Fracking é o principal responsável por aumento de emissões de metano

Estudo destaca o papel do petróleo e do gás de xisto extraídos por fracking nas emissões e reduz o impacto da produção de metano por fontes biológicas, como os rebanhos bovinos

Operação de fracking na Formação Bakken, Dakota do Norte (EUA). Foto: Joshua Doubek/Wikimedia

À medida que as concentrações de metano aumentam na atmosfera da Terra, as impressões digitais desse gás mostram sua mais provável fonte: petróleo e gás de xisto. É o que informa a nova pesquisa da Universidade Cornell (EUA) publicada ontem na revista “Biogeosciences”, da União Europeia de Geociências.

A pesquisa sugere que esse metano tem menos carbono-13 em relação ao carbono-12 (denotando o peso do átomo de carbono no centro da molécula de metano) do que o metano do gás natural convencional e de outros combustíveis fósseis como o carvão.

Essa assinatura de carbono-13 significa que, com o uso de altos volumes de fraturamento hidráulico – comumente chamado de fracking –, o gás de xisto aumentou sua participação na produção de gás natural global e liberou mais metano na atmosfera, segundo o autor do estudo, Robert Howarth, professor de Ecologia e Biologia Ambiental na Universidade Cornell.

LEIA TAMBÉM: O Brasil e o xisto

Cerca de dois terços de toda a nova produção de gás na última década foram de gás de xisto produzido nos Estados Unidos e no Canadá, disse ele. As concentrações atmosféricas de metano vêm aumentando desde 2008, mas a composição de carbono do metano mudou. O metano de fontes biológicas, como vacas e áreas úmidas, tem um baixo teor de carbono-13 – comparado ao metano da maioria dos combustíveis fósseis. Estudos anteriores concluíram erroneamente que as fontes biológicas são a causa do aumento do metano, disse Howarth.

 

Resposta rápida

O dióxido de carbono (CO2) e o metano são gases críticos para o efeito estufa, mas se comportam de maneira bastante diferente na atmosfera. O dióxido de carbono emitido hoje influenciará o clima durante séculos, uma vez que o clima responde lentamente a quantidades decrescentes do gás. Com o metano acontece o contrário: a atmosfera responde rapidamente às mudanças nas emissões de metano.

“Reduzir o metano agora pode fornecer uma maneira instantânea de desacelerar o aquecimento global e atingir a meta da ONU de manter o planeta bem abaixo de um aumento médio de 2 graus Celsius”, disse Howarth, referindo-se ao Acordo de Paris que impulsiona a resposta global às ameaças trazidas pelas mudanças climáticas.

Os níveis atmosféricos de metano já haviam crescido nas últimas duas décadas do século 20, mas nivelados na primeira década do século 21. Então, os níveis atmosféricos de metano aumentaram drasticamente de 2008 a 2014, de cerca de 570 teragramas (570 bilhões de toneladas) por ano para cerca de 595 teragramas, devido às emissões globais de metano causadas pelo homem nos últimos 11 anos.

“Este recente aumento no metano é enorme”, afirmou Howarth. “É globalmente significativo. Isso contribuiu para parte do aumento do aquecimento global que vimos e o gás de xisto é um grande protagonista.”

“Se pudermos parar de despejar metano na atmosfera, ele se dissipará”, disse ele. “Ele desaparece rapidamente, comparado ao dióxido de carbono. É a forma mais fácil para desacelerar o aquecimento global.”