, a 4 mil metros de altitude, tem anatomia compatível com a de árvores de florestas tropicais

A partir da esquerda, Florentino Tunquipa (que descobriu e escavou a árvore em suas terras) e os pesquisadores Rodolfo Salas Gismondi, Carlos Jaramillo, Julia Tejada, Federico Moreno e Camila Martínez observam a árvore fossilizada em Espinar, na região de Cusco: evidência de um passado em que a região era bem mais baixa do que hoje. Crédito: Rodolfo Salas Gismondi

Em uma expedição ao Planalto Central dos Andes, uma equipe internacional de pesquisadores ficou surpresa ao encontrar uma enorme árvore fóssil enterrada na planície fria e gramada. O registro fóssil da planta desse local de grande altitude, no sul do Peru, contém lembretes dramáticos de que o ambiente nas montanhas andinas mudou drasticamente durante os últimos 10 milhões de anos, mas não da maneira que os modelos climáticos do passado sugerem. Os resultados da expedição foram apresentados na revista “Science Advances”.

“Essa árvore e as centenas de amostras fósseis de madeira, folhas e pólen que coletamos na expedição revelam que quando essas plantas estavam vivas o ecossistema era mais úmido – ainda mais úmido do que os modelos climáticos do passado previam”, disse Camila Martinez, membro do Smithsonian Tropical Research Institute (STRI), no Panamá, que recentemente concluiu seu doutorado na Universidade Cornell, nos EUA. “Provavelmente não existe um ecossistema moderno comparável, porque as temperaturas eram mais altas quando esses fósseis foram depositados há 10 milhões de anos.”

A anatomia da madeira petrificada (permineralizada) que os pesquisadores descobriram é muito parecida com a anatomia da madeira nas florestas tropicais de baixa altitude hoje. Na verdade, a altitude então era provavelmente de apenas 2 mil metros acima do nível do mar.

LEIA TAMBÉM: Cusco, o umbigo do mundo

Mas esse ecossistema não durou muito. Hoje, o planalto árido intermediário está 4 mil metros acima do nível do mar.

Mudança rápida

Fósseis de 5 milhões de anos nos mesmos locais confirmaram que o ecossistema Puna, que agora domina os planaltos andinos, havia nascido: as amostras de pólen mais jovens provinham principalmente de gramíneas e ervas, em vez de árvores. O material foliar era de samambaias, ervas e arbustos, indicando que o planalto já havia subido à altitude atual.

O tronco da árvore ao lado de um dos pesquisadores: espécime de floresta tropical de baixa altitude. Crédito: Crédito: Carlos Jaramillo, Smithsonian Tropical Research Institute

“O registro fóssil na região nos diz duas coisas: tanto a altitude quanto a vegetação mudaram dramaticamente em um período relativamente curto de tempo, apoiando uma hipótese que sugere que a elevação tectônica dessa região ocorreu em pulsos rápidos”, disse Carlos Jaramillo, cientista da equipe do STRI e líder do projeto.

“A elevação andina desempenhou um papel importante na formação do clima da América do Sul, mas a relação entre a ascensão dos Andes, os climas locais e a vegetação ainda não é bem compreendida”, disse Martinez. “No final deste século, as mudanças na temperatura e nas concentrações de dióxido de carbono atmosférico irão novamente se aproximar das condições de 10 milhões de anos atrás. Entender as discrepâncias entre os modelos climáticos e os dados baseados no registro fóssil nos ajuda a elucidar as forças motrizes que controlam o clima atual do altiplano e, em última análise, do clima em todo o continente sul-americano.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança