Fóssil de ave de 120 milhões de anos é descoberto no Japão

O Fukuipteryx prima tinha as dimensões aproximadas de um pombo e provavelmente não voava bem

Concepção artística do pássaro: animal com características peculiares. Crédito: Masanori Yoshida/Instituto de Pesquisa de Dinossauros, Universidade da Província de Fukui

Pesquisadores confirmaram que um fóssil de pássaro quase completo descoberto em Katsuyama, na província de Fukui, oeste da ilha de Honshu (Japão), é uma nova espécie, a mais antiga já encontrada no país. Segundo o Instituto de Pesquisa de Dinossauros da Universidade da Província de Fukui e outras fontes, o fóssil foi escavado em agosto de 2013 a partir de estratos de uma pedreira que se acredita remontarem a 120 milhões de anos, durante a fase inicial do período Cretáceo. A descoberta foi relatada na revista “Communications Biology”.

A nova espécie foi denominada Fukuipteryx prima, em homenagem a Fukui (pteryx significa “asa”, e prima, “primitivo”). O Archaeopteryx, descoberto na Alemanha e que viveu no fim do Jurássico, cerca de 150 milhões de anos atrás, ainda é considerado o pássaro mais antigo do mundo.

O fóssil, constituído por pelo menos 100 ossos (incluindo ossos das extremidades e costelas), foi preservado tridimensionalmente em uma rocha. Usando tomografia computadorizada e outros métodos, uma equipe de pesquisa liderada pela Universidade da Província de Fukui descobriu características ausentes em outros fósseis de aves, incluindo uma protrusão no pigóstilo (conjunto formado pelas últimas vértebras caudais fusionadas em uma única ossificação, onde são inseridas a musculatura e as penas da cauda das aves) perto da raiz das penas da cauda. Tais características foram fatores decisivos na confirmação da nova espécie.

LEIA TAMBÉM: Cientistas descobrem fóssil do maior papagaio do mundo

Pássaro jovem

A análise do tecido ósseo constatou que a ave fossilizada era um animal jovem com menos de 1 ano de idade e com uma extensão de asa de cerca de 50 centímetros, o que lhe daria as dimensões aproximadas de um pombo. Os pesquisadores supõem que o Fukuipteryx prima não voava tão bem quanto os pássaros modernos – possivelmente, ele apenas batia as asas no chão, como as galinhas, ou no máximo planava.

Takuya Imai, professor assistente de paleontologia do Instituto de Pesquisa de Dinossauros e principal autor do estudo, afirmou: “Mais de 90% dos fósseis de aves do início do Cretáceo são escavados no nordeste da China, e há um grande significado em ser encontrado em outro lugar em termos da perspectiva de conhecer-se mais sobre a evolução dos pássaros e sua biologia. Embora o [Fukuipteryx prima] tenha um pigóstilo único, também é muito interessante que ele tenha características comuns nos dinossauros, como ter três dedos”.