Fóssil de tubarão é na verdade de pterossauro desconhecido

Descoberta do novo pterossauro ocorreu durante uma pesquisa de coleções de fósseis de 100 anos do Reino Unido

Alanqa do norte da África: tipo de bico semelhante ao encontrado pelos pesquisadores. Crédito: atribuído a Davide Bonadonna

Paleontólogos britânicos fizeram uma descoberta surpreendente enquanto pesquisavam coleções de fósseis de 100 anos do Reino Unido: uma nova espécie misteriosa de pterossauro, diferente de tudo que se vira antes. O artigo sobre o achado foi publicado na revista “Proceedings of the Geologists’ Association”.

O autor principal do estudo, o doutorando Roy Smith, da Universidade de Portsmouth, descobriu a criatura misteriosa entre as coleções de fósseis do Sedgwick Museum de Cambridge e do Booth Museum em Brighton, montadas quando a mineração de fosfato estava no auge nos English Fens (planície costeira no leste da Inglaterra) entre 1851 e 1900. Esses fósseis encontrados enquanto operários escavavam nódulos de fosfato eram frequentemente vendidos como fonte de algum dinheiro extra.

Smith examinava os fósseis de espinhos de tubarão quando fez a surpreendente descoberta. Os fósseis eram na verdade fragmentos de mandíbulas de pterossauros desdentados, que de fato se parecem com espinhos de barbatanas de tubarão. Mas há muitas diferenças sutis que permitem distingui-los.

Mistério paleontológico

“Uma dessas características são orifícios minúsculos onde os nervos vêm à superfície e são usados ​​para alimentação sensível dos pterossauros”, observou Smith. “Espinhos de barbatanas de tubarão não têm isso, mas os primeiros paleontólogos claramente não perceberam essas características. Dois dos espécimes descobertos podem ser identificados como um pterossauro chamado Ornithostoma, mas um espécime adicional é claramente distinto e representa uma nova espécie. É um mistério paleontológico.”

O pesquisador acrescentou: “Infelizmente, esse espécime é muito fragmentário para ser a base para nomear a nova espécie. Infelizmente, duvida-se que mais restos desse pterossauro sejam descobertos, já que não há mais nenhuma exposição da rocha de onde vieram os fósseis. Mas espero que outras coleções de museus possam conter mais exemplos. Assim que as restrições de covid forem suspensas, continuarei minha pesquisa”.

O supervisor de Smith, o professor Dave Martill, da Universidade de Portsmouth, disse: “O pequeno bico é provocante porque é pequeno e simplesmente difere do Ornithostoma de maneiras sutis, talvez da mesma forma que uma garça-branca pode ser diferente de uma garça. Provavelmente as diferenças na vida teriam mais a ver com cor, sinais e comportamento do que com o esqueleto”.

“Pterossauros com esses tipos de bicos são mais conhecidos na época no norte da África”, prosseguiu Smith. “Então, seria razoável assumir uma semelhança com o alanqa do norte da África. É extremamente emocionante ter descoberto esse misterioso pterossauro aqui no Reino Unido. (…) Essa descoberta é significativa  não só porque acrescenta ao nosso conhecimento desses répteis pré-históricos voadores antigos e fascinantes, mas também porque demonstra que tais descobertas podem ser feitas simplesmente reexaminando-se o material em coleções antigas.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança