Galinhas da Idade do Ferro eram consideradas sagradas, e não alimento

Estudo revela que galinhas da Idade do Ferro viviam muito mais do que atualmente, e algumas chegavam a atingir 6 anos de idade

Galo-banquiva: ancestral da galinha doméstica foi utilizado no desenvolvimento da técnica de datação dos ossos. Crédito: Lip Kee Yap/Wikimedia Commons

Galinhas antigas viviam significativamente mais do que suas equivalentes modernas porque eram vistas como sagradas – não como comida. A descoberta foi feita por arqueólogos liderados pela Universidade de Exeter (Reino Unido). Eles apresentaram suas conclusões em artigo publicado na revista International Journal of Osteoarchaeology.

Os especialistas desenvolveram o primeiro método confiável para descobrir a idade das aves que viveram há milhares de anos. A pesquisa mostra que elas viviam até idades avançadas e eram mantidas para sacrifícios rituais ou brigas de galos, em vez de produção de carne ou ovos.

As galinhas hoje vivem por algumas semanas (no Reino Unido, as aves vivem entre 33 e 81 dias). No entanto, durante uma parte da Idade do Ferro (1200 a.C.-1000 d.C.), no período romano e saxão, elas viviam nas ilhas britânicas até 2, 3 ou mesmo 4 anos de idade.

Ossos de galo da Idade do Ferro de Houghton Down, Hampshire (Reino Unido), datados por radiocarbono entre os séculos 4 e 3 a.C. A análise dos esporões sugere que a ave viveu pelo menos 2 anos de idade. Crédito: Julia Best
Novo método

Calcular a idade dos restos de aves é difícil porque as técnicas usadas em mamíferos, como fusão óssea e desgaste dentário, não estão disponíveis. Os pesquisadores desenvolveram um novo método baseado no tamanho do esporão tarsometatarsal que se desenvolve na perna de galos adultos.

O novo método foi testado em pássaros modernos de idade conhecida e então aplicado a espécimes antigos. Isso permitiu que os especialistas reconstruíssem os dados demográficos das aves domésticas, desde a Idade do Ferro até os primeiros locais modernos na Grã-Bretanha, para revelar mudanças nas relações entre humanos e aves.

Dos 123 ossos romanos e saxões analisados ​​da Idade do Ferro, mais de 50% eram de galinhas com mais de 2 anos e cerca de 25%, mais de 3 anos.

O dr. Sean Doherty, da Universidade de Exeter, que liderou o estudo, disse: “As aves domésticas foram introduzidas na Idade do Ferro e provavelmente tinham um status especial, sendo vistas como sagradas e não como comida. A maioria dos ossos de galinha não mostra evidências de carnificina, e eles foram enterrados como esqueletos completos, em vez de outros resíduos alimentares”.

Ele continuou: “O estudo confirma o status especial dessas aves raras e altamente apreciadas, mostrando que, desde a Idade do Ferro até o período saxão, elas sobreviveram bem além da maturidade sexual. A maioria viveu mais de 1 ano, com muitas delas atingindo a idade de 2, 3 e 4 anos. A idade em que os galos começavam a morrer tornou-se mais jovem após esse período”.

Imagem de galinhas sagradas de Roma em seu galinheiro, de gravura de insígnias militares e instrumentos de guerra de Nicolas Beatrizet. Crédito: Speculum Romanae Magnificentiae [Imagem nº B293], Centro de Pesquisa de Coleções Especiais, Biblioteca da Universidade de Chicago
Briga de galos

Os especialistas realizaram análises em ossos de pernas modernas de aves domésticas e de galos-banquivas (ancestrais da galinha doméstica) de idade e sexo conhecidos de várias coleções. Isso revelou que o esporão ósseo só se desenvolve em pássaros mais velhos.

Dos 69 galos com menos de 1 ano, apenas 14 (20%) desenvolveram esporão. A única idade em que todos os galos tiveram esporão foi a dos maiores de 6 anos. Consequentemente, os arqueólogos podem ter identificado erroneamente galos jovens sem um esporão como galinhas.

Uma vez totalmente desenvolvido, o esporão aumenta de tamanho, e seu comprimento em relação ao comprimento da perna pode ser usado para estimar a idade.

Os pesquisadores também mediram 1.368 ossos de pernas de aves domésticas em locais britânicos que datam da Idade do Ferro até o período moderno para reconstruir a época em que morreram e seu sexo. Isso sugeriu que durante a Idade do Ferro e o período romano havia significativamente mais galos do que galinhas, provavelmente devido à popularidade da briga de galos nesse período.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago