• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência03/06/2022

Fóssil estranho ajuda a resolver mistério evolutivo da girafa

Competições entre girafoides machos. Primeiro plano: Discokeryx xiezhi; plano de fundo: Giraffa camelopardalis. Crédito: Wang Yu e GUO Xiaocong

03/06/22 - 08h23min

Fósseis de um estranho girafoide primitivo revelaram as principais forças motrizes na evolução da girafa, de acordo com um estudo liderado por pesquisadores do Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados (IVPP) da Academia Chinesa de Ciências. O trabalho foi publicado na revista Science.

+ Descobertos esqueletos romanos decapitados no sul da Inglaterra
+ Mosaico romano espetacular é descoberto em área rural da Inglaterra
+ Descoberto exemplo de crucificação na Inglaterra sob domínio de Roma

Como o pescoço longo da girafa evoluiu tem sido um mistério evolutivo. Embora tenha havido opiniões diferentes sobre o processo de alongamento do pescoço da girafa, os cientistas nunca duvidaram que o ímpeto para o alongamento do pescoço fosse a folhagem alta.

No entanto, à medida que a observação do comportamento das girafas aumentava, os cientistas começaram a perceber que o pescoço elegante e longo das girafas realmente serve como uma arma na competição de namoro masculino e isso pode ser a chave para o mistério evolutivo desses animais.

Hierarquia social

Especificamente, as girafas usam seus pescoços oscilantes de dois a três metros de comprimento para arremessar seus crânios pesados ​​– equipados com pequenos ossicones (os “cornos” da girafa) e osteomas (tumores ósseos benignos) – contra as partes fracas dos competidores. Como resultado, quanto mais longo o pescoço, maior o dano ao oponente.

Pesquisadores do IVPP e seus colaboradores conduziram seu estudo sobre Discokeryx xiezhi, um estranho girafoide primitivo. Essa pesquisa contribui para entender como evoluiu o pescoço longo da girafa, bem como para entender a extensa integração das lutas de corte e pressão por alimento. De fato, o tamanho do pescoço das girafas macho está diretamente relacionado à hierarquia social, e a competição de namoro é a força motriz por trás da evolução dos pescoços longos.

Os fósseis neste estudo foram encontrados em estratos do início do Mioceno de cerca de 17 milhões de anos atrás, na margem norte da Bacia de Junggar, em Xinjiang. Um crânio completo e quatro vértebras cervicais faziam parte do achado.

Localizado na zona rural do condado de Northumberland (norte da Inglaterra), Vindolanda, com seu forte e assentamento, é um tesouro da vida cotidiana durante a ocupação romana da Grã-Bretanha e além. O que torna essa parte do Patrimônio Mundial da Muralha de Adriano tão excepcional é que alguns dos artefatos de quase 2 mil anos descobertos revelam emoções e sentimentos humanos. Talvez o exemplo mais famoso seja o convite de aniversário manuscrito em que uma mulher muito educadamente pede que sua “irmã mais querida” se junte a ela para comemorar seu aniversário.


+ Mulher descobre traição do namorado ao ver detalhe em foto no Instagram
+ Carlinhos Maia mostra dificuldade para andar após ter realizado lipoaspiração
+ Em queda, ‘Jornal Nacional’ amarga pior início de ano da história
+ Carro ‘mais rápido do mundo’ bate recorde e beira os 500 km/h

A última descoberta feita em Vindolanda dá uma fascinante janela para as emoções de alguém do século 3 d.C., e desta vez não envolvem palavras tão educadas. Dylan Herbert, um bioquímico aposentado do sul do País de Gales, fez a descoberta em 19 de maio, no final de sua segunda semana de voluntariado nas escavações. Dylan comentou: “Eu estava removendo muitos entulhos durante toda a semana e, para ser honesto, essa pedra estava atrapalhando meu caminho. Fiquei feliz quando me disseram que eu poderia tirá-la da trincheira. De trás parecia como todas as outras, uma pedra muito comum, mas quando a virei, fiquei surpreso ao ver algumas letras claras. Só depois que retiramos a lama percebi toda a extensão do que havia descoberto e fiquei absolutamente encantado”.

Além do óbvio e explícito falo esculpido, a face da pedra, que mede 40 centímetros de largura por 15 cm de altura, está gravada com as palavras SECVNDINVS CACOR, uma gravura que torna esse grafite um insulto muito pessoal. Especialistas em epigrafia romana, os doutores Alexander Meyer, Alex Mullen e Roger Tomlin reconheceram-no como uma versão mutilada de Secundinus cacator – “Secundinus, o filho da p.” –, com a imagem aumentando a força do insulto escrito.

Sentimento intenso

O dr. Andrew Birley, diretor de Escavações e CEO da Vindolanda Trust, comentou: “A recuperação de uma inscrição, uma mensagem direta do passado, é sempre um grande evento em uma escavação romana, mas esta realmente ergueu nossas sobrancelhas quando deciframos a mensagem na pedra. Seu autor claramente tinha um grande problema com Secundinus e estava confiante o suficiente para anunciar seus pensamentos publicamente em uma pedra. Não tenho dúvidas de que Secundinus não teria se divertido ao ver isso quando estava vagando pelo local há mais de 1.700 anos”.

O falo romano é muitas vezes visto como um amuleto de boa sorte ou símbolo de fertilidade, um símbolo positivo. No entanto, neste caso, o autor habilmente pegou seu significado e o subverteu para seus próprios objetivos. Cada letra foi cuidadosamente esculpida, o que levaria um tempo, deixando poucas dúvidas sobre a profundidade do sentimento.

Esse fabuloso comentário social do passado antigo divertirá os visitantes por muitos anos. Isso nos lembra que, embora o exército romano pudesse ser extremamente brutal, especialmente para a população nativa, eles não eram imunes a insultar uns aos outros. Séculos antes de os jornais impressos ou as mídias sociais estarem disponíveis, essa teria sido uma das melhores maneiras de fazer com que muitas pessoas percebessem um ponto de vista.


+ O lado mais perverso de cada signo
+ Especialista explica excesso de pelo em Gretchen
+ Câmera flagra vulto rondando berço de crianças nos Estados Unidos
+ Moto também é coisa de mulher: habilitação feminina cresce 80%

Considerando as extensas escavações e pesquisas em Vindolanda, ao longo de quase 100 anos, não é surpreendente notar que o local tem mais esculturas de falos do que qualquer outro ao longo da linha da Muralha de Adriano. A nova adição leva essa contagem para 13, um número que se acredita ser azar para alguns. Os arqueólogos de Vindolanda, no entanto, esperam que ele seja um ótimo sinal para o resto da temporada de escavações.

Características únicas

Discokeryx xiezhi apresentava muitas características únicas entre os mamíferos, incluindo o desenvolvimento de um grande ossicone semelhante a um disco no meio de sua cabeça”, disse o professor Deng Tao, do IVPP, autor correspondente do estudo. Deng disse que o ossicone se assemelha ao do xiezhi, uma criatura de um chifre da antiga mitologia chinesa – dando assim ao fóssil seu nome.

De acordo com os pesquisadores, as vértebras cervicais do Discokeryx xiezhi são muito fortes e têm as articulações mais complexas entre a cabeça e o pescoço e entre as vértebras cervicais de qualquer mamífero. A equipe demonstrou que as articulações complexas entre o crânio e as vértebras cervicais do Discokeryx xiezhi foram particularmente adaptadas ao impacto direto de alta velocidade. Eles descobriram que essa estrutura era muito mais eficaz do que a de animais existentes, como bois almiscarados, que são adaptados ao impacto da cabeça. De fato, Discokeryx xiezhi pode ter sido o vertebrado mais bem adaptado ao impacto da cabeça.

“Tanto as girafas vivas quanto o Discokeryx xiezhi pertencem à superfamília Giraffoidea. Embora suas morfologias de crânio e pescoço sejam muito diferentes, ambas estão associadas a lutas de corte masculinas e ambas evoluíram em uma direção extrema”, disse Wang Shiqi, primeiro autor do estudo.

A equipe de pesquisa comparou a morfologia dos chifres de vários grupos de ruminantes, incluindo girafoides, bovinos, ovelhas, veados e antilocapras. Eles descobriram que a diversidade de chifres nas girafas é muito maior do que em outros grupos, com uma tendência a diferenças extremas na morfologia. Isso indica que as lutas de corte são mais intensas e diversificadas nas girafas do que em outros ruminantes.

Área mais seca

A equipe de pesquisa analisou ainda o ambiente ecológico do Discokeryx xiezhi e o nicho que ocupava. A Terra estava em um período quente e em geral era densamente florestada, mas a região de Xinjiang, onde o Discokeryx xiezhi vivia, era um pouco mais seca do que outras áreas porque o Planalto Tibetano ao sul estava subindo dramaticamente, bloqueando a transferência de vapor d’água.

“Isótopos estáveis ​​do esmalte dos dentes indicaram que o Discokeryx xiezhi estava vivendo em pastagens abertas e pode ter migrado sazonalmente”, disse Jin Meng, outro autor correspondente do estudo. Para os animais da época, o ambiente de pastagem era mais árido e menos confortável do que o ambiente de floresta. O comportamento violento de luta do Discokeryx xiezhi pode ter sido relacionado ao estresse relacionado à sobrevivência causado pelo ambiente.

No início do surgimento do gênero Giraffa, existia um ambiente semelhante. Cerca de 7 milhões de anos atrás, o Planalto da África Oriental também mudou de um ambiente florestal para pastagem aberta, e os ancestrais diretos das girafas tiveram de se adaptar a novas mudanças. É possível que, entre os ancestrais das girafas durante esse período, os machos de acasalamento tenham desenvolvido uma maneira de atacar seus competidores balançando o pescoço e a cabeça. Essa luta extrema, apoiada pela seleção sexual, levou ao rápido alongamento do pescoço da girafa durante um período de 2 milhões de anos para se tornar o gênero existente, Giraffa.

Com base nesse alongamento, os espécimes Giraffa eram adequados para o nicho de alimentação em folhagem alta. No entanto, seu status ecológico era necessariamente menos seguro do que o de bovídeos e cervídeos. Como resultado, o nicho ecológico marginal de Giraffa pode ter promovido uma competição de corte intraespecífica extrema, que por sua vez pode ter promovido uma evolução morfológica extrema.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


academia chinesa de ciências