Genes de homens e mulheres são diferentes na saúde e na doença

Mais de um terço de todos os genes exibem expressão com viés sexual em pelo menos um tecido do corpo

As diferenças gênicas entre mulheres e homens ainda não foram devidamente compreendidas. Crédito: Piqsels

Homens e mulheres compartilham a maior parte de seus genomas. Apenas um punhado de genes, localizados nos chamados cromossomos sexuais X e Y, difere entre os sexos. No entanto, as atividades de nossos genes – sua expressão em células e tecidos – geram profundas distinções entre homens e mulheres.

Os sexos diferem não apenas na aparência externa. Seus genes expressos diferencialmente afetam fortemente o risco, a incidência, a prevalência, a gravidade e a idade de início de muitas doenças, incluindo câncer, doenças autoimunes, distúrbios cardiovasculares e problemas neurológicos.

Pesquisadores observaram diferenças associadas ao sexo na expressão do gene em uma variedade de tecidos, incluindo fígado, coração e cérebro. No entanto, essas diferenças sexuais específicas em tecidos permanecem pouco compreendidas. A maioria das características que apresentam variação entre machos e fêmeas parece resultar de diferenças na expressão de genes autossômicos comuns a ambos os sexos, e não por meio da expressão de genes de cromossomos sexuais ou hormônios sexuais.

LEIA TAMBÉM: Óvulos “escolhem” espermatozoides de determinados homens

Uma melhor compreensão dessas disparidades associadas ao sexo no comportamento de nossos genes pode levar a diagnósticos e tratamentos melhores para uma série de doenças humanas.

Variações enormes

Em artigo publicado na revista “Science”, Melissa Wilson, pesquisadora do Biodesign Center for Mechanisms in Evolution da Universidade Estadual do Arizona (EUA), analisou a pesquisa atual sobre os padrões de diferenças sexuais na expressão gênica em todo o genoma e destaca vieses de amostragem nas populações humanas incluídas em tais estudos.

“Uma das coisas mais impressionantes sobre este estudo abrangente das diferenças de sexo”, disse Wilson, “é que embora as diferenças agregadas se estendam pelo genoma e contribuam para vieses na saúde humana, cada gene individual varia enormemente entre as pessoas”.

Uma década atrás, um empreendimento ambicioso, conhecido como consórcio Genotype-Tissue Expression (GTEx), começou a investigar os efeitos da variação do DNA na expressão gênica em toda a gama de tecidos humanos. Descobertas recentes, que aparecem na edição da “Science”, indicam que as disparidades ligadas ao sexo na expressão gênica são muito mais difundidas do que se supunha, com mais de um terço de todos os genes exibindo expressão com viés sexual em pelo menos um tecido. (A nova pesquisa destacada no artigo de Wilson descreve as diferenças regulatórias do gene entre os sexos em cada tecido em estudo.)

As diferenças ligadas ao sexo na expressão gênica são compartilhadas entre os mamíferos, embora seus papéis relativos na suscetibilidade a doenças permaneçam especulativos. A seleção natural provavelmente guiou o desenvolvimento de muitos desses atributos. Por exemplo, o surgimento de mamíferos placentários há cerca de 90 milhões de anos pode ter levado a diferenças na função imunológica entre machos e fêmeas.

Quadro incompleto

Essas distinções baseadas no sexo, surgidas no passado distante, deixaram sua marca nos mamíferos atuais, incluindo humanos, expressas em taxas mais altas de doenças autoimunes em mulheres e taxas aumentadas de câncer em homens.

Apesar de sua importância crítica para a compreensão da prevalência e gravidade da doença, as diferenças sexuais na expressão gênica só recentemente receberam atenção séria na comunidade de pesquisa. Wilson e outros sugerem que muitas pesquisas genéticas históricas, usando principalmente sujeitos brancos do sexo masculino na meia-idade, produziram um quadro incompleto.

Esses estudos muitas vezes falham em levar em conta as diferenças de sexo no projeto e na análise dos experimentos, apresentando uma visão distorcida da variância das doenças baseadas no sexo e muitas vezes levando a abordagens únicas para diagnóstico e tratamento. Os autores, portanto, aconselham os pesquisadores a serem mais cuidadosos com generalizações baseadas em bancos de dados existentes de informações genéticas, incluindo o GTEx.

Uma abordagem mais holística está surgindo, à medida que os pesquisadores investigam todo o leque de efeitos relacionados à expressão gênica masculina e feminina em uma gama mais ampla de variações humanas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança