Genomas antigos revelam detalhes da migração humana no norte da China

Análise de 55 indivíduos constatou que mudanças genéticas em povos dos rios Amarelo, Xiliao e Amur estão ligadas à intensificação da agricultura e à inclusão de uma economia pastoril

Alguns dos restos humanos analisados pelos pesquisadores: migrações associadas a mudanças importantes na agricultura e na pecuária. Crédito: Yonggang Zhu/Faculdade de Arqueologia, Universidade Jilin

Embora os recentes avanços na análise de DNA antiga tenham estabelecido os principais padrões de migração humana pré-histórica na Eurásia ocidental, a história da população da Eurásia oriental permanece pouco compreendida. O norte da China é de particular importância, pois abrigou dois dos primeiros centros agrícolas do mundo para a produção de milheto: as bacias dos rios Amarelo e Xiliao (historicamente conhecido como rio Huang). Ambas as bacias são famosas por suas ricas culturas arqueológicas e sua influência nas regiões próximas. No entanto, pouco se sabe sobre suas interações genéticas e como elas afetaram a dispersão do cultivo de milheto no norte da China e regiões vizinhas.

Para resolver essas questões, uma equipe de pesquisadores da Escola de Ciências da Vida da Universidade Jilin (China) e do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana (MPI SHH, da Alemanha) sequenciou 55 genomas do norte da China, datados entre 7.500 e 1.700 anos atrás, cobrindo as regiões dos rios Amarelo, Xiliao e Amur. Seus resultados, publicados na revista “Nature Communications, aumentam as discussões sobre a relação entre contatos genéticos e mudanças de subsistência, ao mesmo tempo que fornecem a primeira visão genética abrangente do norte da China.

Genes e subsistência

Liderados pelo geneticista Yinqiu Cui, da Universidade Jilin, os pesquisadores descobriram que, ao contrário da forte continuidade genética na bacia do Amur, os perfis genéticos na região do rio Xiliao mudaram substancialmente ao longo do tempo. O rio Amarelo, no entanto, mostrou uma estabilidade genética geral, mas recebeu contribuição genética de populações relacionadas aos grupos atuais no sul da China desde meados do Neolítico.

LEIA TAMBÉM: Pesquisa: Primeiros hominídeos no Tibete foram denisovanos

“Embora as mudanças genéticas em cada região difiram em tempo e intensidade, cada alteração está correlacionada com mudanças na estratégia de subsistência”, diz o principal autor, Chao Ning, da Universidade Jilin e da equipe eurasia3angle do MPI SHH. “Quando olhamos para trás no tempo, um aumento da afinidade do rio Amur no rio Xiliao corresponde à inclusão de uma economia pastoral durante a Idade do Bronze; antes disso, um aumento da afinidade do rio Amarelo na mesma região está correlacionado com a intensificação do cultivo do milheto no final do Neolítico. Finalmente, nossos primeiros resultados mostram que uma afinidade do rio Amarelo com populações do sul da China (por exemplo, da bacia do rio Yangtze) desde o Neolítico médio é concordante com a dispersão da agricultura de arroz na direção norte.”

Passo à frente

O autor correspondente Choongwon Jeong, ex-geneticista da equipe eurasia3angle, agora afiliada à Universidade Nacional de Seul (Coreia do Sul), coloca as descobertas em perspectiva. “Percebemos que nosso conjunto de dados atual precisa de genomas antigos de pessoas que trouxeram a agricultura de arroz para o nordeste da China, como agricultores antigos das regiões de Shandong e do baixo rio Yangtze, mas nosso estudo já é um grande passo à frente para entender como essa região se desenvolveu.”

“Para mim, como linguista, nossas descobertas são realmente uma grande surpresa”, diz a autora sênior Martine Robbeets, pesquisadora principal da equipe eurasia3angle. “Como a bacia do rio Xiliao está associada à origem da família linguística transeurasiana e a bacia do rio Amarelo, à família sino-tibetana, nossos resultados alimentam o debate sobre a correlação histórica entre culturas, línguas e genes arqueológicos.”

Alguns dos restos humanos analisados pelos pesquisadores: migrações associadas a mudanças importantes na agricultura e na pecuária. Crédito: Yonggang Zhu/Faculdade de Arqueologia, Universidade Jilin

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança