Furacões futuros percorrerão mais áreas da Terra, prevê estudo

De acordo com os pesquisadores, ciclones tropicais podem migrar para latitudes médias dos hemisférios norte e sul conforme o planeta se aquece

Ciclones tropicais deverão ampliar sua área de abrangência com o aquecimento global. Crédito: Pixabay

Um novo estudo liderado pela Universidade Yale (EUA) sugere que o século 21 verá uma expansão de furacões e tufões em regiões de latitude média, o que inclui metrópoles do porte de Nova York, Boston, Pequim e Tóquio. Um artigo sobre o trabalho foi publicado na revista Nature Geoscience.

Segundo os autores do estudo, ciclones tropicais – furacões (no Atlântico) e tufões (no Pacífico) – podem migrar para o norte e para o sul em seus respectivos hemisférios, à medida que o planeta aquece como resultado das emissões antropogênicas de gases de efeito estufa. A tempestade subtropical Alpha, de 2020, o primeiro ciclone tropical observado atingindo a costa de Portugal, e o furacão Henri de 2021, que atingiu a América do Norte em Connecticut (nordeste dos Estados Unidos), podem ser os arautos dessas tempestades.

“Isso representa um risco importante e subestimado da mudança climática”, disse o primeiro autor Joshua Studholme, físico da Faculdade de Artes e Ciências do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade Yale e autor colaborador do sexto relatório de avaliação do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC), publicado no início de 2021.

“Esta pesquisa prevê que os ciclones tropicais do século 21 provavelmente ocorrerão em uma faixa mais ampla de latitudes do que tem acontecido na Terra nos últimos 3 milhões de anos”, disse Studholme.

Consenso difícil

Os coautores do estudo são Alexey Fedorov, professor de ciências oceânicas e atmosféricas em Yale, Sergey Gulev, do Instituto de Oceanologia Shirshov (Rússia), Kerry Emanuel, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, nos EUA), e Kevin Hodges, da Universidade de Reading (Reino Unido).

Embora um aumento nos ciclones tropicais seja comumente citado como um prenúncio da mudança climática, ainda não está claro se eles são sensíveis à temperatura média do planeta. Na década de 1980, o coautor do estudo Emanuel usou conceitos da termodinâmica clássica para prever que o aquecimento global resultaria em tempestades mais intensas – uma previsão que foi validada no registro observacional.

No entanto, outros aspectos da relação entre ciclones tropicais e clima ainda carecem de uma teoria baseada na física. Por exemplo, não existe acordo entre os cientistas sobre se o número total de tempestades aumentará ou diminuirá com o aquecimento do clima, ou por que o planeta experimenta cerca de 90 desses eventos a cada ano.

Riscos maiores

“Há grandes incertezas sobre como os ciclones tropicais mudarão no futuro”, disse Fedorov. “No entanto, várias linhas de evidência indicam que poderíamos ver mais ciclones tropicais em latitudes médias, mesmo que a frequência total de ciclones tropicais não aumente, o que ainda é debatido ativamente. Combinada com o aumento esperado na intensidade média de ciclones tropicais, essa descoberta implica maiores riscos devido a ciclones tropicais no aquecimento do clima da Terra.”

Normalmente, os ciclones tropicais se formam em latitudes baixas que têm acesso às águas quentes dos oceanos tropicais e longe do impacto das correntes de jato – as faixas de vento oeste-leste que circundam o planeta. A rotação da Terra faz com que grupos de tempestades se agreguem e girem para formar os vórtices que se tornam ciclones tropicais. Outros mecanismos de formação de furacões também existem.

Conforme o clima esquenta, as diferenças de temperatura entre o equador e os polos diminuirão, dizem os pesquisadores. Nos meses de verão, isso pode causar enfraquecimento ou mesmo uma divisão na corrente de jato, abrindo uma janela nas latitudes médias para a formação e intensificação de ciclones tropicais.

Simulações numéricas

Para o estudo, Studholme, Fedorov e seus colegas analisaram simulações numéricas de climas quentes do passado distante da Terra, observações recentes de satélites e uma variedade de projeções de tempo e clima, bem como a física fundamental que rege a convecção atmosférica e ventos em escala planetária. Por exemplo, eles notaram que as simulações de climas mais quentes durante as épocas do Eoceno (56 a 34 milhões de anos atrás) e do Plioceno (5,3 a 2,6 milhões de anos atrás) viram ciclones tropicais se formarem e se intensificarem em latitudes mais altas.

“O principal problema ao fazer previsões futuras de furacões é que os modelos usados ​​para projeções climáticas não têm resolução suficiente para simular ciclones tropicais realistas”, disse Studholme, pós-doutorando em Yale. “Em vez disso, várias abordagens indiretas diferentes são normalmente usadas. No entanto, esses métodos parecem distorcer a física subjacente de como os ciclones tropicais se formam e se desenvolvem. Vários desses métodos também fornecem previsões que se contradizem.”

O novo estudo tira suas conclusões examinando as conexões entre a física dos furacões em escalas muito pequenas para serem representadas nos modelos climáticos atuais e a dinâmica mais bem simulada das correntes de jato e da circulação de ar norte-sul da Terra, conhecidas como células de Hadley.

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago