• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia13/06/2022

Gaia vê estrelas estranhas no mapa mais detalhado da Via Láctea já feito

Concepção artística do satélite Gaia da ESA a observar a Via Láctea. A imagem de fundo do céu é compilada a partir de dados de mais de 1,8 bilhão de estrelas. Ele mostra o brilho total e a cor das estrelas observadas por Gaia lançadas como parte do Early Data Release 3 de Gaia (Gaia EDR3) em dezembro de 2020. Crédito: Espaçonave: ESA/ATG medialab; Via Láctea: ESA/Gaia/DPAC; CC BY-SA 3.0 IGO. Agradecimento: A. Moitinho.

13/06/22 - 09h04min

Gaia é a missão da Agência Espacial Europeia (ESA) dedicada a criar o mapa multidimensional mais preciso e completo da Via Láctea. Isso permite que os astrônomos reconstruam a estrutura da nossa galáxia e a evolução passada ao longo de bilhões de anos e entendam melhor o ciclo de vida das estrelas e nosso lugar no universo.

+ Maioria das galáxias vizinhas da Via Láctea é de recém-chegadas
+ Bolha misteriosa no espaço é novo ingrediente na formação de estrelas
+ Descoberta ‘pausa’ em um dos braços espirais da Via Láctea

A versão 3 de dados da missão Gaia lançada hoje (13 de junho) contém detalhes novos e aprimorados para quase 2 bilhões de estrelas em nossa galáxia. O catálogo inclui novas informações, incluindo composições químicas, temperaturas estelares, cores, massas, idades e a velocidade com que as estrelas se aproximam ou se afastam de nós (velocidade radial). Muitas dessas informações foram reveladas pelos dados de espectroscopia recém-lançados, uma técnica na qual a luz das estrelas é dividida em suas cores constituintes (como um arco-íris). Os dados também incluem subconjuntos especiais de estrelas, como aquelas que mudam de brilho ao longo do tempo.

Outra novidade nesse conjunto de dados é o maior catálogo já feito de estrelas binárias, milhares de objetos do Sistema Solar, como asteroides e luas de planetas, e milhões de galáxias e quasares fora da Via Láctea.

‘Estrelamotos’

Uma das descobertas mais surpreendentes resultantes dos novos dados é que o Gaia é capaz de detectar starquakes, ou “estrelamotos” – pequenos movimentos na superfície de uma estrela – que mudam as formas desses objetos, algo para o qual o observatório não foi originariamente construído.

Anteriormente, Gaia já havia encontrado oscilações radiais que fazem com que as estrelas inchem e encolham periodicamente, mantendo sua forma esférica. Mas a missão também detectou agora outras vibrações que são mais parecidas com tsunamis em grande escala. Essas oscilações não radiais alteram a forma global de uma estrela e, portanto, são mais difíceis de detectar.

Gaia encontrou fortes vibrações não radiais em milhares de estrelas. A missão também revelou tais vibrações em estrelas que raramente foram vistas antes. Essas estrelas não deveriam ter nenhuma oscilação de acordo com a teoria atual, mas Gaia os detectou em sua superfície.


+ Como cada signo encara a crise?
+ Os 5 signos mais assumidamente loucos do zodíaco
+ Carol Portaluppi faz passeio de barco e provoca: ‘Ninguém manda nessa r…’

Starquakes nos ensinam muito sobre estrelas, principalmente seu funcionamento interno. Gaia está abrindo uma mina de ouro para a ‘asterosismologia’ de estrelas massivas”, disse Conny Aerts, da Universidade KU Leuven (Bélgica), que é membro da colaboração Gaia.

O DNA das estrelas

O material de que as estrelas são feitas pode nos contar sobre seu local de nascimento e sua jornada posterior e, portanto, sobre a história da Via Láctea. Com o lançamento de dados de hoje, Gaia está revelando o maior mapa químico da galáxia acoplado a movimentos 3D, desde nossa vizinhança solar até galáxias menores que cercam a nossa.

Algumas estrelas contêm mais “metais pesados” do que outras. Durante o Big Bang, apenas elementos leves foram formados (hidrogênio e hélio). Todos os outros elementos mais pesados ​​– chamados de metais pelos astrônomos – são construídos dentro das estrelas. Quando morrem, as estrelas liberam esses metais no gás e poeira entre outros sóis, chamado meio interestelar, do qual novas estrelas se formam. A formação e a morte de estrelas ativas levarão a um ambiente mais rico em metais. Portanto, a composição química de uma estrela é um pouco parecida com seu DNA, nos dando informações cruciais sobre sua origem.

Caldeirão de estrelas

Com Gaia, vemos que algumas estrelas em nossa galáxia são feitas de material primordial, enquanto outras, como nosso Sol, são feitas de matéria enriquecida por gerações anteriores de estrelas. Estrelas que estão mais próximas do centro e do plano de nossa galáxia são mais ricas em metais do que estrelas a distâncias maiores. Gaia também identificou estrelas que originariamente vieram de galáxias diferentes da nossa, com base em sua composição química.

“Nossa galáxia é um belo caldeirão de estrelas”, disse Alejandra Recio-Blanco, do Observatoire de la Côte d’Azur (França), que é membro da colaboração Gaia.

“Esta diversidade é extremamente importante, porque nos conta a história da formação de nossa galáxia. Ela revela os processos de migração dentro de nossa galáxia e de acreção de galáxias externas. Também mostra claramente que nosso Sol, e nós, todos pertencemos a um sistema em constante mudança, formado graças à montagem de estrelas e gases de diferentes origens.”

Estrelas binárias, asteroides, quasares e muito mais

Outros artigos publicados hoje refletem a amplitude e profundidade do potencial de descoberta de Gaia. Um novo catálogo de estrelas binárias apresenta a massa e a evolução de mais de 800 mil sistemas binários, enquanto uma nova pesquisa de asteroides compreendendo 156 mil corpos rochosos está se aprofundando na origem do nosso Sistema Solar. Gaia também está revelando informações sobre 10 milhões de estrelas variáveis, macromoléculas misteriosas entre estrelas, bem como quasares e galáxias além de nossa própria vizinhança cósmica.

“Diferentemente de outras missões que visam a objetos específicos, Gaia é uma missão de pesquisa. Isso significa que, ao pesquisar todo o céu com bilhões de estrelas várias vezes, Gaia é obrigado a fazer descobertas que outras missões mais dedicadas perderiam. Esse é um de seus pontos fortes, e mal podemos esperar que a comunidade de astronomia mergulhe em nossos novos dados para descobrir ainda mais sobre nossa galáxia e seus arredores do que poderíamos imaginar”, afirmou Timo Prusti, cientista do Projeto Gaia na ESA.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Alejandra Recio-Blanco