Fumo de ‘terceira mão’ também pode transmitir compostos perigosos

Produtos químicos dos cigarros aderem a roupas e corpos das pessoas e são transportados por elas para outros lugares, como salas de cinema, auditórios e o próprio lar

Sala de cinema: mesmo que o espaço fique desocupado por alguns dias, ainda é possível constatar a contaminação por produtos químicos do cigarro. Crédito: Jorge Simonet/Wikimedia

As pessoas podem transportar compostos perigosos da fumaça do cigarro que aderem a seus corpos e roupas e depois liberar esses compostos em ambientes para não fumantes, expondo as pessoas próximas a efeitos adversos dos cigarros. A revelação foi feita a partir de um estudo realizado pela Universidade Yale (EUA) em colaboração com o Instituto Max Planck de Química (Alemanha), cujos resultados foram publicados na revista “Science Advances”.

Na última década, o tabagismo passivo foi descrito como a contaminação residual do cigarro que adere às paredes e outras superfícies em locais onde o fumo ocorreu anteriormente. Por exemplo, hotéis e empresas de aluguel de carros implementaram restrições ao fumo para limitar esse odor contaminante em seus quartos e carros.

Uma equipe liderada pelo professor Drew Gentner, de Yale, mostrou pela primeira vez que esse fumo de terceira mão pode viajar em grandes quantidades para ambientes internos e para não fumantes por meio de seres humanos. A pesquisa sugere que uma pessoa que está em uma sala onde ninguém fumou ainda poderá ser exposta a muitos dos compostos químicos perigosos presentes na fumaça do cigarro, dependendo de quem mais entrou na sala ou a visitou anteriormente.

LEIA TAMBÉM: Tabaco: história de um vício mortal

“Em condições do mundo real, vemos emissões concentradas de gases perigosos provenientes de grupos de pessoas que foram previamente expostas à fumaça do tabaco quando entram em um local para não fumantes, com regulamentos estritos contra o fumo em ambientes fechados”, disse Gentner, professor associado de química e engenharia ambiental. “As pessoas são transportadoras substanciais de contaminantes do fumo passivo para outros ambientes. Portanto, a ideia de alguém estar protegido dos possíveis efeitos à saúde da fumaça do cigarro por não estar diretamente exposto ao fumo passivo não é o caso.”

Quantidade considerável

Os pesquisadores levaram instrumentação altamente sensível ao cinema para rastrear milhares de compostos, presentes como gases ou partículas, ao longo de uma semana. Uma gama diversificada de compostos orgânicos voláteis encontrados na fumaça do tabaco aumentou dramaticamente quando certas audiências chegaram ao cinema.

Esses aumentos foram menores nos filmes com classificação de idade livre, enquanto o público dos filmes com classificação R (em que menores de 17 anos só podem entrar acompanhados de pais ou adultos responsáveis) – que incluíam espectadores com maior probabilidade de fumar ou de serem expostos à fumaça – lançavam consistentemente quantidades muito maiores desses compostos no cinema. As proporções relativas desses compostos emitidos confirmaram que eram provenientes da fumaça de cigarro levemente envelhecida.

“Apesar dos regulamentos que impedem as pessoas de fumar dentro de casa, perto de vestíbulos e entradas de ar, produtos químicos perigosos da fumaça do cigarro ainda estão chegando dentro de casa”, disse Roger Sheu, aluno de doutorado do laboratório de Gentner e principal autor do estudo.

A quantidade desses gases perigosos e reativos não era trivial, disseram os pesquisadores. As emissões de gases foram iguais às de 1 a 10 cigarros de fumo passivo em um período de uma hora. Essas emissões e concentrações de ar atingiram o pico na chegada do público e diminuíram com o tempo, mas não completamente, mesmo quando o público foi embora.

Proeminência da nicotina

Em muitos casos, os espectadores deixaram uma contaminação persistente observável nos dias seguintes no cinema desocupado. Os pesquisadores disseram que isso ocorre porque os produtos químicos não permanecem inteiramente no ar, mas também são adsorvidos (retidos) em várias superfícies e móveis, assim como ocorre com a contaminação por fumaça de terceiros em locais onde pessoas fumaram.

Os pesquisadores também descobriram uma predominância de compostos contendo nitrogênio dos cigarros, que teriam migrado das pessoas para outras superfícies internas. “Em particular, notamos que a nicotina era o composto mais proeminente de longe”, disse a coautora Jenna Ditto, aluna de doutorado no laboratório de Gentner.

Os pesquisadores disseram que esses resultados no transporte humano do fumo passivo agora ajudam a explicar por que estudos anteriores encontraram quantidades notáveis ​​de nicotina nas superfícies em vários ambientes para não fumantes.

Evitar cinemas não é a solução para evitar o fumo passivo, ressaltaram os pesquisadores. De fato, a sala de cinema usada para o estudo é moderna, grande e bem ventilada, o que reduziu o efeito das emissões nas concentrações de compostos perigosos no ambiente. Em espaços menos ventilados – como transporte público, bares, escritórios e residências –, emissões semelhantes de fumaça em terceira mão provavelmente resultariam em concentrações consideravelmente mais altas de muitos desses compostos.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança